Untitled Document
SÁBADO, 15 DE AGOSTO DE 2020
17 de JULHO de 2020 | Fonte: Notícias Agrícolas

Preço do milho no Brasil encerra a semana ainda sustentado no físico e na B3

Chicago se beneficiou de compras chinesas.
Foto: Divulgação/José Schafer

A sexta-feira (17/07) chega ao final com os preços do milho registrando movimentações positivas e negativas no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram percebidas desvalorizações em Jataí/GO (1,25% e preço de R$ 39,50), Castro/PR (2,17% e preço de R$ 45,00), Campo Grande/MS e São Gabriel do Oeste/MS (2,63% e preço de R$ 37,00).

 

Já as valorizações apareceram nas praças de Pato Branco/PR (1,18% e preço de R$ 42,70), Ubiratã/PR e Marechal Cândido Rondon/PR (1,22% e preço de R$ 41,50), Eldorado/MS (1,28% e preço de R$ 39,50), Palma Sola/SC (2,27% e preço de R$ 45,00), Panambi/RS (2,37% e preço de R$ 44,04) e Não-Me-Toque/RS (2,38% e preço de R$ 43,00).

 

Confira como ficaram todas as cotações nesta sexta-feira

De acordo com o reporte diário da Radar Investimentos, o mercado físico do milho terminou esta semana com preços mais pressionados para baixo do que iniciou. “Isto porque a colheita avançou de maneira satisfatória em boa parte das regiões produtoras, o que pesou sobre as cotações”.

 

Os números divulgados nos últimos boletins dos órgãos estaduais apontam que o Mato Grosso já colheu 61,13% das lavouras, o Paraná 11% e o Mato Grosso do Sul 2,1%, conforme as publicações de Imea, Deral e Famasul, respectivamente.

 

Segundo o analista de grãos do Rabobank, Victor Ikeda, apesar de atrasada com relação ao ano passado, a colheita está em linha com a média dos últimos cinco anos e a pressão nos preços do milho deve começar a aparecer ao final do mês de agosto, quando os trabalhos já devem estar encerrados.

 

Os estoques apertados durante boa parte do primeiro semestre é o que ainda sustenta esses preços. O indicador ESALQ/BM&FBOVESPA fechou a última quarta-feira (15) em R$ 49,40 a saca e a indicação da B3 para o contrato setembro/20 aponta redução para algo entre R$ 46,80 e R$ 46,90.

 

O analista destaca que, mesmo com essa retração, os preços seguem em patamares próximos aos recordes nominais para o período e mantêm a rentabilidade ao produtor. Uma nova movimentação de alta deve surgir a partir de outubro com as exportações e a demanda interna ganhando força.

 

B3

Os preços futuros do milho subiram na Bolsa Brasileira (B3) neste último da semana. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,20% e 2,00% por volta das 16h21 (horário de Brasília).

 

O vencimento julho/20 era cotado à R$ 47,84 com valorização de 2,00%, o novembro/20 valor de R$ 49,00 com elevação de 1,45%, o janeiro/21 era negociado por R$ 50,50 com alta de 1,00% e o março/21 tinha valor de R$ 50,70 com ganho de 0,20%.

 

Ikeda aponta ainda que, as oportunidades para travamento de vendas da próxima segunda safra em 2021 estão favoráveis com a sinalização de preços da saca ao redor de R$ 46,00. Seguindo este cenário, o Mato Grosso já negociou cerca de 40% da safra de milho do ano que vem de acordo com o Imea.

 

Por fim, olhando para a exportação, o Rabobank estima volume total de 33 milhões de toneladas após as 4 milhões registradas no primeiro semestre, com o câmbio deixando o cereal brasileiro bastante competitivo até mesmo com relação ao norte-americano.

 

Mercado Externo

Para a Bolsa de Chicago (CBOT), a sexta-feira foi de elevação para os preços internacionais do milho futuro. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 1,75 e 2,75 pontos ao final do dia.

 

O vencimento setembro/20 foi cotado à US$ 3,33 com valorização de 2,75 pontos, o dezembro/20 valeu US$ 3,39 com alta de 2,25 pontos, o março/21 foi negociado por US$ 3,49 com ganho de 2,00 pontos e o maio/21 teve valor de US$ 3,56 com elevação de 1,75 pontos.

 

Esses índices representaram valorizações, com relação ao fechamento da última quinta-feira, de 0,91% para o setembro/20, de 0,59% para o dezembro/20, de 0,58% para o março/21 e de 0,56% para o maio/21.

 

Com relação ao fechamento da última semana, os futuros do milho acumularam desvalorizações de 1,19% para o setembro/20, de 1,45% para o dezembro/20 e de 1,69% para o março/21 na comparação com a última sexta-feira (10).

 

Segundo informações da Agência Reuters, os contratos futuros de milho nos Estados Unidos subiram na sexta-feira, devido à retomada da demanda de exportação das culturas, principalmente da China, levando os traders a cobrir posições curtas.

 

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) confirmou vendas de 3 milhões de toneladas de milho dos Estados Unidos para a China desde o dia 10 de julho. “As compras de milho pela China estão em alta e podem aumentar ainda mais devido a preços atraentes”, disse a consultoria Agritel.



Untitled Document
Últimas Notícias
Comissão se reúne para falar sobre planejamento de retorno às aulas presenciais em MS
Governo regulamenta serviços de retransmissão de rádio
Palmeiras se reúne com médicos e prepara pedido de mudança em protocolo da CBF
Untitled Document