Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 21 DE MAIO DE 2018
02 de FEVEREIRO de 2018 | Fonte: G1

Governo anuncia bloqueio de R$ 16,2 bilhões no Orçamento de 2018

Anúncio foi feito pelo ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. Além do corte, governo subiu previsão de alta do PIB em 2018, de 2,5% para 3%.

O Ministério do Planejamento anunciou nesta sexta-feira (2) um bloqueio de R$ 16,2 bilhões no Orçamento de 2018. Além disso, subiu previsão de alta do Produto Interno Bruto (PIB) de 2018, de 2,5% para 3%.

 

Esses recursos bloqueados foram classificados como "reserva de contingência", ou seja, não poderão ser alocados para gastos.

 

Do total de R$ 16,2 bilhões, R$ 8 bilhões representam um contingenciamento propriamente dito. O governo foi obrigado a bloquea-los porque aumentou a incerteza quanto à entrada, nos cofres públicos, da receita com a privatização da Eletrobras, prevista para este ano.

 

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveiro, informou em entrevista coletiva nesta sexta que o governo espera reverter o contingenciamento dos outros R$ 8,2 bilhões nos próximos meses.

 

"Hoje está bloqueado, mas já estou mandando um projeto de lei para o Congresso para remanejar recursos. Prefiro não dizer que estamos permanentemente contingenciando", declarou Oliveira.

 

Motivo para bloquear orçamento

O objetivo do governo, ao bloquear recursos do orçamento, é garantir o cumprimento da meta para as contas públicas neste ano, que é de déficit (resultado negativo) primário de até R$ 159 bilhões.

 

Esse bloqueio inicial de gastos de R$ 16,2 bilhões representa o menor valor desde 2008, pelo menos. De 2008 até 2017, o contingenciamento nunca ficou abaixo de R$ 19,4 bilhões.

 

Em 2017, o bloqueio de R$ 42,1 bilhões para cumprir a meta para as contas públicas daquele ano impactou diretamente os serviços públicos. Alguns deles, como a emissão de passaportes e a fiscalização do trabalho escravo, chegaram a ser paralisados ou reduzidos.

 

De acordo com o ministro do Planejamento, se o projeto que será encaminhado ao Legislativo para reverter o bloqueio de R$ 8,2 bilhões no Orçamento for aprovado, esse valor será gasto com:

 

R$ 2 bilhões para municípios

R$ 1,5 bilhão para o Fundo Garantidor de Exportações (FGE)

R$ 1 bilhão para Defesa Civil

R$ 2 bilhões para saúde

R$ 1 bilhão para outras despesas

R$ 600 milhões para educação

 

Receitas e despesas

De acordo com os cálculos do Ministério do Planejamento, houve uma queda de R$ 1,39 bilhão na estimativa de receitas para este ano. Isso se deve, por exemplo, à não aprovação de mudanças na tributação de fundos exclusivos e à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que barrou o projeto do governo que previa o adiamento do reajuste de salário de servidores públicos.

 

Ao mesmo tempo, o Ministério do Planejamento informou que a estimativa para as despesas, em relação ao orçamento aprovado para este ano, recuou em R$ 1,76 bilhão. Isso se deve, por exemplo, à queda na previsão de gastos do INSS neste ano devido à variação menor da inflação; e à redução na expectativa de despesas com seguro desemprego para 2018.



Untitled Document
Últimas Notícias
Maior derrotado da Série A, Santos não perdia tanto desde ano da estreia de Pepe
Bellucci dá 1ª vitória brasileira no quali de Roland Garros
MS tem a melhor geração de emprego dos últimos quatro anos
Untitled Document