Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO DE 2018
10 de ABRIL de 2018 | Fonte: Correio do Estado

Campo Grande registra menor inflação do País

Campo Grande fechou o mês de março com deflação de -0,35%, apresentando a menor taxa dentre as regiões pesquisadas pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no País, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em fevereiro, a Capital sul-mato-grossense havia registrado inflação de 0,20%. De acordo com o instituto, a queda foi impulsionada pela energia elétrica, que recuou 4,52% no período, pela redução de preços das carnes (-2,06%) e da gasolina (-1,50%). Com o resultado, a taxa acumulada de inflação em Campo Grande está em -0,05% no ano, enquanto nos últimos 12 meses o índice é de 1,11%.

 

Dentre os nove grupos e serviços pesquisados pelo IBGE, cinco apresentaram deflação em março na Capital. As principais contribuições para a baixa foram observadas em habitação (-1,40%), motivada pela queda na tarifa da energia elétrica residencial (-4,52%), seguida do grupo vestuário, com recuo de 0,71%, que teve no item calçados e acessórios a principal influência individual (-1,39%). 

 

Para o grupo alimentação e bebidas, a queda constatada foi de 0,63% e além das carnes, com redução de 2,06%, outros itens também apresentaram reduções expressivas, como hortaliças e verduras (-5,07%); tubérculos, raízes e legumes (3,78%) e açúcares e derivados (4%). 

 

Em Transportes, outro grupo a apresentar recuo (-0,13%), contribuiu para segurar o índice a queda de 1,04% nos combustíveis; já o grupo comunicação apresentou redução de 0,32%. 

 

Dentre as altas, o grupo educação foi o responsável pelo maior índice (0,46%), em função do aumento de preços em papelaria (2,79%). Saúde e cuidados pessoais, apresentou 0,31% de aumento — em decorrência de aumentos em produtos óticos (+1,67%) e serviços médicos e dentários (1,36%) — , enquanto para despesas pessoais, a alta foi de 0,23%, em decorrência do item recreação, que aumentou 0,42% no período.

 

Nacional

No País, conforme os dados do IBGE, o IPCA de março variou 0,09%, bem abaixo do resultado de fevereiro (0,32%). O acumulado no ano foi de 0,70%. Tanto a variação mensal quanto o acumulado no ano representaram o menor nível para um mês de março desde a implantação do Plano Real. O acumulado dos últimos doze meses caiu para 2,68%, depois de registrar 2,84% nos 12 meses imediatamente anteriores. Em março de 2017, o IPCA havia atingido 0,25%.

 

Entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, transportes (-0,25%) e comunicação (-0,33%) apresentaram deflação em março, motivados, respectivamente pela queda nas passagens aéreas e redução nas tarifas das ligações locais e interurbanas, de fixo para móvel.

 

Já os demais grupos vieram com alta variando de 0,05% a 0,48%, sendo saúde e cuidados pessoais o responsável pela maior variação do mês, aém da maior contribuição (0,06 p.p.). Nesse grupo, o destaque foi o item plano de saúde (1,06%), responsável pelo segundo maior impacto individual no mês (0,04 p.p.).

 

Já o maior impacto individual veio das frutas (5,32% e 0,05 p.p.), do grupo alimentação e bebidas que, após cair 0,33% em fevereiro, teve alta (0,07%) em março.

 

Os índices regionais mais elevados foram os das regiões metropolitanas de Fortaleza e Belo Horizonte, ambos com alta de 0,23%. 

 

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de um a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande e de Brasília.



Untitled Document
Últimas Notícias
Professora Ivonete de Naviraí já está em São Paulo para cerimônia do Prêmio Educador Nota Dez 2018
Osorio chama cinco do futebol brasileiro para período de treinos no Paraguai
Prefeitura de Naviraí fará audiência pública para apresentação de relatório fiscal
Untitled Document