Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 17 DE JANEIRO DE 2018
20 de DEZEMBRO de 2017 | Fonte: Dourados News

Dourados completa 82 anos e se projeta como polo logístico

Ferrovia de Paranguá a Dourados teve PMI lançado em novembro (Foto: Chunit Kawamura- AEN- Paraná)

Dourados completa 82 anos nesta quarta-feira (20) com “ambiciosos” projetos previstos para começarem a se desenvolver no próximo ano, no que se refere a logística. A reforma e ampliação do aeroporto Francisco Pereira de Matos e a proposta da Ferroeste para ligar o município ao Porto de Paranaguá (PR) pelo Pontal do Paraná, prometem impactos no desenvolvimento da região.

 

Os investimentos em transporte colocarão a maior cidade do interior de Mato Grosso do Sul, como uma das principais rotas do comércio do Mercosul.

 

A projeção é da Secretaria Municipal de Desenvolvimento tendo em vista a localização de Dourados próximo ao Paraguai, Bolívia e demais países da América Latina.

 

O lançamento oficial do PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse) para demandar o processo de abertura de licitação da Ferroeste aconteceu em novembro, em São Paulo. O novo traçado proposto tem cerca de mil quilômetros de extensão e abrangeria Dourados, Caarapó, Amambai, Iguatemi, Eldorado e Mundo Novo, em Mato Grosso do Sul, a Guaíra, Cascavel, Guarapuava e Paranaguá, no estado vizinho.

 

Para a secretária de Desenvolvimento, Rose Ane Vieira, a obra com custo estimado em R$ 10 bilhões seria “um divisor de águas economicamente para Dourados e para a região”.

 

Ela enfatiza que o transporte ferroviário é avaliado como econômico por investidores. “A distância dos portos e dos maiores mercados consumidores nacionais, é avaliada. O Transporte ferroviário é o responsável por essa diminuição de custos, se comparado às outras modalidades”, cita.

 

A secretária exemplifica que com o investimento, será possível que o escoamento da produção agrícola tenha um valor menor ao chegar no porto Paranaguá, o que aumentaria a competitividade do que é produzido na região da grande Dourados.

 

“Isso cria um estímulo à produção, bem como a comercialização agrícola na nossa região que é voltada basicamente para a produção de grãos e pecuária”, disse.

 

A estimativa de impacto positivo quanto a geração de empregos vai além da considerável mão de obra que será necessária na construção da Ferroeste, já que o interesse de empresas na região cresceria.

 

“É um grande projeto, abriria por si só oportunidade de trabalho a muitos e aumentando a produção agrícola, novos negócios surgem no entorno, formando uma grande cadeia produtiva, com a instalação de novas empresas de armazenagem grãos, postos de combustível, reposição de peças, oficinas mecânicas e um segmento impacta em outros, novos postos de trabalho, novas pessoas, aquecimento do consumo em todas as áreas”, enfatiza.

 

Já para o Aeroporto Municipal Francisco de Matos Pereira, o início de uma obra com previsão de término quase três anos, deve ocorrer em janeiro de 2018, de acordo com informações do Governo Federal divulgadas nesta terça-feira (19).

 

O local que já contou com significativo avanço neste ano ao receber equipamentos para aeronaves na categoria três e obteve consequente redução quase em totalidade de cancelamentos por falta de visibilidade para pouso, conta com grandes perspectivas com o projeto sob responsabilidade da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e da Secretaria de Aviação Civil, com execução do Exército Brasileiro.

 

Os detalhes divulgados ontem pelo Governo Federal apontam ainda que o investimento será de R$ 49 milhões e inclui ampliação e restauração da pista de pouso e decolagem, execução de nova pista de taxiamento e novo pátio de aeronaves, implantação de faixa preparada, faixa de pista e áreas de segurança, estacionamento de veículos, vias de acesso, serviços de terraplenagem e serviços complementares. 

 

Para Marcelo Migliori, secretário estadual de infraestrutura, a reforma do aeroporto e a Ferroeste “vem de encontro a busca de Mato Grosso do Sul em procurar uma integração com os modais aeroviário, rodoviário, hidroviário e ferroviário”.

 

Ele destaca que os dois projetos colocarão Dourados e Mato Grosso do Sul com uma “logística excepcional” e cita sobre progresso econômico.

 

“Com a construção desses projetos naturalmente Dourados vai se tornar um dos grandes polos logísticos e de escoamento da produção não só do MS mas também da região Centro-Oeste do país. Vale dizer que a iniciativa privada vai atrás de onde tem desenvolvimento então outras grandes empresas certamente virão para cá”, disse.

 

A secretária de Desenvolvimento pontuou ainda que “o acesso das pessoas é um ponto principal para o desenvolvimento da cidade e que além disso a reforma do aeroporto projeta estímulo ao turismo de negócios e eventos que é a tendência na região”.



Untitled Document
Últimas Notícias
Avaí vence e elimina o Corinthians
Agronegócio exporta 16% a mais em MS
Assaltante faz idosa refém durante fuga em MS
Untitled Document