Untitled Document
SÁBADO, 18 DE AGOSTO DE 2018
20 de DEZEMBRO de 2017 | Fonte: Dourados News

Dourados completa 82 anos e se projeta como polo logístico

Ferrovia de Paranguá a Dourados teve PMI lançado em novembro (Foto: Chunit Kawamura- AEN- Paraná)

Dourados completa 82 anos nesta quarta-feira (20) com “ambiciosos” projetos previstos para começarem a se desenvolver no próximo ano, no que se refere a logística. A reforma e ampliação do aeroporto Francisco Pereira de Matos e a proposta da Ferroeste para ligar o município ao Porto de Paranaguá (PR) pelo Pontal do Paraná, prometem impactos no desenvolvimento da região.

 

Os investimentos em transporte colocarão a maior cidade do interior de Mato Grosso do Sul, como uma das principais rotas do comércio do Mercosul.

 

A projeção é da Secretaria Municipal de Desenvolvimento tendo em vista a localização de Dourados próximo ao Paraguai, Bolívia e demais países da América Latina.

 

O lançamento oficial do PMI (Procedimento de Manifestação de Interesse) para demandar o processo de abertura de licitação da Ferroeste aconteceu em novembro, em São Paulo. O novo traçado proposto tem cerca de mil quilômetros de extensão e abrangeria Dourados, Caarapó, Amambai, Iguatemi, Eldorado e Mundo Novo, em Mato Grosso do Sul, a Guaíra, Cascavel, Guarapuava e Paranaguá, no estado vizinho.

 

Para a secretária de Desenvolvimento, Rose Ane Vieira, a obra com custo estimado em R$ 10 bilhões seria “um divisor de águas economicamente para Dourados e para a região”.

 

Ela enfatiza que o transporte ferroviário é avaliado como econômico por investidores. “A distância dos portos e dos maiores mercados consumidores nacionais, é avaliada. O Transporte ferroviário é o responsável por essa diminuição de custos, se comparado às outras modalidades”, cita.

 

A secretária exemplifica que com o investimento, será possível que o escoamento da produção agrícola tenha um valor menor ao chegar no porto Paranaguá, o que aumentaria a competitividade do que é produzido na região da grande Dourados.

 

“Isso cria um estímulo à produção, bem como a comercialização agrícola na nossa região que é voltada basicamente para a produção de grãos e pecuária”, disse.

 

A estimativa de impacto positivo quanto a geração de empregos vai além da considerável mão de obra que será necessária na construção da Ferroeste, já que o interesse de empresas na região cresceria.

 

“É um grande projeto, abriria por si só oportunidade de trabalho a muitos e aumentando a produção agrícola, novos negócios surgem no entorno, formando uma grande cadeia produtiva, com a instalação de novas empresas de armazenagem grãos, postos de combustível, reposição de peças, oficinas mecânicas e um segmento impacta em outros, novos postos de trabalho, novas pessoas, aquecimento do consumo em todas as áreas”, enfatiza.

 

Já para o Aeroporto Municipal Francisco de Matos Pereira, o início de uma obra com previsão de término quase três anos, deve ocorrer em janeiro de 2018, de acordo com informações do Governo Federal divulgadas nesta terça-feira (19).

 

O local que já contou com significativo avanço neste ano ao receber equipamentos para aeronaves na categoria três e obteve consequente redução quase em totalidade de cancelamentos por falta de visibilidade para pouso, conta com grandes perspectivas com o projeto sob responsabilidade da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e da Secretaria de Aviação Civil, com execução do Exército Brasileiro.

 

Os detalhes divulgados ontem pelo Governo Federal apontam ainda que o investimento será de R$ 49 milhões e inclui ampliação e restauração da pista de pouso e decolagem, execução de nova pista de taxiamento e novo pátio de aeronaves, implantação de faixa preparada, faixa de pista e áreas de segurança, estacionamento de veículos, vias de acesso, serviços de terraplenagem e serviços complementares. 

 

Para Marcelo Migliori, secretário estadual de infraestrutura, a reforma do aeroporto e a Ferroeste “vem de encontro a busca de Mato Grosso do Sul em procurar uma integração com os modais aeroviário, rodoviário, hidroviário e ferroviário”.

 

Ele destaca que os dois projetos colocarão Dourados e Mato Grosso do Sul com uma “logística excepcional” e cita sobre progresso econômico.

 

“Com a construção desses projetos naturalmente Dourados vai se tornar um dos grandes polos logísticos e de escoamento da produção não só do MS mas também da região Centro-Oeste do país. Vale dizer que a iniciativa privada vai atrás de onde tem desenvolvimento então outras grandes empresas certamente virão para cá”, disse.

 

A secretária de Desenvolvimento pontuou ainda que “o acesso das pessoas é um ponto principal para o desenvolvimento da cidade e que além disso a reforma do aeroporto projeta estímulo ao turismo de negócios e eventos que é a tendência na região”.



Untitled Document
Últimas Notícias
Cocamar inaugura loja em Naviraí em outubro
Funasa libera 1ª parcela para implantação de água potável no Assentamento Juncal
Azambuja pede que Justiça responsabilize outros gestores por atraso no Aquário
Untitled Document