Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 14 DE DEZEMBRO DE 2018
22 de FEVEREIRO de 2018 | Fonte: Assessoria

Reinaldo Azambuja anuncia ajuda emergencial a desabrigados pela chuva em Aquidauana

Em Aquidauana 50 famílias (153 pessoas) estão alojadas em três abrigos. A preocupação de Reinaldo Azambuja é em atender os desabrigados.
No município de Aquidauana, mais de 150 desabrigados estão alojados em três abrigos (Foto: Edemir Rodrigues)

Depois de sobrevoar Aquidauana e verificar a situação dos estragos com a cheia do rio que leva o mesmo nome da cidade, Reinaldo Azambuja anunciou ajuda emergencial do Governo do Estado, com a liberação de recursos do Fundo da Saúde, que permite a liberação direta para o Fundo Municipal da Saúde. Deverão ser liberados R$ 500 mil para Aquidauana e R$ 300 mil para Anastácio. “São recursos que poderão ser usados na compra de medicamentos e na ajuda emergencial às famílias desabrigadas”, afirmou.

 

“Num primeiro momento vamos cuidar do acolhimento, da proteção e ajuda aos desabrigados e o segundo passo é a reconstrução dos estragos, e isso será feito quando a água abaixar e aí temos condições de verificar melhor o que precisa ser feito. Nesse momento, orientei a Defesa Civil Estadual a auxiliar as famílias no que for possível, com colchões, vestuário”, disse Reinaldo Azambuja.

 

O governador lembrou que municípios do Cone-Sul que também tiveram problemas com as chuvas desde o fim do ano passado já estão sendo atendidos pela administração estadual, e que esse trabalho será feito agora com as cidades da região Sudoeste que foram castigadas com a chuva do início da semana, como Aquidauana, Anastácio, Miranda, Jardim, Bonito, Guia Lopes. Para que o auxílio seja feito com rapidez, o governador Reinaldo Azambuja disse que a Defesa Civil do Estado e dos municípios vão elaborar com urgência os decretos de emergência “para que o Governo possa agilizar o atendimento”.

Mesmo com a baixa do nível do rio Aquidauana, a cidade ainda está inundada (Foto: Chico Ribeiro)

Em Aquidauana 50 famílias (153 pessoas) estão alojadas em três abrigos. A preocupação de Reinaldo Azambuja é em atender os desabrigados, como a atendente Cristiane de Oliveira Faustino, de 42 anos. “A água subiu muito rápido na terça-feira. Cheguei em casa 17:45 e já tirei minha filha que tem 21 anos e é especial, conseguimos salvar alguns móveis, mas só. Em uma hora a água subiu rápido e o Exército tirou a gente”. A mulher mora com dois filhos (25 e 21 anos) numa casa a poucos metros da ponte nova de Aquidauana.

 

Hoje pela manhã ela pediu dispensa do trabalho para ir verificar a situação da casa.Não conseguiu entrar no imóvel, pois ainda estava tomada pela água. A orientação da Defesa Civil é que as pessoas esperem pelo menos uma semana para retornar às casas, pois o poder público ainda vai higienizar os imóveis. Cristiane e os filhos estão em casa de parentes.

 

“Foi muito rápido e assustador. Nunca passei por isso porque a última cheia assim foi em 1990 e eu não era nascida. Na minha casa só estava minha mãe e meu padrasto, que é cadeirante. Todo o resto estava no trabalho. Por isso não conseguimos salvar nada além de mudas de roupas. Perdemos tudo de móveis e eletroeletrônicos”, contou Yvy Stefany Alves Góis, 23 anos, vendedora. Ela mora com o filho, a mãe, o padrasto, o cunhado e o sobrinho. “Agora vamos trabalhar para conquistar tudo de novo”, disse.

 

O número de famílias afetadas pela cheia poderia ter sido maior, se não fosse a ação do Governo do Estado, por meio da Agência Estadual de Habitação (Agehab), em parceria com a prefeitura de Aquidauana. No ano passado, várias famílias ribeirinhas ganharam a casa própria e deixaram a área de risco. “Mas é importante que sejam adotadas medidas para evitar que as famílias atendidas com a entrega das casas não voltem a morar na beira do rio”, alertou o governador.

Reinaldo Azambuja e o coordenador da Defesa Civil de MS, Isaías Bittencourt, ajudaram na distribuição das cestas básicas (Foto: Edemir Rodrigues)

Reinaldo Azambuja lembrou que outra obra importante que, além de fomentar o turismo na região servirá como rota alternativa para chegar ou sair de Aquidauana é a rodovia que liga Camisão, Piraputanga e Palmeiras. “Sobrevoando a rodovia vimos que ali só há um ponto de alagamento, que será resolvido com o trabalho de engenharia”, pontuou. Essa rodovia, que dá acesso à BR-262, está sendo pavimentada pelo Governo do Estado e deverá ficar pronta até o final do ano.

 

Além disso, o governador adiantou que junto com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) está viabilizando o asfaltamento da BR-419, que liga Aquidauana a Rio Verde.

 

Em Aquidauana, Reinaldo Azambuja lembrou que no final de 2015 a sua administração auxiliou os municípios castigados pela chuva e com planejamento nos dois anos seguintes foram executadas várias obras importantes para os municípios. “Naquela época tínhamos uma situação de caos, estradas interrompidas, pontes caídas. Hoje temos mais de 50 pontes de concreto construídos nessas localidades. Se não fosse a atuação do Governo do Estado nas obras de restauração nesses municípios talvez teríamos hoje um problema maior”, finalizou.

 

Na visita aos locais afetados pela chuva e nos abrigos, Reinaldo Azambuja esteve acompanhado do prefeito de Aquidauana Odilon Ribeiro, prefeitos dos municípios da região, deputados estaduais Felipe Orro, Beto Pereira, Enelvo Felini e Mara Caseiro, e o secretário estadual Marcelo Miglioli (Infraestrutura). Também acompanharam o governador militares do Exército, que estão trabalhando no atendimento aos moradores da cidade e aos desabrigados, integrantes e integrantes da Defesa Civil estadual e municipal.



Untitled Document
Últimas Notícias
Forcell Celulares agora é franqueada Conserta Smart em Naviraí
Após 2 anos foragido, indígena é preso por tortura de policiais
Comissão do Senado aprova novo Código Comercial
Untitled Document