Untitled Document
SÁBADO, 30 DE MAIO DE 2020
28 de JUNHO de 2019 | Fonte: FIEMS/DICOM

Fiems, Assembleia Legislativa e comitiva articulam liberação de bitrens no Paraguai

Liberação permitirá que indústrias do Estado voltem a movimentar carretas bitrens para o Paraguai, aumentando a competitividade dos produtos locais com o Mercosul.
Empresários do Paraguai reunidos com os presidentes da Fiems e Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Foto: Fiems/divulgação)

Por intermédio da Fiems, uma delegação de empresários do Paraguai esteve, nesta sexta-feira (28/06), na Assembleia Legislativa, solicitando apoio para a articulação de mudanças na legislação do país vizinho, de modo a permitir a entrada de carretas bitrens brasileiras por Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia que faz fronteira com Ponta Porã (MS).

 

Segundo o presidente da Fiems, Sérgio Longen, as alterações permitirão que indústrias do Estado voltem a movimentar carretas bitrens para o Paraguai, o que vai aumentar a competitividade dos produtos locais no país vizinho e também no Mercosul. 

 

“Hoje, é permitida a entrada somente carretas de até três eixos, o que reduz expressivamente o volume de exportações do Estado para o Mercosul. Quando à nossa carreta não entra, levamos menos produtos via Paraguai, o que torna os custos mais elevados para o empresário e impacta também nas exportações do agronegócio”, exemplificou Longen.

 

A rodovia, que passa pelo município de Ponta Porã e segue até o Porto de Concepción, no Paraguai, a 220 quilômetros de Pedro Juan Caballero, é, atualmente, uma das principais rotas de exportações de grãos e produtos brasileiros para o Paraguai e outros países da América Latina.

 

“Vivemos em um mercado global, onde a competição alta e nosso grande concorrente hoje é a China. Se quisermos mudar essa realidade, precisamos urgente de mudanças nessa legislação, para nos permitir rodar no país vizinho e usar o Porto de Concepción”, completou o presidente da Fiems.

 

Em contrapartida, o Paraguai poderia entrar no Brasil, também via Mato Grosso do Sul, com calcário – bastante utilizado pelo segmento sucroenergético e de celulose para correção do solo de plantio de cana de açúcar e eucalipto – e cimento. 

Presidentes da Fiems e Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul recebem comitiva de empresários do país vizinho (Foto: Fiems/divulgação)

O ex-ministro de Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite, que atualmente é porta-voz do CRC Group, holding paraguaia de logística e infraestrutura, afirma que uma indústria de processamento e fabricação de calcário está em fase de implantação no país e, dentro de três anos, deve produzir 2 milhões de toneladas por ano.

 

“Nosso principal gargalo é como escoar essa produção. Agilizar o desembaraço alfandegário de produtos locais para o Brasil seria muito importante para nós em uma relação bilateral na qual todos sairiam ganhando”, ressaltou Gustavo Leite.

 

Já o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Paulo Corrêa, explica que a Casa de Leis e a Fiems irão integrar uma comitiva que, nos dias 8 e 9 de julho, estará no Paraguai, junto com empresários locais, para tentar viabilizar a liberação das barreiras alfandegárias. “Temos que agilizar esta questão. Esta reunião foi uma solicitação do Longen que pode resultar em uma negociação muito positiva para o Brasil e Mato Grosso do Sul”, concluiu.



Untitled Document
Últimas Notícias
Operação em MS busca provas contra policiais civis suspeitos de receberem propina da ‘Máfia do Cigarro’
Publicada com vetos lei sobre ajuda financeira a estados e municípios
Número de pacientes internados por coronavírus em Dourados sobe 50% em 24h
Untitled Document