Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
09 de JULHO de 2018 | Fonte: Correio do Estado

Samu pode parar de funcionar em Campo Grande

A informação foi divulgada em audiência pública nesta segunda-feira (9)
Samu não tem viaturas suficientes e algumas estão quebradas - Foto: Arquivo/Correio do Estado

Em audiência pública realizada nesta segunda-feira (9), a coordenadora do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Maithê Vendas Galhardo, informou que nove ambulâncias serão descartadas nos próximos dias, e com isto, o serviço pode ser paralisado em Campo Grande. 

 

“ Precisamos de 12 ambulâncias e só temos duas”, lamentou Maithê. Segundo ela,  ambulâncias básicas do Samu foram acionadas 2,8 mil vezes e avançadas 700 vezes, somente no mês de junho. “Hoje não temos nenhuma ambulância médica para atender Campo Grande. Tenho equipado uma ambulância básica e peço apoio aos Bombeiros”, declarou. 

 

Em relação ao sistema de regulação, ela disse que, se for retirado e “deixar os pacientes irem para onde quiserem vai virar o maior caos da história”. 

 

Maithê afirmou ainda que, o serviço só não parou ontem porque conseguiram três macas. A afirmação dela tem relação com a retenção das macas nas unidades. Quando não há vagas nos postos, as macas dos Samu ficam "retidas" e impedem novos atendimentos. “Pode prender reguladores. Pode me prender não vai resolver " disse Maithê, se referindo às ações judiciais e decisões da Justiça relacionadas a vagas, sistema de regulação e abertura de leitos. 

 

O diretor administrativo do hospital São Julião, Amilton Fernandes Alvarenga cobrou atitudes das autoridades presentes na audiência. " Desculpe os títulos, mas vocês estão aqui para resolver os problemas. Nós ouvimos a situação dela [coordenadora do SAMU],  o que ela está enfrentando. Aluga uma ambulância da Quali Salva. Quando você é gestor, você tem que dar um jeito! Se alguém sofrer um acidente na rua e não tem ambulância para atender para quê a legislação 8666 [lei das licitações]!? Ah!? Pára com isso!" Disse. 

 

Fernandes cobrou do secretário municipal de saúde, Marcelo Vilela alguma atitude porque a coordenadora do Samu já adiantou que, não vai mandar arrumar as nove ambulâncias sem licitação. "Outros que me precederam mandaram arrumar sem o processo de licitação, mas eu não vou correr o risco de fazer isso porque não quero responder por improbidade administrativa", finalizou a coordenadora do Samu.

 

A promotora do Ministério Público Estadual, Filomena Aparecida Depolito Fluminhan, disse que vai instaurar inquérito para apurar o caso, mas, vai emitir termo de acordo para que sejam alugadas prioritariamente as ambulâncias, já que inquérito demanda tempo de investigação. 



Untitled Document
Últimas Notícias
Sesi destaca melhoria na gestão de SST com eSocial
Chuva desacelera ritmo da moagem de cana na segunda quinzena de setembro
Atacar Poder Judiciário é atacar a democracia, diz presidente do STF
Untitled Document