Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 23 DE OUTUBRO DE 2018
03 de OUTUBRO de 2018 | Fonte: Fiems

Índice Geral de Desempenho Industrial do Estado registra terceiro mês positivo

O IGDI reflete a percepção do empresário em relação ao desempenho apresentado pela atividade industrial.
Foto: Divulgação

Pelo terceiro mês consecutivo, o IGDI (Índice Geral de Desempenho Industrial) de Mato Grosso do Sul, que foi criado pelo Radar Industrial da Fiems e é calculado com base nas pesquisas de Confiança e Sondagem Industrial, foi positivo. Em agosto, o Índice alcançou 53,1 pontos, indicando elevação de 1,1 ponto na comparação com o mês de julho.

 

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, esse desempenho é resultado de uma relativa estabilidade na participação das empresas com produção crescente ou estável que, em agosto, alcançou 78,8% do total. “Somado também ao crescimento na participação das empresas que contrataram no mês, saindo de 9,7% em julho para 11,8% em agosto”, detalhou.

 

Ele ressalta que também contribuíram para o resultado as elevações observadas nos índices de confiança e intenção de investimento. “Contudo, cabe salientar que, no comparativo com o mesmo mês do ano passado, todas as variáveis apresentaram resultados inferiores, sinalizando uma redução no ritmo de expansão”, informou.

 

O economista da Fiems reforça que essa condição pode estar associada a eventos que impactaram o ambiente produtivo mais recentemente. Ele cita como exemplos a greve dos caminhoneiros, o aumento das pressões inflacionárias decorrentes das elevações do dólar e do preço dos combustíveis e, claro, das incertezas derivadas do atual processo eleitoral.

 

“Ainda assim, com todos os resultados consolidados, o IGDI permanece acima dos 50 pontos, sinalizando que, na média geral, o desempenho em agosto foi melhor que o do mês anterior, segundo a percepção dos empresários respondentes”, pontuou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

 

O Índice

O IGDI reflete a percepção do empresário em relação ao desempenho apresentado pela atividade industrial. “Na elaboração, foram selecionadas cinco variáveis - emprego, investimento, produção industrial, utilização da capacidade instalada e confiança – e todas com peso de 20% na composição do Índice”, detalhou Ezequiel Resende.

 

No caso do emprego na indústria, o IGDI utiliza o percentual de estabelecimentos que aumentaram o número de empregados, enquanto na parte de investimento o Índice leva em consideração a intenção de investimentos para os próximos seis meses. Já da produção é usado o percentual de indústrias com a produção estável ou crescente, da utilização da capacidade instalada se pega o percentual médio e da confiança a base é o ICEI (Índice de Confiança do Empresário Industrial).

 

O IGDI Fiems contou com a avaliação, validação e auxílio técnico do professor-doutor Leandro Sauer, da Escola de Administração e Negócios e do Programa de Pós-Graduação em Administração (Mestrado e Doutorado) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (ESAN/UFMS). “O professor é matemático com atuação na utilização de métodos quantitativos em economia e tem comprovada experiência na elaboração e uso de indicadores sintéticos”, reforçou Ezequiel Resende.



Untitled Document
Últimas Notícias
Sesi destaca melhoria na gestão de SST com eSocial
Chuva desacelera ritmo da moagem de cana na segunda quinzena de setembro
Atacar Poder Judiciário é atacar a democracia, diz presidente do STF
Untitled Document