Untitled Document
DOMINGO, 18 DE FEVEREIRO DE 2018
01 de FEVEREIRO de 2018 | Fonte: Correio do Estado

DPVAT indenizou 7,4 mil pessoas em Mato Grosso do Sul no ano passado

Quem não pagou até ontem (31), já está descoberto pelo benefício no Estado

Em todo o ano passado, 7.454 indenizações foram pagas por meio do seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT) em Mato Grosso do Sul, conforme a seguradora Líder, responsável pelo seguro obrigatório no País. Aqui no Estado, os donos de veículos que não pagaram o valor até ontem (31) já estão descobertos pelo benefício.

Vítimas de acidentes de trânsito podem pedir indenização (Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado)

Quem sofrer algum acidente de trânsito e estiver com o seguro quitado pode pedir três tipos de indenizações: por morte, invalidez ou despesas médicas. Conforme a segurandora Líder, em 2017 foram pagas 625 indenizações por morte, 5.923 por invalidez e 906 por despesas médicas no Estado.

 

Muita gente está acostumada a quitar o DPVAT junto com o licenciamento do veículo, mas desde 2015, por conta de uma portaria, o seguro obrigatório vence no dia 31 de janeiro em Mato Grosso do Sul, junto com o pagamento do Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Além disso, em 2018, houve uma redução de 35% no valor do seguro, o que impossibilita o parcelamento, pois o valor mínimo por parcela deve ser de R$ 70, o que não foi atingido. Motoristas de automóveis e camionetes particulares ou oficiais pagam R$ 45,72. Já para motocicletas, o valor é de R$ 185,50, segundo divulgado pelo Detran-MS.

 

A partir de hoje (1º), quem não pagou o DPVAT não tem direito a pedir indenização por morte, invalidez ou despesas médicas em casos de acidentes. O pagamento em atraso não gera multas e nem mesmo é considerado uma infração de trânsito conduzir o veículo com o DPVAT atrasado. A guia de recolhimento deve ser retirada no site www.dpvatsegurodotransito.com.br/pagamento. As taxas variam dependendo de cada tipo de veículo.

 

Mesmo não havendo multas, o dono do veículo precisa pagar o DPVAT para obter o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), documento de comprovação do licenciamento anual do veículo e de porte obrigatório.

 

Segundo dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), atualizados em novembro do ano passado, a frota de Mato Grosso do Sul corresponde a 1.453.226 veículos.



Untitled Document
Últimas Notícias
Associação Comercial de Naviraí completa 40 anos neste sábado
Preso em MS com quase 420 kg de cocaína é do RJ
Carretas apreendidas em MS levavam R$ 12 milhões em cigarros contrabandeados
Untitled Document