Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 13 DE NOVEMBRO DE 2018
30 de OUTUBRO de 2018 | Fonte: G1-MS

Desemprego cai mas ainda atinge 12,5 milhões

Foi a 6ª queda mensal seguida e trata-se da menor taxa de desemprego registrada no ano. Recuo foi puxado pelo aumento do trabalho informal ou por conta própria.

A taxa de desemprego no Brasil caiu para 11,9% no trimestre encerrado em setembro, mas ainda atinge 12,5 milhões de brasileiros, segundo dados divulgados nesta terça-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Foi a sexta queda mensal seguida e trata-se da menor taxa de desemprego registrada no ano.

 

O contingente de desempregados é 3,7% menor que o registrado no trimestre encerrado em junho (474 mil pessoas a menos). Já na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, quando havia 13 milhões de desempregados no país, a população desocupada caiu 3,6% (menos 469 mil pessoas).

 

O número de pessoas desalentadas (que desistiram de procurar emprego) ficou estável em relação ao trimestre anterior, se mantendo no patamar recorde (4,8 milhões). Na comparação com o mesmo trimestre de 2017, porém, houve alta de 12,6%.

 

Cresce emprego sem carteira e por conta própria

Os dados do IBGE mostram que a queda da taxa de desemprego foi puxada pelo aumento do trabalho informal ou por conta própria e do número de pessoas que trabalham menos horasdo que gostaria.

 

O número de empregados com carteira de trabalho assinada ficou estável frente ao trimestre anterior e também no confronto com o mesmo trimestre de 2017 (33 milhões).

 

Já o número de trabalhadores em carteira de trabalho assinada (11,5 milhões de pessoas) subiu 4,7% em relação ao trimestre anterior (522 mil pessoas a mais). Em relação ao mesmo trimestre do ano passado, a alta foi de 5,5% (601 mil pessoas a mais)

 

A categoria dos trabalhadores por conta própria (23,5 milhões de pessoas) cresceu 1,9% em relação ao trimestre anterior (mais 432 mil pessoas) e aumentou 2,6% (mais 586 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2017.

 

Já o número de subocupados (menos de 40 horas semanais trabalhadas) cresceu 5,4% (mais 351 mil pessoas) na comparação com o trimestre encerrado em junho, e aumentou 9,3% (mais 582 mil pessoas) ante 1 ano antes.

 

Falta emprego para 27,3 milhões de brasileiros

De acordo com o IBGE, 27,3 milhões de brasileiros estão subutilizados - 300 mil a menos que no trimestre imediatamente anterior, o que o instituto considera estabilidade. Já na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, esse contingente aumentou em mais de meio milhão de pessoas (eram 26,8 milhões em setembro de 2017, um crescimento de 2,1%.

 

O grupo de trabalhadores subutilizados reúne os desempregados, aqueles que estão subocupados (menos de 40 horas semanais trabalhadas), os desalentados (que desistiram de procurar emprego) e os que poderiam estar ocupados, mas não trabalham por motivos diversos.

 

Veja quantos estavam nessa condição no trimestre encerrado em setembro:

 

12,5 milhões de desempregados: pessoas que não trabalham, mas procuraram empregos nos últimos 30 dias (no 2º trimestre, eram 13 milhões);

 

6,9 milhões de subocupados: pessoas que trabalham menos de 40 horas por semana, mas gostariam de trabalhar mais (no 2º trimestre, eram 6,5 milhões);

 

8 milhões de pessoas que poderiam trabalhar, mas não trabalham (força de trabalho potencial; no 2º trimestre, eram 8,2 milhões): grupo que inclui 4,8 milhões de desalentados (que desistiram de procurar emprego) e outras 3,2 milhões de pessoas que podem trabalhar, mas que não têm disponibilidade por algum motivo, como mulheres que deixam o emprego para cuidar os filhos.



Untitled Document
Últimas Notícias
Conheça os nomes já confirmados para equipe ministerial de Bolsonaro
26ª Exponavi atrai grande público e atinge objetivos
Bolsonaro anuncia o general Fernando Azevedo e Silva para a Defesa
Untitled Document