Untitled Document
QUINTA-FEIRA, 19 DE JULHO DE 2018
15 de MARÇO de 2018 | Fonte: G1

Petrobras tem prejuízo de R$ 446 milhões em 2017, no 4º ano seguido de perdas

O resultado da empresa de 2017 foi afetado pelo acordo para encerrar processos judiciais movidos por investidores nos EUA, que custou R$ 11,2 bilhões

A Petrobras teve prejuízo líquido de R$ 446 milhões em 2017, no quarto ano consecutivo de perdas. O resultado da empresa foi afetado pelo acordo fechado pela companhia para encerrar processos judiciais movidos por investidores nos Estados Unidos e pela adesão a programas de regularização fiscal, que custaram juntos cerca de R$ 21,6 bilhões.

Diretoria da Petrobras apresenta à imprensa balanço financeiro de 2017 (Foto: Daniel Silveira/G1)
Diretoria da Petrobras apresenta à imprensa balanço financeiro de 2017 (Foto: Daniel Silveira/G1)

Veja os destaques do balanço da Petrobras de 2017:

 

Prejuízo líquido de R$ 446 milhões, mas lucro operacional de R$ 35,6 bilhões em 2017.

Despesa de R$ 11,2 bilhões no acordo para encerrar processo de investidores nos EUA.

Custo de R$ 10,4 bilhões na adesão ao programa de regularização de dívidas fiscais

 

A Petrobras ressalta que o prejuízo de 2017 foi o menor dos últimos 4 anos e que seu resultado operacional, de R$ 35,6 bilhões, foi mais do que o dobro do registrado em 2016.

 

Em 2016, a Petrobras teve prejuízo líquido de R$ 14,824 bilhões, puxado principalmente por baixas contábeis que reduziram sua avaliação de ativos.

 

A Petrobras afirmou que se não fossem as despesas extraordinárias, a companhia teria registrado lucro líquido R$ 7 bilhões.

 

"Estamos numa trajetória consistente de recuperação, seguindo à risca o que nos propusemos no nosso plano de negócios. Os maiores impactos no balanço de 2017 refletem despesas não recorrentes que reduziram incertezas e riscos em relação ao futuro da companhia", disse, em nota, o presidente da estatal, Pedro Parente. "São resultados bastante positivos. Nós estamos bastante satisfeitos”, declarou Parente ao abrir a entrevista coletiva.

 

Apesar do impacto financeiro negativo, Parente destacou que a realização do acordo para encerrar as ações judiciais contra a empresa é um ponto positivo de 2017. "A solução para o tema da class action foi importante empresa para eliminar uma incerteza (sobre os negócios da companhia", disse.

 

O diretor financeiro da Petrobras, Ivan Monteiro, afirmou que tanto o acordo da class action quanto o programa de regularização de débitos federais “foi duramente” buscado pela companhia e que isso trouxe a valorização de mercado das ações da companhia.

 

Lucro operacional maior

A companhia teve um lucro operacional de R$ 35,6 bilhões, 108% acima do registrado em 2016. Esse indicador exclui as despesas fora da operação, como gastos com processos judiciais. Os ganhos operacionais se devem, principalmente, aos seguintes fatores:

 

Reavaliação de ativos abaixo do registrado em 2016;

Maiores exportações de petróleo e a preços mais altos;

Ganho com a venda da NTS no 2º trimestre;

Redução de despesas com pessoal.

 

"Houve redução de R$ 16,4 bilhões em relação a 2016 nas reavaliações de ativos da companhia, fator que mais contribuiu na melhoria do lucro operacional", explicou a empresa.

 

Quarto trimestre

A Petrobras teve perdas de R$ 5,477 bilhões no quarto trimestre de 2017. Além da despesa associada ao encerramento da ação coletiva nos EUA e dos programas de regularização fiscal, a empresa também teve seu resultado afetado pela reavaliação de ativos, que gerou perdas financeiras de R$ 3,5 bilhões no período.


Redução de investimentos e dívida

O balanço da Petrobras também mostrou a redução de investimentos pela empresa, que somaram R$ 42 bilhões em 2017, queda de 12% em relação ao ano anterior.

 

Já a dívida bruta da companhia recuou 6%, para R$ 361,5 bilhões. Os esforços da Petrobras para alongar sua dívida aparecem no balanço. O prazo médio de vencimento dos empréstimos da empresa aumentou de 7,46 anos, em 2016, para 8,62 anos.

 

O diretor financeiro da estatal afirmou que “seu custo está absolutamente sob controle e em trajetória de redução”. Eles ressaltou que a companhia irá manter uma gestão ativa da dívida. “Sempre que o mercado nos oferecer uma oportunidade nós vamos aceitá-la."

 

Venda de ativos

Parente destacou que o programa de parceria e desinvestimentos da companhia permitiu a entrada de caixa de US$ 6,4 bilhões para a empresa em 2017. “Esse programa está mantido para 2018”, afirmou.

Refinaria de Pasadena, no Texas, é um dos ativos que a Petrobras colocou à venda (Foto: Richard Carson/Petrobras)
Refinaria de Pasadena, no Texas, é um dos ativos que a Petrobras colocou à venda (Foto: Richard Carson/Petrobras)

A meta no plano de negócios da companhia é conseguir vender US$ 21 bilhões em ativos no biênio de 2017 e 2018.

 

Aumento de área explorada

A diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Simone Guedes, destacou que, pelo lado operacional, a companhia conseguiu manter em 2017 o índice de reserva e produção. Além disso, reduziu de US$ 13,3 bilhões para US 12,4 bilhões os gastos operacionais com a exploração e produção de petróleo.

 

Para 2018, ela destacou que será dado início às atividades sísmicas nos blocos marítimos adquiridos nas rodadas de licitação do ano passado. A expectativa é de que a companhia consiga aumentar em 17% a área exploratória.

 

No pré-sal, Solange destacou que será extraído neste ano o primeiro óleo do campo de Búzios, adquirido na cessão onerosa. Nos campos de Lula e Cernambi, serão instaladas neste ano as duas últimas plataformas para exploração. Já para o campo Mero, a primeira plataforma já foi contratada.

 

Dividendos trimestrais

No mesmo dia da divulgação do balanço, a Petrobras propôs estudos para o pagamento de dividendos trimestralmente e não mais anualmente. A mudança ainda depende de aprovações no conselho de administração e em assembleias de acionistas.



Untitled Document
Últimas Notícias
Brasileiro chefe do PCC preso em Assunção tinha ajuda de policial paraguaio
São Paulo vende 47 mil ingressos para Majestoso no Morumbi
Soja responde por 16% das exportações brasileiras no semestre
Untitled Document