Untitled Document
SÁBADO, 26 DE MAIO DE 2018
14 de MAIO de 2018 | Fonte: Daniel Pedra/ FIEMS

Sesi SST atenderá demandas dos empresários e impactará produtividade das indústrias

Foram criados oitos centros de inovação, sendo todos voltados a desenvolver pesquisa aplicada e soluções em SST para que sejam replicadas por toda a indústria brasileira, tratando de temas estratégicos
Foto: Divulgação

A partir do dia 25 de maio, Campo Grande (MS) passará a contar com um espaço voltado exclusivamente para aumentar a segurança no ambiente de trabalho e melhorar a saúde do colaborador das indústrias. Trata-se do Centro de Inovação Sesi – Sistemas de Gestão em Saúde e Segurança no Trabalho, o Sesi SST, que será inaugurado pelo presidente da Fiems, Sérgio Longen, como parte da programação de “Maio – Mês da Indústria 2018”.

 

Para mostrar como o tema impacta diretamente na produtividade das empresas e dia a dia dos trabalhadores, iniciamos, nesta segunda-feira (14/05), uma série de reportagens especiais que abordará a linha de pesquisa do Sesi SST, projetos e soluções desenvolvidos e como investir em saúde e segurança no ambiente laboral dá retorno aos negócios, promover a saúde de trabalhadores e reduz faltas e afastamentos.

 

Nesta primeira reportagem, apresentamos a estrutura e o que o espaço tem a oferecer para a indústria nacional. Com investimentos de R$ 7 milhões, o Centro de Inovação – Sistemas de Gestão em SST faz parte de um projeto nacional do Sesi para aumentar a segurança no ambiente de trabalho e melhorar a saúde do trabalhador da indústria.

 

Ao todo, foram criados oitos centros de inovação, sendo todos voltados a desenvolver pesquisa aplicada e soluções em SST para que sejam replicadas por toda a indústria brasileira, tratando de temas estratégicos - Prevenção da Incapacidade (Bahia), Economia para a Saúde e Segurança (Ceará), Ergonomia (Minas Gerais), Longevidade e Produtividade (Paraná), Higiene Ocupacional (Rio de Janeiro), Fatores Psicossociais (Rio Grande do Sul) e Tecnologias para Saúde (Santa Catarina).

 

Em Mato Grosso do Sul, a equipe do Centro de Inovação respira tecnologia e sua grande missão é usar dados para ensinar “coisas a pensar”. Se parece um propósito do Google, não é mera coincidência. O papel do centro é criar softwares e plataformas que subsidiam o controle e aprimoram a gestão em SST da indústria.

 

“O setor hoje está no centro do processo de disrupção. Todas as grandes indústrias estão investindo nas suas versões digitais e passando pelas transformações que precisam para ficar competitivas. Neste caminho, compram e investem em tecnologias para melhorar processos, aumentar a produtividade e reduzir perdas”, analisou o superintendente do Sesi de Mato Grosso do Sul, Bergson Amarilla.

 

O trabalho do Centro de Inovação usa a tecnologia em favor da saúde e segurança do trabalhador, minando as principais barreiras que uma empresa enfrenta para reduzir a incidência dos acidentes de trabalho e doenças ocupacionais. Inicialmente, explica a diretora de SST do Sesi de Mato Grosso do Sul, a médica do trabalho Adriana Rossignoli Sato, é feita uma consultoria personalizada, na qual se avalia a rotina e funcionamento do ambiente de trabalho – porte da empresa, número de funcionários, segmento de atuação, riscos de acidentes, entre outros.

 

“As informações coletadas resultam em um diagnóstico e um software então é prototipado para auxiliar o empresário a identificar como e quais variáveis influenciam naquele ambiente de trabalho. O Centro de Inovação propicia soluções para a gestão correta destas informações, levando a empresa a repensar processos e conseguindo uma melhoria contínua da rotina de trabalho com, inclusive, um grande retorno sobre o investimento em saúde e segurança”, afirmou Adriana Sato.

 

As tecnologias que aumentam a segurança do ambiente de trabalho e melhoram a saúde e bem-estar do trabalhador são pesquisadas pelo Centro de Inovação do Sesi desde 2015 que, agora, ganha um ambiente propício para disponibiliza-las à indústria de todo o País. O espaço conta com um projeto arquitetônico arrojado, que faz jus ao propósito inovador do centro, e chama a atenção de quem passa pela avenida Afonso Pena, onde está localizado.

 

Com 1,2 mil m² de área construída, o Sesi SST tem três pavimentos – térreo e mais dois andares -, contendo dois consultórios, dois auditórios, duas salas de treinamento, uma sala de operação com 22 postos de trabalho, uma sala de inovação com 13 postos de trabalho, uma sala de gerência, uma sala de coordenador, uma sala com seis postos de trabalho e estacionamento para 18 vagas, sendo duas para deficientes e duas de idoso.

 

Coordenados por Adriana Sato, o gerente de tecnologia em SST do Sesi, Ricardo Egídio dos Santos Junior, a analista de requisitos Glaucia Araújo de Oliveira, os desenvolvedores de sistemas Robson Vanderlei Silvestri e Leandro Borges da Silva, o engenheiro da computação Whesley Damião da Silva Duarte e a engenheira-civil e de segurança do trabalho Clara Guazina Carrapateira integram a equipe que atua no Centro de Inovação para ampliar o acesso de empresas e trabalhadores a tecnologias e tendências mais avançadas em SST e promoção da saúde.



Untitled Document
Últimas Notícias
Grupo grevista pede para caminhoneiros liberarem estradas
Governo de MS e 4 estados não aceitam reduzir imposto sobre combustível
Temer aciona forças federais para desbloquear estradas
Untitled Document