Untitled Document
QUINTA-FEIRA, 16 DE AGOSTO DE 2018
05 de JULHO de 2018 | Fonte: G1

Ações da Embraer chegam a cair mais de 15%

Na véspera, Ibovespa subiu 1,46%, a 74.743 pontos.

A principal índice de ações da bolsa de valores, a B3, oscila nesta quinta-feira (5), com destaque para a queda das ações da Embraer, após anúncio de acordo com a Boeing, que prevê criação de uma nova empresa avaliada em US$ 4,75 bilhões. Ajuda no recuo do Ibovespa a queda dos papéis da Petrobras, Itaú Unibanco e Bradesco, que têm grande peso no índice.

 

Às 15h55, o Ibovespa recuava 0,31%, a 74.511 pontos. Veja mais cotações.

 

Embraer

Por volta do mesmo horário, as ações da Embraer caíam 13,88%, após chegarem a cair mais de 15% mais cedo. Na véspera, os papéis da empresa haviam subido 3,73% no Ibovespa, negociados a R$ 26,95.

 

No acordo de intenções para formar uma joint venture (nova empresa) na área de aviação comercial da companhia brasileira, a fabricante norte-americana de aeronaves deterá 80% do novo negócio e a brasileira, os 20% restantes.

 

Analistas do BTG Pactual dizem que a avaliação do valor da Embraer ficou abaixo do esperado para a divisão, mas que ainda veem espaço de alta para os papéis dos preços atuais.

 

Até a véspera, as ações da Embraer acumulavam alta ao redor de 35% em 2018, segundo a Reuters.

 

Desde que foi anunciado que Boeing e Embraer estavam em negociações, em 21 de dezembro do ano passado, até esta quarta-feira, 4 de julho, as ações da Embraer tiveram alta de 63%, segundo a AFP.

 

De acordo com Jason Vieira, da consultoria Infinity Assets, o recuo das ações da Embraer neste pregão pode ser motivado por uma realização de lucros, depois das fortes altas provocadas pela perspectiva do acordo.

 

Mas, de acordo Vieira, o mercado também pode estar manifestando certa surpresa pela avaliação um pouco pior que o esperado da nova aliança.

 

Segundo a jornalista Juliana Rosa, da GloboNews, é uma notícia positiva o fato de uma empresa receber investimentos em um momento de incertezas que o país vive. “Como subiu muito [as ações da empresa], o pessoal dá um passo pra trás para saber como vai ser o ganho a partir de agora. Há dúvidas sobre acordo, o que gera essa incerteza e o pessoal para pra ver o quanto a Embraer pode ter de valorização com essa sinergia, qual vai ser o ganho da Embraer”, analisa. A distribuição de dividendos entre os acionistas é outra dúvida que fica com o acordo, segundo ela.

 

Para o mercado, segundo a comentarista da GloboNews, em um momento de grande incerteza interna e de mudança do cenário internacional, com aumento da taxa de juros nos Estados Unidos e a saída de investidores dos países emergentes para os EUA, o fato de o Brasil receber investimento estrangeiro neste momento é uma notícia positiva e pesa mais do que as negativas.

 

Na bolsa de valores de Nova York, as ações da Embraer caíam 10,13%, a US$ 23,55. Na véspera, fecharam em alta de 4,92%, a US$ 26,21.

 

Já as ações da Boeing subiam 0,07%, a US$ 333,16. Na véspera, fecharam em queda de 0,94%, a US$ 332,93.

 

Outros destaques

Petrobras PN e Petrobras ON recuavam 1,08 e 2,08%, respectivamente, após fecharam com altas ao redor de 5% na véspera reagindo à decisão do Tribunal de Contas da União que abre espaço para a realização do leilão do excedente da cessão onerosa até o fim do ano. A Câmara dos Deputados também concluiu na quarta-feira a aprovação de um projeto de lei que promete abrir caminho para a realização do megaleilão de áreas para a produção de petróleo do pré-sal, ainda neste ano, além de viabilizar um acordo entre Petrobras e União necessário para o certame.

 

Itaú Unibanco e Bradesco PN caíam 0,26 e 0,5%, também pesando no Ibovespa em razão do peso significativo que ambos têm na carteira. Operadores citaram entre possíveis pressões negativas no setor a demora da votação do cadastro positivo e risco de maior inadimplência com economia crescendo mais lentamente do que o esperado.

 

Eletrobras ON caía 4,11% e Eletrobras PNB cedia 2,74%, revertendo os ganhos da abertura, quando foram ainda ajudados pela aprovação na Câmara dos Deputados do texto-base do projeto de lei que viabiliza a privatização de seis distribuidoras de energia da companhia. Em outra frente, o relator do projeto de lei que autoriza a privatização da Eletrobras disse que a proposta será analisado depois das eleições de outubro. Na véspera, os papéis fecharam com ganhos de 17,99 e 16,61%, respectivamente.

 

Vale subia 3,08%, contrabalançando a pressão negativa no Ibovespa em razão da relevante participação que tem na composição do índice.

 

Cenário local e externo

"A bolsa vem de cinco pregões em alta, sem muitas novidades no cenário, assim, há espaço para alguma realização de lucros", disse à Reuters o analista Vitor Suzaki, da Lerosa Corretora. Nos cinco pregões anteriores, o Ibovespa acumulou elevação de 5,85%.

 

No exterior, Wall Street retornava do feriado com os principais índices acionários em alta, em meio a sinais de que Washington pode alterar os planos de tarifas sobre carros europeus, compensando novos sinais de tensão com a China. O S&P 500 subia 0,33%.

 

Da cena doméstica, profissionais da área de renda variável citaram poucas novidades, com o noticiário político ainda muito confuso.

 

Último pregão

O Ibovespa fechou em alta na véspera em sessão marcada pela baixa liquidez por causa do feriado nos Estados Unidos. As ações da Petrobras e da Eletrobras ajudaram a manter o índice no azul. O principal índice de ações da B3 subiu 1,46%, a 74.743 pontos.



Untitled Document
Últimas Notícias
Artista plástico de MS constrói parque de diversões com sucata no quintal de casa
Homem morre ao volante do carro em Dourados
Feridos em explosão na UFRJ estão fora de risco
Untitled Document