Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 15 DE JULHO DE 2019
03 de MAIO de 2019 | Fonte: Correio do Estado

Arrecadação de ICMS cai 7% e piora caixa do Estado

Prejuízo com gás impactou contas públicas
Governo ainda contabiliza perda de R$ 25 milhões no recolhimento do ICMS - Foto: Álvaro Rezende / Correio do Estado

A arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) teve queda de 2,2% de março para abril e fechou em R$ 703,974 milhões no quarto mês do ano, frente a R$ 720,230 milhões no mês anterior. Os dados são do Portal da Transparência e apontam que no comparativo com o mesmo mês do ano passado, a queda é ainda maior (-7,08%) e o montante arrecadado passou de R$ 757,614 milhões para R$ 703,974 milhões.

Apesar do baque de abril, no acumulado do ano a receita de ICMS soma R$ 2,843 bilhões, o que representa crescimento de 3,4% em relação ao mesmo período de 2018 (R$ 2,747 bilhões). Um dos motivos seria o recuo de 30% na receita com o gás natural, um dos principais suportes da arrecadação estadual, segundo o próprio Governo do Estado.

Em abril, os cofres estaduais foram abastecidos com R$ 83,3 milhões dos impostos do combustível. O valor, que pode parecer expressivo a primeira vista, é 30% menor do que o arrecadado no mesmo período do ano passado: R$ 108,9 milhões.

A perda dos R$ 25 milhões no recolhimento do ICMS só no mês de abril e a oscilação do volume do gás importado pela estatal brasileira preocupam o Governo do Estado, que não tem gerência sobre o mercado. O vencimento do contrato da Petrobras com a Bolívia no segundo semestre de 2019 e possibilidade de revisão nos termos que garantem o fornecimento do gás natural ao Brasil também afligem o Estado.

Responsável por 77% das receitas tributáveis de Mato Grosso do Sul, conforme a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), o ICMS do gás é uma das principais fontes de recursos do fisco estadual. “Temos estudado maneiras de mudar esse cenário econômico. Mas sabemos que o Estado vai sofrer os impactos de qualquer nova discussão sobre o gás”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja.

Mato Grosso do Sul é o grande beneficiado pela importação do gás natural boliviano desde o início dos anos 1990, quando foi construído o Gasoduto Brasil-Bolívia (Gasbol). Como insumo entra no País por Corumbá, todo o imposto pago pela Petrobras pertence ao Estado. Atualmente, a estatal paga por contrato a importação de 24 milhões de metros cúbicos diários do gás natural, mesmo não recebendo todo o produto por falta de demanda local.

Dificuldades
Um dos reflexos das dificuldades financeiras do Governo está na negociação salarial
Este ano o Governo não sabe ainda se vai dar reajuste ao funcionalismo. O que foi feito foi apenas a renovação por dois meses do abono salarial até R$ 250 para todos os servidores.

A meta do Governo é manter o salários em dia. O governo também argumenta que, entre os 27 estados brasileiros, 10 já sinalizaram que não vão conceder reajustes em 2019: Amapá, Distrito Federal, Espírito Santo, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Paraná, Rondônia, São Paulo e Sergipe. Outros dois, Amazonas e Maranhão, anunciaram negociações apenas com servidores da educação. O restante ainda não se posicionou sobre o assunto.



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraí faz carreata em prol da valorização do comércio local
Atleta de Naviraí se destaca na 3ª Corrida Internacional em Ponta Porã
Contribuinte pode parcelar dívidas do IPVA em até 10 vezes
Untitled Document