Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 23 DE JULHO DE 2019
08 de NOVEMBRO de 2018 | Fonte: Agência Brasil

IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018

Safra de 2019 deve ser 0,2% menor que a 2018, que pode ter queda de 5,6% em relação a 2017 (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje (8) sua primeira estimativa para a safra de cereais, leguminosas e oleaginosas de 2019. Segundo o prognóstico, a safra deverá ser 0,2% menor que a 2018, que deve ter uma queda de 5,6% em relação a 2017.

 

Em números absolutos, espera-se que a produção em 2019 chegue a 226,7 milhões de toneladas, abaixo das 227,2 milhões de toneladas previstas para 2018.

 

Segundo o IBGE, o recuo de 0,2% de 2018 para o ano que vem será puxado por quedas em quatro regiões: regiões Norte (-0,3%), Nordeste (-8,8%), Sudeste (-1,9%) e Centro-Oeste (-1,4%). Apenas a região Sul deverá ter alta: 4,1%.

 

Quatro das seis principais lavouras de grãos deverão ter recuo de produção no ano que vem: trigo (-12,5%), algodão herbáceo em caroço (-2,8%), arroz em casca (-4,2%) e soja em grão (-1%). São esperadas altas de 0,3% na safra do feijão e de 2,6% no milho em grão.

 

Safra de 2018

A safra de 2018 ainda não foi fechada e, assim, o IBGE tem apenas uma estimativa do que será a produção deste ano, com base no que já foi colhido nos dez primeiros meses do ano e no que se espera para novembro e dezembro.

 

Segundo a estimativa de safra de 2018, feita em outubro, o ano fechará com queda de 5,6% em relação a 2017.

 

Dos seis principais produtos, deverão ter alta a soja (2,4%), algodão (28,4%) e o trigo (37%). São esperadas quedas de 17,9% para o milho, de 5,6% para o arroz e de 9,6% para o feijão.

 

Capacidade de armazenamento cresce 1,2%

O total da capacidade de armazenamento de produtos agrícolas disponível no Brasil cresceu 1,2% do segundo semestre de 2017 para o primeiro semestre de 2018. Com isso, os silos e armazéns fecharam o semestre com capacidade para guardar 169 milhões de toneladas.

 

O dado foi divulgado hoje (8), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre os pontos de estocagem, os silos são o principal tipo, com capacidade de armazenar 81,1 milhões, seguidos pelos armazéns graneleiros (63,6 milhões) e armazéns convencionais (24,3 milhões).

 

De acordo com o IBGE, o estoque de produtos agrícolas chegou a 58,3 milhões de toneladas no primeiro semestre deste ano, 400 mil toneladas a menos do que no mesmo período do ano passado.

 

Os alimentos com maior volume estocado foram: soja (37 milhões de toneladas), seguido pelo milho (10,7 milhões), arroz (4,9 milhões), trigo (2 milhões) e café (762 mil toneladas).



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraí faz seletiva para Festival Estudantil Temático de Trânsito
Investimentos em logística transformarão Porto Murtinho na nova Paranaguá de MS
5º Encontro de Carros Antigos de Naviraí desperta atenção e curiosidade
Untitled Document