Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 20 DE JUNHO DE 2018
21 de FEVEREIRO de 2018 | Fonte: Correio do Estado

Em MS, 160 convênios dão trabalho para presos

Em Dourados, houve aumento de 31% no total de reeducandos
Construção civil é um dos setores que mais contrata pessoas privadas de liberdade - Foto: Divulgação/Portal MS

A Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) tem mais de 160 convênios firmados para oferecer mão de obra prisional e a autarquia tenta ampliar as parcerias.

 

Em Dourados, a Agepen registrou um aumento de 31% no total de reeducandos trabalhando de forma remunerada no período de um ano.

 

De janeiro de 2017 até agora, a quantidade de detentos trabalhadores passou de 339 para 444 nos regimes fechado, semiaberto e aberto. O total de convênios vigentes na cidade douradense chega a 50, em várias áreas profissionais: panificadores, açougueiros, balconistas, entre outras ocupações, com predominância na construção civil.

 

A alta constatada no total geral de internos inseridos em atividades laborais, o que inclui os serviços não-remunerados, ou seja, trabalhos de apoio à administração penitenciária (como limpeza e manutenção de presídios) e a projetos sociais, foi de 18,5% no mesmo período. O número de presos ocupados passou de 577 para 684.

 

A diretora de Assistência Penitenciária da Agepen, Elaine Arima Xavier Castro, conta que o objetivo é oferecer oportunidade de ocupação produtiva ao maior número de detentos e, consequentemente, proporcionar a reinserção no mercado de trabalho.  

 

“A nossa meta é dar maior visibilidade ao trabalho prisional e demonstrar ao empresariado os benefícios que esta modalidade de contratação de mão de obra apresenta”, informou o diretor do Patronato, Mario Sérgio Santos de Andrade.

 

Segundo o dirigente, houve um aumento de 52% no total de empresas conveniadas nos últimos dois anos. Apesar da alta, ele explica que o número de apenados com trabalho externo não sofreu crescimento proporcional devido à crise financeira que o Brasil vem atravessando. “Em dois anos, houve uma redução na contratação de 95 detentos em três grandes empresas na área da construção civil e prestação de serviços”, pontua.

 

O diretor-presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, avalia que há pontos positivos na medida, entre eles a redução do índice de reincidência criminal e no ciclo da violência. “A ocupação laboral é um dos focos da nossa instituição para que a reinserção social aconteça. É tudo questão de oportunidade e temos a missão de oferecer esse tipo de iniciativa àqueles que precisam de uma nova chance”, opina.



Untitled Document
Últimas Notícias
Colheita do milho começa em algumas áreas de MS com previsão de prejuízo
PIB cai 0,4% no trimestre fechado em abril
MS tem 31 casos confirmados de Zika Vírus no ano
Untitled Document