Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 18 DE SETEMBRO DE 2019
22 de AGOSTO de 2019 | Fonte: G1

Prévia da inflação é a menor para agosto desde 2010, diz IBGE

Energia elétrica teve alta de 4,91% no mês, pressionando a inflação. — Foto: Reprodução/EPTV
Energia elétrica teve alta de 4,91% no mês, pressionando a inflação. — Foto: Reprodução/EPTV

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,08% em agosto, informou nesta quinta-feira (22) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou próximo do registrado no mês anterior, de 0,09%, e foi o mais baixo para um mês de agosto desde 2010, quando ficou em -0,05%.

No ano, o indicador acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, resultado abaixo dos 3,27% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2018, o IPCA-15 foi de 0,13%.

De acordo com o IBGE, a energia elétrica foi a principal responsável por pressionar a inflação no mês. Com alta pelo 7º mês seguido, as tarifas tiveram aumento de 4,91% na passagem de julho para agosto, depois de ter avançado 1,13% no mês anterior. Com isso, o grupo da habitação teve alta de 1,42% no mês, respondendo pelo maior impacto no indicador, de 0,23 ponto percentual.

Apesar da alta na energia elétrica, quatro dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE tiveram deflação em agosto, incluindo Transportes e Alimentação e Bebidas, que têm grande impacto no bolso dos brasileiros.

Veja a variação de todos os grupos:
·Alimentação e bebidas: -0,17%
·Habitação: 1,42%
·Artigos de residência: 0,82%
·Vestuário: -0,07%
·Transportes: -0,78%
·Saúde e cuidados pessoais: -0,32%
·Despesas pessoais: 0,27%
·Educação: 0,07%
·Comunicação: 0,44%

Gasolina tem segunda queda consecutiva
O grupo de Transportes foi responsável pelo maior impacto negativo (-0,14 p.p.) na inflação do mês. Ele apresentou deflação de 0,78%, depois de ter recuado 0,44% em julho. A queda foi puxada, novamente, pelos combustíveis (-1,70%).

A gasolina recuou 1,88%, a segunda queda consecutiva, e foi o maior impacto individual negativo no indicador mensal (-0,08 p.p.). Etanol (-1,09%), óleo diesel (-1,70%) e gás veicular (-0,07%) também tiveram queda.

Passagens aéreas com queda de 15,57%
Também pressionando a queda do grupo de Transportes estão as passagens aéreas, item que respondeu pelo segundo maior impacto negativo individual (-0,07 p.p.) no IPCA-15 de agosto. Após as altas de junho e julho (18,98% e 18,10%, respectivamente), as passagens aéreas apresentaram queda de 15,57% no mês.

Alimentação em queda

O grupo de alimentação e bebidas apresentou queda de 0,17% em agosto depois de ter registrado ligeira alta (0,03%) em julho. O resultado foi influenciado, sobretudo, pela alimentação no domicílio, que registrou queda de 0,45% no mês.

Segundo o IBGE, a maior pressão negativa sobre o preço da alimentação partiu do tomate, cujos preços médios tiveram queda de 14,79%. Em seguida, as quedas mais relevantes foram da batata-inglesa (-15,09%), hortaliças e verduras (-6,26%) e feijão-carioca (-5,61%). Dentre os itens que subiram, os destaques ficaram com as frutas e com a cebola que subiram 2,87% e 15,21%, respectivamente.

Deflação em seis regiões
Das 11 regiões pesquisadas pelo IBGE, seis registraram deflação na passagem de julho para agosto. A mais intensa foi observada em Goiânia (-0,29%), em função da queda observada nos preços da gasolina (-5,63%).

Dentre as regiões que tiveram alta na inflação, o destaque ficou com São Paulo, onde o indicador ficou em 0,31% pressionado pela alta de 7,51% no item energia elétrica.



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraí terá campanha de vacinação antirrábica em duas datas
Palmeiras tira Ramires do campo e só deve voltar em 2019
CCJ da Câmara aprova condução coercitiva de intimados por CPI
Untitled Document