Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
01 de AGOSTO de 2018 | Fonte: Assessoria ACOM/ AESBE

Entidades fazem manifesto contra MP do Saneamento

Representantes de associações alertam que Medida Provisória assinada pelo presidente Michel Temer é inconstitucional e pode desestruturar totalmente o setor.

Entidades representantes do Setor de Saneamento no Brasil e da Sociedade civil organizada, reunidas em Campo Grande (MS), manifestaram seu repúdio à Medida Provisória 844, conhecida como MP do Saneamento, para revisar o Marco Legal do Saneamento, que já recebeu mais de 500 pedidos de emendas, desde sua assinatura pelo presidente Michel Temer, em 6 de julho. O grupo se reuniu na manhã de ontem (31/07), na sede administrativa da Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul), na Capital, e ganhou adesão de sul-mato-grossenses.

 

Grupo se reuniu na sede administrativa da Sanesul, na Capital, e ganhou adesão de sul-mato-grossenses (Foto: Divulgação/assessoria)

Assinaram o manifesto o vice-presidente regional Centro-Oeste da Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe) e diretor-presidente da Sanesul, Luiz Rocha; o vice-presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES), Odir Garcia de Freitas e o diretor da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul (Agepan), no ato representando a Associação Brasileira de Agências de Regulação (ABAR), Valter Almeida da Silva.

 

Para os manifestantes, além de ser inconstitucional, sem contar com uma discussão ampla por parte de entidades representativas e da sociedade brasileira, a MP pode desestruturar totalmente o setor, pois afeta a titularidade dos municípios, o subsídio cruzado e a lógica dos ganhos de escala, prejudicando os municípios mais pobres. Também gera grande risco para a população de aumento das tarifas de água e esgoto em todo Brasil.

 

Nesse contexto, com certeza haverá prejuízos imediatos para a universalização dos serviços, e a MP, ao contrário do discurso do Governo Federal, promoverá uma verdadeira desestruturação do setor de saneamento no Brasil, aumentando a diferença entre municípios ricos e pobres.

 

Segundo os manifestantes, o povo brasileiro precisa ser alertado para essa proposta equivocada e autoritária do Governo Federal, que não busca o bem comum da nação brasileira. O Governo Federal vai romper a lógica da prestação de serviço regionalizada, onde as operadoras vão brigar pelos municípios rentáveis, ou seja, para o “filé” haverá operadoras interessadas e o “osso” ficará com o estado.

 

O impacto dessa ação será sentido diretamente pela população mais pobre, em um momento em que os recursos para a saúde estão congelados por 20 anos. Ou seja: não investiremos em saneamento para prevenir doenças nem teremos condições de tratar os doentes. Em pleno século 21, viveremos em um Brasil do século 19.

 

“Nós, sanitaristas de todo o país e entidades que trabalham pela saúde e pela qualidade de vida do povo brasileiro, exigimos do Poder Público que a Revisão do Marco Regulatório do Saneamento seja amplamente discutida pela sociedade e levada à análise do Congresso Brasileiro, como demanda o rito democrático e a Constituição Brasileira”, de acordo carta assinada pelos manifestantes no país.



Untitled Document
Últimas Notícias
Sesi destaca melhoria na gestão de SST com eSocial
Chuva desacelera ritmo da moagem de cana na segunda quinzena de setembro
Atacar Poder Judiciário é atacar a democracia, diz presidente do STF
Untitled Document