Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 23 DE JULHO DE 2019
08 de FEVEREIRO de 2019 | Fonte: Correio do Estado

Abates de bovinos crescem 3% e vendas rendem R$ 2 bilhões a MS

Volume ficou em 3,2 milhões de animais no ano passado
Frigoríficos operam com 30% da capacidade, mas esperam reação nas vendas - Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado

Mesmo com a Operação Carne Fraca, escândalos e embargos ao setor frigorífico, Mato Grosso do Sul encerrou o ano de 2018 com volume de abates 3% maior que o registrado no ano anterior, de acordo com relatório do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Além disso, as exportações de carne bovina superaram os R$ 2 bilhões, em receita, valor 6,6% maior que em 2017.

 

De janeiro a dezembro do ano passado, segundo os números do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sipoa) da Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento em Mato Grosso do Sul (DFA-MS), foram abatidos pelos frigoríficos do Estado 3,2 milhões de cabeças de gado, 97 mil a mais que no mesmo período de 2017 (3,16 milhões de animais). Esse volume de abates representou 835,7 mil toneladas, 2,7% maior que do ano anterior, de 813,4 mil animais. 

 

Segundo Régis Luís Comarella, do frigorífico Boibras e um dos diretores do Sindicato das Indústrias de Frios, Carnes e Derivados do Estado de Mato Grosso do Sul (Sicadems), em 2018, os primeiros seis meses foram bons para a indústria de carnes, mas, entre julho e novembro, o desempenho foi muito ruim. “Os frigoríficos trabalharam com margem negativa”, pontuou. 

 

Em dezembro, houve aquecimento e essa tendência se manteve no primeiro mês de janeiro. “Agora em fevereiro, tivemos um pequeno aquecimento nas vendas, mas não é muita coisa. A arroba do boi está em R$ 140, R$ 141 [preços à vista] e até poderia subir, desde que tivesse um aumento de consumo, o que não está acontecendo”, comentou. Em dezembro do ano passado, por exemplo, o valor da arroba fechou entre R$ 145 e R$ 146, o que representa recuo de 3,4%.

 

A aposta do setor para 2019 é o mercado externo, principalmente a China e a Rússia. “A expectativa é de que 2019 seja um pouco melhor para a indústria, desde que aconteça uma demanda maior para exportação e o mercado interno reaja, com um aumento de preços”, explicou.

 

PLANTAS

Apesar do desempenho, a indústria da carne trabalha atualmente com 70% das plantas frigoríficas ociosas no Estado e com a expectativa de haver reação das vendas quando ocorrer melhora nas exportações e abertura dos principais mercados internacionais, com reflexo sobre os preços. Somente entre o fim do ano passado e este mês, o valor da arroba do boi teve queda de 3,4%.

 

Para 2019, na avaliação do representante do Sicadems, a tendência é de manutenção dos frigoríficos que já estão instalados no Estado, não havendo previsão para novas operações. “Hoje, estamos trabalhando com uma capacidade de 70%”, comentou.

 

No ano passado, foram reativadas plantas frigoríficas em Nioaque e Santa Rita do Pardo. Também há frigoríficos investindo na ampliação da estrutura com o intuito de agregar valor ao produto, caso do Boibras, de São Gabriel do Oeste, que está ampliando o setor de desossa, com previsão de entrada em operação no mês de abril.

 

Exportações

As exportações do complexo frigorífico somaram de janeiro a dezembro de 2018 US$ 918,5 milhões, uma redução de 3% em relação ao mesmo período do ano passado, e 36,8% do total alcançado é oriundo das carnes desossadas de bovinos congeladas, que totalizaram US$ 338,4 milhões, tendo como principais compradores Hong Kong, com US$ 185 milhões; Chile, com US$ 146,6 milhões; China, com US$ 65,7 milhões; Emirados Árabes Unidos, com US$ 62 milhões; e Arábia Saudita, com US$ 56,1 milhões.

 

De acordo com o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, “mesmo com as operações deflagradas pela Polícia Federal, os escândalos em grandes grupos frigoríficos e os embargos à exportação de carne de MS, o Estado conseguiu fechar 2018 com crescimento de 6,6% em receita gerada pela comercialização ao mercado estrangeiro. Foram movimentados US$ 546 milhões no ano passado, diante de US$ 512 milhões do ano anterior. Em reais, o valor supera os R$ 2 bilhões”, ressaltou o economista.


OUTROS ABATES

Ainda conforme o relatório do Mapa, os frigoríficos de aves abateram em 2018 163,9 milhões de cabeças em Mato Grosso do Sul, fechando em queda de 4,3% no comparativo com o ano anterior. Em 2017, o total de aves abatidas foi de 171,4 milhões.

 

Em relação ao rebanho de suínos, os abates tiveram crescimento de 17,6% e passaram de 1,5 milhão, em 2017, para 1,8 milhão de animais no ano passado. 



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraí faz seletiva para Festival Estudantil Temático de Trânsito
Investimentos em logística transformarão Porto Murtinho na nova Paranaguá de MS
5º Encontro de Carros Antigos de Naviraí desperta atenção e curiosidade
Untitled Document