Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 22 DE JANEIRO DE 2019
05 de NOVEMBRO de 2018 | Fonte: Correio do Estado

Supermercados devem elevar vendas em 10% no Natal

Cervejas, refrigerantes, aves e carnes para assados devem puxar a alta
Produtos típicos de Natal devem aquecer as vendas - Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado

Supermercados de Mato Grosso do Sul projetam crescimento de 10% nas vendas para o Natal deste ano no comparativo com o mesmo período de 2017, acompanhando o índice nacional divulgado nesta semana pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

 

O motivo para essa avaliação é que o setor já acumula recuperação das vendas no Estado em outras datas comemorativas, como Dia das Mães e Dia dos Pais; para este fim de ano, há ainda uma expectativa de mudança na economia “para melhor”, em função do resultado das eleições. “Isso vai se refletir no consumo das famílias e nas compras de produtos para as festas de fim de ano. A nossa expectativa de melhora de vendas é positiva”, destacou Luiz Tadeu Gaedicke, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de Campo Grande (Sindsuper). 

 

Cervejas, refrigerantes, aves natalinas, carnes para assados e churrascos, panetones e frutas (secas e frescas), são os produtos em que se espera maior aquecimento nas vendas em Campo Grande e no Estado.

 

Ainda segundo o dirigente do Sindsuper, é nesta primeira quinzena do mês que os estabelecimentos começam a entrar no clima natalino e preparar a decoração típica das festas de fim de ano, porém os produtos não perecíveis, como panetones e bebidas, já chegaram ou estão começando a ser expostos nas lojas. Já as aves natalinas só devem ser encontradas nas gôndolas na primeira semana de dezembro. O mesmo ocorre com as frutas frescas, que por serem perecíveis, deverão ser colocados à venda apenas na própria semana de consumo, que antecede o Natal, explicou Gaedicke. 

 

Em relação às estimativas de reajuste de preços para o fim do ano, o presidente do sindicato dos supermercados da Capital informou que as negociações já foram feitas com fornecedores e a expectativa é que os produtos importados fiquem com o preço final de comercialização acima da inflação, enquanto os demais deverão ficar dentro do índice inflacionário. “Mas o que regula os preços finais nesta época do ano são as promoções”, pontuou.

 

Considerando o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) até outubro, a taxa nacional ficou em 4,53% nos últimos 12 meses, enquanto em Campo Grande alcançou 3,50%. Já de acordo com o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), apurado pela Fundação Getúlio Vargas, a alta de preços comercializados pode chegar a 10,79% ou superar esse percentual.

 

PAÍS

Os empresários do setor supermercadista projetam crescimento nominal de 10,27% nas vendas de final de ano, de acordo com a Pesquisa Natal 2018, da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), realizada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da instituição e divulgada na última terça-feira (30).

 

Mesmo com perspectivas positivas, a maioria dos empresários mantém cautela em relação às suas encomendas. Em 2018, 66% dos supermercadistas entrevistados na pesquisa projetam compras no mesmo patamar junto às indústrias/fornecedores, e apenas 18% estão mais otimistas, e acreditam em vendas superiores em relação a 2017.

 

De acordo com o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, o setor de supermercados segue com resultados positivos e no caminho da recuperação econômica, o que contribui para um melhor otimismo dos empresários em relação às vendas de final de ano.

 

VENDAS

Em relação à expectativa de vendas dos produtos mais consumidos no Natal e no Réveillon, o vinho importado (13,81%) e o panetone (13,06%) lideram as perspectivas dos empresários, seguidos do refrigerante (12,44%), carne bovina (12,35%), cerveja (12,19%) e frango congelado (12,11%).

 

Dentre os produtos típicos do Natal, além do panetone, os supermercadistas estão apostando nas vendas de frutas nacionais da época (11,38%), e frutas secas (9,70%). Todos os itens tiveram aumento significativo na perspectiva em relação a 2017.

 

O peru, uma das aves mais tradicionais da época, registrou 7,14% das expectativas de vendas, leve acréscimo nas encomendas em relação ao ano passado, que registrou 7,07% da expectativa no período.

 

Entre as carnes mais consumidas nas festas de final de ano, o pernil é a aposta de vendas para os supermercadistas, com perspectiva de alta de 11,91% nas vendas.

 

Em relação aos peixes, assim como em 2017, os supermercadistas estão apostando mais nos frescos (11,25%), seguido do congelado (9,10%), e bacalhau (8,85%).

 

Quanto aos importados, a estimativa de vendas para esses itens ficou em 6,92%, acima dos 5,83% registrados em 2017. Os vinhos importados tiveram um acréscimo nas encomendas (13,81%). No ano passado, este item representava 5,77% das expectativas de vendas. As frutas importadas também estão entre as principais apostas (11,00%) em 2018.

 

Em relação aos preços, as frutas importadas (11,46%), importados em geral (10,80%) e os vinhos importados (10,00%), foram os que apresentaram maior variação, devido à alta do dólar no período. 


CONTRATAÇÕES

A Pesquisa Natal 2018 da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) também apurou as expectativas de contratação das empresas do setor. Dos supermercadistas entrevistados, 33% irão contratar mão de obra temporária, ante 23% em 2017. Desses, 85% afirmaram que contratarão até 50 funcionários em suas lojas.

 

A perspectiva é deque o setor gere de 11 a 14 mil vagas temporárias no final do ano, incluindo as intermitentes.

 

Dentre as funções mais informadas pelos entrevistados que irão contratar temporários estão: operador de caixa (26,47%), repositor (24,51%), empacotador (21,57%) e entregador (10,78%). 



Untitled Document
Últimas Notícias
Reinaldo Azambuja debate prioridades de MS com ministros de Bolsonaro
Inscritos no Mais Médicos têm novas datas para selecionar municípios
Prefeito Izauri assina contratos na Caixa para aquisição de maquinários
Untitled Document