Untitled Document
SÁBADO, 18 DE AGOSTO DE 2018
16 de MAIO de 2018 | Fonte: Fiems

Exportação de industrializados de MS registra alta de 21% e passa de US$ 1,12 bilhão

Os principais compradores foram a China, com US$ 290,824 milhões, Itália, com US$ 65,6 milhões, Holanda, com US$ 58,3 milhões, Estados Unidos, com US$ 33,8 milhões, e Coreia do Sul, com US$ 19,2 milhões

A receita com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul apresenta alta de 21% no 1º quadrimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado e já acumula saldo de US$ 1,12 bilhão contra US$ 927,20 milhões de janeiro a abril de 2017, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Na comparação de abril de 2017 com abril deste ano, a receita com a exportação de produtos industriais registrou crescimento de 17%, saindo de US$ 235,88 milhões para US$ 275,18 milhões.

Resultado de imagem para exportação de industrializados
Montante obtido no mês de abril é o melhor resultado registrado para o mês nos últimos quatro anos (Foto: Divulgação)

Segundo o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, o montante obtido no mês de abril é o melhor resultado registrado para o mês nos últimos quatro anos. “Quanto ao volume exportado, na comparação mensal, tivemos aumento de 14%, enquanto na comparação anual registramos aumento de 25% em relação a 2017. Já em relação à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 52% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, sendo que no acumulado do ano, na mesma comparação, a participação ficou em 65%”, analisou.

 

Ainda de acordo com ele, os grandes responsáveis por esse bom desempenho continuam sendo os grupos “Celulose e Papel”, “Complexo Frigorífico”, “Extrativo Mineral”, “Óleos Vegetais”, “Couros e Peles” e “Açúcar e Etanol”, que, somados representaram 98,1% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior. No caso do grupo “Celulose e Papel”, a receita no período avaliado foi de US$ 575 milhões, crescimento de 72% comparado com a somatória de janeiro a abril de 2017, dos quais 97,4% foram obtidos apenas com a venda da celulose (US$ 560 milhões).

 

Os principais compradores foram a China, com US$ 290,824 milhões, Itália, com US$ 65,6 milhões, Holanda, com US$ 58,3 milhões, Estados Unidos, com US$ 33,8 milhões, e Coreia do Sul, com US$ 19,2 milhões. “Demanda aquecida e preços em alta, tanto no mercado doméstico quanto internacional, devem seguir ajudando os resultados dos produtores brasileiros de celulose e papel no segundo trimestre. No caso da matéria-prima, um reajuste de até US$ 20 por tonelada para abril já começou a ser aplicado e restrições de oferta, principalmente na Europa, poderão abrir espaço para novo aumento”, informou Ezequiel Resende.

 

Já no grupo “Complexo Frigorífico” a receita conseguida na soma de janeiro a abril deste ano foi de US$ 309,2 milhões, uma elevação de 4% na relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 34% do total alcançado são oriundos das carnes bovinas desossadas congeladas, que totalizaram US$ 105,2 milhões. Para esse grupo, os principais compradores foram Hong Kong, com US$ 71,2 milhões, Chile, com US$ 42,9 milhões, Arábia Saudita, com US$ 21,7 milhões, China, com US$ 20,6 milhões, e Irã, com US$ 17,5 milhões. “Para 2018, a demanda interna deverá apresentar sinais de melhora com a recuperação da renda real da população e da melhora do mercado de trabalho. Os preços do boi, no entanto, seguem contidos por conta da concorrência com as carnes suína e de frango. Exportações deverão se manter em expansão no ano, refletindo a demanda internacional aquecida”, ressaltou o economista.

 

Outros grupos

O grupo “Extrativo Mineral” aparece em terceiro com melhor desempenho, tendo uma receita de US$ 85,5 milhões no período analisado, aumento de 53% comparado com a somatória de janeiro a abril do ano passado, sendo que 80,8% desse montante foi alcançado pelos minérios de ferro e seus concentrados, que somaram US$ 53,6 milhões. Nesse grupo, os principais compradores foram Argentina, com US$ 45,8 milhões, e Uruguai, com US$ 36,1 milhões.

 

“Produção da indústria extrativa vem registrando crescimento, puxada pelo incremento das exportações. Investimentos em minério de ferro vinham desacelerando nos últimos anos, refletindo o excesso de oferta global e consequentemente, preços menos atrativos. Mesmo assim, a produção global será crescente com a entrada de projetos na Austrália e aceleração da produção no Brasil”, detalhou Ezequiel Resende.

 

Os outros grupos que também apresentaram crescimento nos três primeiros meses deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado foram “Óleos Vegetais” e “Couros e Peles”, que tiveram altas de 138% e 41%, respectivamente. O grupo “Óleos Vegetais” obteve receita de US$ 60,5 milhões e os principais produtos vendidos para o exterior foram farinhas e pallets, com US$ 49,8 milhões, tendo como principais países compradores desses produtos a Tailândia, com US$ 33,4 milhões, Indonésia, com US$ 14,3 milhões, Holanda, com US$ 5,5 milhões, Espanha, com US$ 3,5 milhões, e Vietnã, com US$ 3 milhões.

 

“O Brasil exportou 1,55 milhão de toneladas de farelo de soja em abril, o maior volume dos últimos 11 meses e um recorde quando considerados apenas os meses de abril. Esta quantidade representa aumento de 17,3% em relação às vendas de março e de 16,9% frente ao embarcado em abril de 2017, segundo dados da Secex”, pontuou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

 

O grupo “Couros e Peles” obteve US$ 37,7 milhões e os principais produtos vendidos foram outros couros e peles não divididos de bovinos, com US$ 19,4 milhões, e outros couros e peles inteiros, divididos de bovinos, com US$ 8,3 milhões, tendo como principais compradores a China, com US$ 17,2 milhões, Itália, com US$ 10,2 milhões, e Vietnã, com US$ 2,2 milhões).



Untitled Document
Últimas Notícias
Cocamar inaugura loja em Naviraí em outubro
Funasa libera 1ª parcela para implantação de água potável no Assentamento Juncal
Azambuja pede que Justiça responsabilize outros gestores por atraso no Aquário
Untitled Document