Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO DE 2018
29 de MARÇO de 2018 | Fonte: Campo Grande News

MS precisa de R$ 23 bilhões para tornar a malha ferroviária competitiva

Valor corresponde à soma dos investimentos estimados dos projetos ferroviários
Antiga estação ferroviária de Campo Grande (Foto: Roberto Higa/Arquivo)

Quilômetros de precariedades, cifras bilionárias e busca por investidores estrangeiros são as maiores pedras nos trilhos sul-mato-grossenses. São necessários R$ 23 bilhões – soma dos valores estimados dos projetos – para encurtar a distância entre os produtos do Estado e o mercado consumidor através de uma malha ferroviária competitiva. 

 

Entre os projetos, a Ferrovia TransAmericana é a que concentra as energias do governo estadual, de acordo com a Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar). A proposta é ligar o oceano Atlântico, no porto de Santos (SP), ao Pacífico, na cidade portuária de Ilo, no Peru.

 

A TransAmericana conecta a Ferroeste, administrada pela concessionária Rumo e que passa por São Paulo e Mato Grosso do Sul, à Ferrovia Oriental, na Bolívia. Isso permite acesso à Ferrovia Andina, ligada aos portos do Oceano Pacífico. Assim, haveria alternativa de saída para o mercado asiático e o escoamento da produção seria mais econômico, com redução aproximada em 25 dias, o que contribui para a maior competitividade das commodities sul-mato-grossenses.

 

À frente do projeto está consórcio formado pela Rumo, Ferrovia Oriental e Andina, o Hub Intermodal de Três Lagoas e a Transfesa, do segmento de transportes ferroviários.

 

O desafio é atrair soma considerável, estimada em US$ 2 bilhões (R$ 6,6 bilhões na cotação atual), para transformar as precariedades de uma ferrovia centenária em uma linha moderna. Esse valor é projetado apenas para o trecho entre Santos e Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia.

 

Precária – “Dormentes velhos, trilhos tortos, trilhos de baixa densidade, falta de sinalização adequada”, enumerou o secretário Jaime Verruck, titular da Semagro, em referência à situação da ferrovia. Isso tudo impossibilita o escoamento rápido e em grande volume. “Primeiro, temos que fazer investimentos para retomar a carga, pra aumentar velocidade”, completa. É preciso, segundo ele, trocar a totalidade dos trilhos.

 

Embora necessite de melhoria, a Ferroeste opera com três contratos: transporte de celulose de Jupiá a Santos; de minério, do morro de Urucum a Porto Esperança, em Corumbá (daí o insumo segue de barcaça até a Argentina); e de vergalhão de ferro, de Bauru a Bolívia. Haverá, ainda, novo contrato para escoar farelo de soja de Três Lagoas ao porto de Santos.

 

Prorrogação e PPI – O uso atual da ferrovia é modesto frente ao que se pretende com a TransAmericana: incrementar as exportações ao mercado asiático, os maiores consumidores do mundo. Para isso, há algumas frentes de ação. Uma delas é a prorrogação, que já tem anuência do governo estadual, da concessão da Malha Oeste para a Rumo por mais 30 anos, além da vigência dos dez anos que faltam para o seu encerramento. “Essa ampliação está condicionada aos investimentos da Rumo. É a única solução para a ferrovia: investimento privado”, considera Verruck.

 

De acordo com o secretário, o governo de Mato Grosso do Sul também tenta incluir a Ferrovia TransAmericana no PPI (Programa de Parcerias e Investimentos), para passar a ser prioridade também do Governo Federal. Além disso, o Estado participa do processo de acordo entre o governo brasileiro e alemão. O país europeu tem interesse em vender tecnologia, máquinas e equipamentos para a recuperação da linha férrea.

 

Não há apenas este projeto para ligar os oceanos Pacífico ao Atlântico. Há outro, mais antigo e apresentado em outro contexto nacional. Trata-se da ferrovia Bioceânica, incluída em 2015 no PIL (Plano de Investimento em Logística), e que passaria pelo Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Rondônia e Acre. O projeto, no entanto, propõe uma extensão maior e custo muito mais elevado, estimado em R$ 40 bilhões.

 

Até Paranaguá – A região de Dourados pode ser ligada ao porto de Paranaguá (PR) pela Nova Ferroeste, proposta do governo do Paraná. No dia 21 deste mês, o governador desse estado, Beto Richa (PSDB) autorizou a abertura dos estudos de engenharia e de viabilidade técnica, ambiental e econômica para implantação da ferrovia

 

São dois trechos: o primeiro, com 400 quilômetros, liga Guarapuava (PR) ao Litoral do Paraná; o segundo vai de Guarapuava a Dourados, com a construção de mais 350 quilômetros de trilhos. No total, são estimados R$ 9,93 bilhões em investimentos.

 

Outros – Há projetos mais antigos e com concretização menos provável. Um deles propôs, inicialmente, ligar Porto Murtinho a Panorama (SP). Também passaria, em Mato Grosso do Sul, por Maracaju e Dourados. O EVTEA (Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental), concluído em 2012 ao custo de R$ 5,5 milhões, verificou que não haveria volume significativo de carga até Porto Murtinho.

 

O trajeto foi reduzido, assim, de Panorama a Maracaju, totalizando 708 quilômetros de extensão e incluindo a “execução de obras de terraplenagem, drenagem, superestrutura, obras de arte especiais, obras complementares, serviços de supervisão de obras, gestão ambiental e desapropriação”, conforme o relatório do EVTEA. Os investimentos somam R$ 3,78 bilhões.

 

O segundo projeto é extensão da Ferrovia Norte-Sul, que interliga Três Lagoas a outros municípios de Goiás, Minas Gerais e São Paulo. A proposta está incluída na segunda etapa do Plano de Investimento em Logística e tem custo estimado em R$ 4,9 bilhões.



Untitled Document
Últimas Notícias
Professora Ivonete de Naviraí já está em São Paulo para cerimônia do Prêmio Educador Nota Dez 2018
Osorio chama cinco do futebol brasileiro para período de treinos no Paraguai
Prefeitura de Naviraí fará audiência pública para apresentação de relatório fiscal
Untitled Document