Untitled Document
SÁBADO, 27 DE NOVEMBRO DE 2021
20 de OUTUBRO de 2021 | Fonte: G1

PF prende ex-deputado Isaac Alcolumbre em operação contra tráfico internacional de drogas no Amapá

Isaac é primo do senador Davi Alcolumbre, que não é alvo da operação. Um aeródromo do ex-deputado funcionava como local de abastecimento e manutenção das aeronaves usadas para distribuir entorpecentes vindos da Colômbia e Venezuela.
Isaac Alcolumbre, foi deputado estadual pelo Amapá (Foto: Alap/Divulgação)

A Polícia Federal cumpre 24 mandados de prisão no âmbito da operação Vikare, deflagrada nesta quarta-feira (20/10), que investiga grupo criminoso que atua com o tráfico internacional de drogas. Entre os presos, está o ex-deputado estadual pelo Amapá, Isaac Alcolumbre, primo do senador e ex-presidente do Senado, Davi Alcolumbre. Davi não é investigado na operação.

 

A operação também cumpre 49 mandados de busca e apreensão, que estão cumpridos em cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Pará, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Ceará e Piauí.

 

Batizada de Vikare, a ação partiu de investigação no Amapá iniciada em maio de 2020 que identificou que o Amapá era um ponto logístico da organização criminosa. Esquema usava aeronaves e empresas para mascarar o transporte de entorpecentes entre vários estados e países da América do Sul.

 

Um aeródromo na capital Macapá - de propriedade de Isaac Alcolumbre - funcionava como local de abastecimento e manutenção das aeronaves – a maioria de pequeno porte.

 

O estado recebia os aviões vindos principalmente da Colômbia e Venezuela, que depois seguiam com as drogas para várias regiões do Brasil.

 

A PF ainda não detalhou o número de presos e nem total de dinheiro e itens já apreendidos. O órgão também informou que foi pedido o sequestro de bens de 68 investigados, entre aeronaves, embarcações e o bloqueio de R$ 5,8 milhões em bens.

 

Como começou a investigação

O fato que motivou toda a operação aconteceu após a descoberta de destroços de um avião em maio de 2020 numa área isolada do município de Calçoene, no extremo norte do Amapá.

 

A PF monitorava movimentações suspeitas de aeronaves quando encontrou os destroços. A investigação apontou que o veículo foi incendiado de propósito para esconder a prática.

 

No local onde o avião foi achado, outros indícios do tráfico de drogas foram percebidos, como uma vala destinada ao armazenamento das drogas.

 

Daí então, foi descoberta uma cadeia de ocorrências que levou à identificação dos envolvidos, entre eles, o fato de que outra aeronave pousou em Calçoene para transportar os tripulantes e carga do avião incendiado.

 

Esta segunda aeronave teria sido vendida, em novembro do ano passado, para uma pessoa presa no Pará com 450 skank, espécie de maconha com maior concentração de substâncias psicoativas.

 

O avião partiu do mesmo aérodromo em Macapá alvo das investigações. Além de oferecer o apoio logístico, a pista de pouso contava ainda com um sofisticado "serviço" de manutenção com fornecimento de mecânicos, pilotos e operadores financeiros.

 

"O local também foi utilizado como ponto de apoio para realização dos preparativos da aeronave de modo a deixá-la em condições para voar com autonomia para longas distâncias, como retirada de bancos, fornecimento de combustível em carotes, o que é proibido, e assim trazer a maior quantidade de drogas possível", informou a Polícia Federal.



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraiense intensifica preparação de goleiros para a Série B
Governo de Naviraí encaminha proposta de reajuste salarial de 13,64% a todos os servidores
Homem é baleado dentro de motel em MS e corre nu para pedir socorro em avenida
Untitled Document