Untitled Document
DOMINGO, 16 DE JUNHO DE 2024
29 de JULHO de 2021 | Fonte: Correio do Estado

Empreiteira não concluiu obra de R$ 32 milhões, e ganha na Justiça o direito de receber R$ 4,2 milhões do governo

Empreiteira recebeu, mas não entregou a MS-180, que liga Juti à Iguatemi, no Sul do Estado.

O governo tenta, na Justiça, anular decisão em que foi condenado a indenizar em R$ 4,2 milhões uma empreiteira do Paraná, por uma obra que nem sequer foi concluída. 

 

Trata-se da DM Construtora, responsável pela pavimentação da MS-180, rodovia que liga as cidades de Juti e Iguatemi, cuja obra foi paralisada em 2014, último ano da administração de André Puccinelli.  

 

A empresa foi à Justiça para pedir o reequilíbrio financeiro do contrato, depois que já havia deixado a obra em status incompleto. 

 

A DM Construtora alegou que foi prejudicada pelo excesso de chuvas, apresentou documentos, e o juiz da 4ª Vara de Fazenda e Registros Públicos da Capital, Marcelo Andrade Campos Silva, aceitou o pedido em setembro do ano passado, e condenou o governo de Mato Grosso do Sul a indenizar a empreiteira em R$ 4.264.150,80, por causa de 39 dias de paralisação por causa da chuva.

 

A ordem de início dos serviços ocorreu em 24 de junho de 2013. À época, a DM Construtora recebeu R$ 32,2 milhões pela obra que tinha como prazo inicial 270 dias para a execução dos serviços.

 

Em sua defesa, o governo alegou que foram feitos dois aditivos contratuais para prorrogação de prazo e que a DM Construtora não apresentou o diário de obras entre os períodos de 1º a 17 de julho de 2013 e 25 de julho a 31 de agosto de 2013.  

 

Na ação, o governo pontua que apesar do período de chuvas, “não foi realizado pedido de paralisação das obras, inexistindo ato ilícito a ser indenizado”.  

 

Em contrapartida, a DM Construtora afirma na apelação que “se o contrato está ou não extinto é algo absolutamente irrelevante ao caso concreto”.  

 

Para a empreiteira, o objetivo da ação de reparação é justificável tendo em vista que “o atraso na conclusão da obra não se deveu à Construtora”, e como consequência, ela não deveria ser responsabilizada pelos danos recorrentes da obra inacabada.  

 

Diante de tantos entraves, às duas partes recorreram à Procuradoria Geral do Estado (PGE) para que o novo julgamento do Recurso de Apelação seja feito de modo presencial para que haja sustentação oral.  

 

Ainda não há previsão para que a ação seja julgada presencialmente.



Untitled Document
Últimas Notícias
Cresol Pioneira realiza posse do Conselho de Administração
Cresol recebe comitiva de São Paulo para visita
Realizado pela Prefeitura de Naviraí, 21ª FEJUNAVI terá show de Rio Negro & Solimões
Untitled Document