Untitled Document
QUINTA-FEIRA, 19 DE SETEMBRO DE 2019
12 de JULHO de 2019 | Fonte: Fernando Ortega (Assessoria)

Onevan vota contra projeto de lei que promove mudanças na Educação

Deputado reiterou compromisso político com professores e administrativos.
Onevan votou contra alterações na Lei Complementar 87/2000 - Estatuto dos Profissionais da Educação Básica (Foto: Divulgação) 

O deputado estadual Onevan de Matos votou contra, na sessão plenária desta quinta-feira (11/07), ao mérito do projeto de lei proposto pelo Governo do Estado, que promoverá alterações na Lei Complementar 87/2000 (Estatuto dos Profissionais da Educação Básica).

 

Mérito – Onevan fez questão de esclarecer o seu posicionamento na primeira votação de quarta-feira (10/07), na qual foi apreciada o parecer da Comissão de Constituição, Justiça e Redação quanto à legalidade da proposta, bem como seu voto contrário às mudanças previstas na matéria.

Deputado Onevan conversa com educadores que foram até a Assembleia Legislativa acompanhar a votação (Foto: Divulgação)

“Junto com a Saúde, a Educação sempre foi o alicerce de minha atuação político-parlamentar, de modo que meu voto na sessão de hoje (quinta) foi em respeito à minha trajetória como homem público e deputado estadual”, afirmou Onevan de Matos.

 

Base do Governo – Onevan aproveitou para destacar que é parceiro do Governo do Estado, no entanto, o seu trabalho e compromisso com a classe dos educadores não poderiam ser desconsiderados ao votar a proposta encaminhada à Assembleia Legislativa.

Onevan reitera compromisso político com professores e administrativos (Foto: Divulgação)

“Sou da base do Governo e continuarei a defender os interesses da população de Mato Grosso do Sul, inclusive, neste momento difícil de crise econômica que abrange muitas unidades da federação – algumas que, sequer, pagam salários em dia”, complementou o deputado estadual Onevan de Matos.



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraí terá campanha de vacinação antirrábica em duas datas
Palmeiras tira Ramires do campo e só deve voltar em 2019
CCJ da Câmara aprova condução coercitiva de intimados por CPI
Untitled Document