Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 15 DE JULHO DE 2019
06 de FEVEREIRO de 2019 | Fonte: Correio do Estado

Justiça mantém bloqueio de R$ 36 mi da Petrobras

Credores da UFN3 ainda estão à espera do pagamento
Fornecedores de Três Lagoas até hoje não receberam (Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado)

A novela que se arrasta sobre a dívida deixada pelo consórcio que construiu a Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Petrobras em Três Lagoas e os fornecedores está longe de um final. No entanto, mais um capítulo avançou na semana passada. Em decisão proferida, a Justiça de Três Lagoas voltou a manter o bloqueio de R$ 36 milhões da Petrobras, em decorrência de dívidas não pagas a fornecedores para as obras de construção da fábrica de fertilizantes no município, a UFN3. No entanto, a mesma sentença considerou que a estatal não tem responsabilidade no pagamento dos prestadores de serviço. Agora, a expectativa de fornecedores é que seja apresentado recurso contra a decisão. 

 

“Houve uma sentença no processo, considerando improcedente a demanda contra a Petrobras, o entendimento é de que não é de responsabilidade da estatal o pagamento dos credores, pois ela é a dona da obra e essa responsabilidade é do consórcio [formado pelas empresas Sinopec e Galvão Engenharia]. Contudo, o bloqueio dos recursos foi mantido, porque ainda existem discussões em outros processos, inclusive no Rio de Janeiro e São Paulo, do próprio consórcio com a Petrobras, sobre de quem é a responsabilidade de pagar a dívida”, comentou o assessor jurídico da Associação Comercial e Industrial de Três Lagoas, Vitor Garcia. 

 

Em dezembro do ano passado, as obras da UFN3 completaram quatro anos sem conclusão no Estado. Na época da suspensão dos serviços, a estatal rescindiu o contrato com o consórcio formado pelas empresas Sinopec e Galvão Engenharia, responsáveis pela obra. Os serviços prestados não foram pagos e a dívida soma R$ 36 milhões, somente para os prestadores de Três Lagoas. Somado a outros fornecedores de outras cidades brasileiras, o montante não pago chega a R$ 120 milhões, além de 1,5 mil trabalhadores que aguardam para receber direitos de rescisão. 



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraí faz carreata em prol da valorização do comércio local
Atleta de Naviraí se destaca na 3ª Corrida Internacional em Ponta Porã
Contribuinte pode parcelar dívidas do IPVA em até 10 vezes
Untitled Document