Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 20 DE AGOSTO DE 2019
23 de JULHO de 2019 | Fonte: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Investimentos em logística transformarão Porto Murtinho na nova Paranaguá de MS

Extremo sudoeste, na fronteira com o Paraguai, saiu da condição de fim de linha para centro de uma rota rodo-fluvial que barateia os custos e potencializa a produção de Mato Grosso do Sul no competitivo centro consumidor mundial.
Projeção da ponte sobre o Rio Paraguai, a ser construída entre Porto Murtinho e Carmelo Peralta (Foto: Divulgação/ Itaipu Paraguai)

Um dos últimos municípios do Estado a ter o acesso pavimentado – em 2003 foi inaugurado o trecho final da BR-267, de 213 km -, Porto Murtinho rompe o isolamento histórico para se tornar um dos principais entrepostos comerciais do país. Ao promover o fomento ao transporte fluvial, como estratégia para escoamento de grãos, o Governo do Estado transformou Murtinho no caminho natural para se chegar ao mercado asiático.

 

O extremo sudoeste, na fronteira com o Paraguai, saiu da condição de fim de linha para centro de uma rota rodo-fluvial que barateia os custos e potencializa a produção primária de Mato Grosso do Sul no competitivo centro consumidor mundial. Porto Murtinho terá, em dois anos, quatro portos operando na Hidrovia do Paraguai e, em 2023, será o eixo do Corredor Bioceânico (Atlântico-Pacífico) por rodovia, com a construção da ponte sobre o mesmo rio.

 

“Porto Murtinho será a nossa nova Paranaguá”, projeta Jaime Verruck, secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar. “O desenvolvimento da região é algo concreto, tem cronograma e está acontecendo, impulsionado pelos incentivos fiscais do Programa de Estímulo às Exportações e Importações, criado pelo governo em 2015, e pelos investimentos públicos para viabilizar a Rota Bioceânica.”

 

Competitividade

A resposta do setor privado foi imediata com os incentivos do Estado para eliminar os gargalos da hidrovia – retirando a obrigatoriedade da paridade de exportação para grãos, isentando-a, na prática, de tarifa. Com a construção de três novos portos e a perspectiva de um quarto, de um grupo paranaense, mais de R$ 450 milhões serão injetados em Murtinho em dois anos. Somando os investimentos do Estado e da União em infraestrutura, chega-se ao valor expressivo de R$ 650 milhões.

Governador Reinaldo Azambuja e o presidente do Paraguai, Mário Benítez, no local onde será construída a ponte internacional (Foto: Foto: Chico Ribeiro)

A capacidade de escoamento fluvial de commodities do município, hoje de 460 mil toneladas/ano, será ampliada para seis milhões de toneladas/ano a médio prazo, segundo cenário desenhado pelo Estado. “Mato Grosso do Sul será o novo hub logístico para a América do Sul”, afirma o governador Reinaldo Azambuja. “É fundamental essa expansão logística porque o Estado deve aumentar em mais 1,5 milhão de hectares a área plantada em 10 anos”.

 

O impulso econômico ao município e o cenário favorável ao agronegócio confirmaram uma tendência mundial: a hidrovia barateia o custo Brasil. A atratividade do Rio Paraguai para os grãos gerou um ganho aos produtores rural da região serrana do Estado. As empresas de trade pagam hoje até R$ 2,00 a mais por saca em função da redução do frete das cargas, que eram levadas por grandes distâncias até os portos de Paranaguá (PR) e Santos (SP).

 

Com a implantação do corredor rodoviário bioceânico, a partir de 2023, prazo para conclusão da ponte sobre o Rio Paraguai, entre Porto Murtinho e Carmelo Peralta (Paraguai), Mato Grosso do Sul reduzirá em 8 mil km a distância marítima para chegar os produtos ao principal mercado, o asiático. Partindo de Campo Grande, são 1.900 km até os portos do Chile, no Oceano Pacífico. Um novo caminho, mais ganhos, empregos e competitividade.

 

PREÇO DA TERRA SALTOU COM O NOVO “BOOM”

Fundado há 107 anos, Porto Murtinho foi, até há alguns anos, a região mais abandonada e isolada de Mato Grosso do Sul, depois de passar por vários ciclos econômicos enquanto palco da erva mate, tanino e charque, testemunhado pelo seu patrimônio arquitetônico. Foi também, até início dos anos de 1980, castigada pelas enchentes do Rio Paraguai, que inundavam a cidade, obrigando a mudança da população para a chamada Cidade de Lona.

Porto Murtinho deixará de ser fim de linha para se tornar o centro comercial do Brasil com o Mercosul e a Ásia (Foto: Divulgação/ Itaipu Paraguai)

Um cenário de decadência e pobreza que se expandia pelo outro lado da fronteira, o Alto Paraguai, por falta de perspectivas de desenvolvimento e ausência dos governos. A chegada do asfalto pela BR-267, em 2013, vislumbrou mudanças, fomentou o turismo e o olhar do setor produtivo mirou Murtinho com a implantação do porto público-privado, em operação.

 

A partir de 2015, o Programa de Estímulo à Exportação ou Importação (Proeip), criado pelo Governo do Estado, turbinou o escoamento de grãos pelo Rio Paraguai e viabilizou o terminal portuário, fechado por oito anos por demandas judiciais e má gestão. A iniciativa deu certo e mudou a realidade da região, que passou a ser estratégica para reduzir os custos de transporte e tornar competitivos os produtos do Estado, atraindo grandes investimentos em logística.

 

Novos horizontes

Porto Murtinho se prepara para ser o principal polo exportador da região Centro-Oeste com a implantação de uma infraestrutura intermodal hidro-rodoviária, com quatro novos portos e a ponte internacional. Esse “boom” já reflete na cidade, onde o preço dos terrenos urbanos aumentou em 400%, e tem atraído empreendedores de calcário, cerâmico, comércio e hoteleiro, além da expansão da agricultura com a facilidade de escoamento.

Ponte internacional reduzirá em mais de 8 mil km a distância entre a produção de MS e a Ásia (Foto: Divulgação/ Itaipu Paraguai)

Com arrecadação de R$ 6 milhões/mês, o município projeta crescimento da receita anual em 30%, em dois anos, segundo o prefeito Derley Delevatti. Para atrair novos investimentos, ele pretende reduzir o ISS (Imposto Sobre Serviços) de 5% para 2% e aposta na reabertura do frigorífico da Marfrig, fechado há cinco anos, e no incremento do turismo fronteiriço. A expansão imobiliária já é uma realidade com o lançamento de loteamento com 625 lotes a R$ 25 mil.



Untitled Document
Últimas Notícias
17º Simpósio da Soja Copasul será transmitido ao vivo para todo o Brasil
STJD decide punir com perda de pontos as ações homofóbicas
Pescador divulga pesca de Dourado e é multado em R$ 4,3 mil
Untitled Document