Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 22 DE JANEIRO DE 2019
26 de JANEIRO de 2018 | Fonte: Campo Grande News

MS é o quinto do País em número de presas gestantes ou lactantes

Estado tem 31 detentas nessas condições, mostra estudo da CNJ
Em todo o País, há 249 mulheres que amamentam nas prisões (Foto: Luiz Silveira/Agência CNJ)

Mato Grosso do Sul é o quinto estado do País com o maior número de mulheres presas, que estão gestantes ou que amamentam. O dado faz parte do Cadastro Nacional de Presas Grávidas e Lactantes, divulgado nesta quinta-feira (25) pela CNJ (Conselho Nacional de Justiça). O levantamento mostra que são 31 internas nessas condições no Estado.

 

O número de presas gestantes ou lactantes em Mato Grosso do Sul corresponde a 5% do total do Brasil: são 622 mulheres, das quais 373 estão grávidas e 249, amamentando. “O cadastro vai permitir que o Judiciário conheça e acompanhe, continuamente, a partir de agora, a situação das mulheres submetidas ao sistema prisional brasileiro”, afirma a CNJ.

 

As informações foram levantadas até o último dia de 2017, conforme a CNJ. A sondagem mostra que São Paulo lidera o ranking, com 139 gestantes e 96 lactantes. Em segundo lugar vem Minas Gerais, com 22 gestantes e 34 lactantes. Rio de Janeiro está em terceiro no ranking, com 28 gestantes e 10 lactantes.

 

Mato Grosso do Sul, com 15 mulheres grávidas e 16 lactantes, é superado, ainda, por Pernambuco. Nesse estado, há 22 presas gestantes e 13 que amamentam. “O Amapá é a única unidade da federação que, desde outubro de 2017, não tem mulheres presas em nenhuma dessas situações”, nota a CNJ.

MS é o quinto do País em número de presas gestantes ou lactantes

Na avaliação da idealizadora do cadastro, a ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ e do STJ (Supremo Tribunal Federal), se o Judiciário não tiver condições de deferir a prisão domiciliar, o Estado deve providenciar um local adequado para que a mãe possa ficar custodiada até o término da gestação, assim como durante o período de amamentação de seu filho.

 

Negras e solteiras – Censo carcerário, realizado em 2017, pela Fundação Oswaldo Cruz e do Ministério da Saúde, mostrou que quase 70% das detentas com filhos na prisão tinham entre 20 e 29 anos. Além disso, 70% são pardas ou negras e 56% solteiras.

 

Em dezembro de 2017, havia 249 bebês ou crianças morando com suas mães, nas penitenciárias de todo o País. “Enquanto estiver amamentando, a mulher tem direito a permanecer com o filho na unidade prisional, de acordo com artigo 2º da Resolução 4 de 2009, do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, se o juiz não lhe conceder a prisão domiciliar”, afirma a CNJ.



Untitled Document
Últimas Notícias
Reinaldo Azambuja debate prioridades de MS com ministros de Bolsonaro
Inscritos no Mais Médicos têm novas datas para selecionar municípios
Prefeito Izauri assina contratos na Caixa para aquisição de maquinários
Untitled Document