Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 13 DE NOVEMBRO DE 2018
05 de NOVEMBRO de 2018 | Fonte: Correio do Estado

Supermercados devem elevar vendas em 10% no Natal

Cervejas, refrigerantes, aves e carnes para assados devem puxar a alta
Produtos típicos de Natal devem aquecer as vendas - Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado

Supermercados de Mato Grosso do Sul projetam crescimento de 10% nas vendas para o Natal deste ano no comparativo com o mesmo período de 2017, acompanhando o índice nacional divulgado nesta semana pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

 

O motivo para essa avaliação é que o setor já acumula recuperação das vendas no Estado em outras datas comemorativas, como Dia das Mães e Dia dos Pais; para este fim de ano, há ainda uma expectativa de mudança na economia “para melhor”, em função do resultado das eleições. “Isso vai se refletir no consumo das famílias e nas compras de produtos para as festas de fim de ano. A nossa expectativa de melhora de vendas é positiva”, destacou Luiz Tadeu Gaedicke, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de Campo Grande (Sindsuper). 

 

Cervejas, refrigerantes, aves natalinas, carnes para assados e churrascos, panetones e frutas (secas e frescas), são os produtos em que se espera maior aquecimento nas vendas em Campo Grande e no Estado.

 

Ainda segundo o dirigente do Sindsuper, é nesta primeira quinzena do mês que os estabelecimentos começam a entrar no clima natalino e preparar a decoração típica das festas de fim de ano, porém os produtos não perecíveis, como panetones e bebidas, já chegaram ou estão começando a ser expostos nas lojas. Já as aves natalinas só devem ser encontradas nas gôndolas na primeira semana de dezembro. O mesmo ocorre com as frutas frescas, que por serem perecíveis, deverão ser colocados à venda apenas na própria semana de consumo, que antecede o Natal, explicou Gaedicke. 

 

Em relação às estimativas de reajuste de preços para o fim do ano, o presidente do sindicato dos supermercados da Capital informou que as negociações já foram feitas com fornecedores e a expectativa é que os produtos importados fiquem com o preço final de comercialização acima da inflação, enquanto os demais deverão ficar dentro do índice inflacionário. “Mas o que regula os preços finais nesta época do ano são as promoções”, pontuou.

 

Considerando o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) até outubro, a taxa nacional ficou em 4,53% nos últimos 12 meses, enquanto em Campo Grande alcançou 3,50%. Já de acordo com o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M), apurado pela Fundação Getúlio Vargas, a alta de preços comercializados pode chegar a 10,79% ou superar esse percentual.

 

PAÍS

Os empresários do setor supermercadista projetam crescimento nominal de 10,27% nas vendas de final de ano, de acordo com a Pesquisa Natal 2018, da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), realizada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da instituição e divulgada na última terça-feira (30).

 

Mesmo com perspectivas positivas, a maioria dos empresários mantém cautela em relação às suas encomendas. Em 2018, 66% dos supermercadistas entrevistados na pesquisa projetam compras no mesmo patamar junto às indústrias/fornecedores, e apenas 18% estão mais otimistas, e acreditam em vendas superiores em relação a 2017.

 

De acordo com o presidente da Abras, João Sanzovo Neto, o setor de supermercados segue com resultados positivos e no caminho da recuperação econômica, o que contribui para um melhor otimismo dos empresários em relação às vendas de final de ano.

 

VENDAS

Em relação à expectativa de vendas dos produtos mais consumidos no Natal e no Réveillon, o vinho importado (13,81%) e o panetone (13,06%) lideram as perspectivas dos empresários, seguidos do refrigerante (12,44%), carne bovina (12,35%), cerveja (12,19%) e frango congelado (12,11%).

 

Dentre os produtos típicos do Natal, além do panetone, os supermercadistas estão apostando nas vendas de frutas nacionais da época (11,38%), e frutas secas (9,70%). Todos os itens tiveram aumento significativo na perspectiva em relação a 2017.

 

O peru, uma das aves mais tradicionais da época, registrou 7,14% das expectativas de vendas, leve acréscimo nas encomendas em relação ao ano passado, que registrou 7,07% da expectativa no período.

 

Entre as carnes mais consumidas nas festas de final de ano, o pernil é a aposta de vendas para os supermercadistas, com perspectiva de alta de 11,91% nas vendas.

 

Em relação aos peixes, assim como em 2017, os supermercadistas estão apostando mais nos frescos (11,25%), seguido do congelado (9,10%), e bacalhau (8,85%).

 

Quanto aos importados, a estimativa de vendas para esses itens ficou em 6,92%, acima dos 5,83% registrados em 2017. Os vinhos importados tiveram um acréscimo nas encomendas (13,81%). No ano passado, este item representava 5,77% das expectativas de vendas. As frutas importadas também estão entre as principais apostas (11,00%) em 2018.

 

Em relação aos preços, as frutas importadas (11,46%), importados em geral (10,80%) e os vinhos importados (10,00%), foram os que apresentaram maior variação, devido à alta do dólar no período. 


CONTRATAÇÕES

A Pesquisa Natal 2018 da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) também apurou as expectativas de contratação das empresas do setor. Dos supermercadistas entrevistados, 33% irão contratar mão de obra temporária, ante 23% em 2017. Desses, 85% afirmaram que contratarão até 50 funcionários em suas lojas.

 

A perspectiva é deque o setor gere de 11 a 14 mil vagas temporárias no final do ano, incluindo as intermitentes.

 

Dentre as funções mais informadas pelos entrevistados que irão contratar temporários estão: operador de caixa (26,47%), repositor (24,51%), empacotador (21,57%) e entregador (10,78%). 



Untitled Document
Últimas Notícias
Conheça os nomes já confirmados para equipe ministerial de Bolsonaro
26ª Exponavi atrai grande público e atinge objetivos
Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa
Untitled Document