Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2017
01 de NOVEMBRO de 2017 | Fonte: Correio do Estado

Piracema começa hoje em rios de MS

Nesse período, somente a pesca de subsistência é permitida
Principal ação realizada pelos militares acontece nas cachoeiras e corredeiras, aonde os peixes se deslocam para a reprodução - Foto: Divulgação

A Piracema começa hoje em alguns rios da Bacia do Paraná, que passam por Mato Grosso do Sul. A partir do dia 5, o período em que é proibido pesca também passa a valer para os rios da Bacia do Paraguai. Com monitoramento de cardumes 24h em algumas situações, a Polícia Militar Ambiental (PMA) terá 342 militares trabalhando nas ações que vão até o dia 28 de fevereiro.

 

De acordo com o tenente coronel Edmílson Queiroz, responsável pela comunicação da PMA, além da Piracema, a corporação também se prepara para atuar na Operação Finados, com feriado prolongado a partir de quinta-feira (2).

 

Em todos os rios do Estado, conforme a PMA,  no período da Piracema, é permitida somente a pesca de subsistência, correspondente a 3 kg ou um exemplar, para o morador ribeirinho. Já na Bacia do Paraná há duas exceções.

 

A pesca amadora permanece aberta nos lagos das usinas hidrelétricas instaladas ao longo do rio Paraná, para a captura de 10 kg de pescado mais um exemplar de espécies não nativas e exóticas, ou seja, tucunaré, corvina, bagre africano, tilápia e bagre africano, entre outros.

 

Já para pescadores profissionais, não há limite de pescado. A partir do dia 1º de fevereiro já é permitido o pesque-solte no Rio Paraguai.

 

Desde o início de outubro a PMA já atua na operação pré-piracema, época em que muitos cardumes já começam a se formar par a época de reprodução e os pescadores descem em grande número para os rios.

 

"Verificamos a pesca predatória, se está usando petrechos proibidos, se o peixe está acima da cota permitida, fora da medida", disse Queiroz.

 

Ainda conforme o tenente coronel, além de fiscalizar todo o leito dos rios do Estado, a principal ação realizada pelos militares acontece nas cachoeiras e corredeiras, aonde os peixes se deslocam para a reprodução.

 

"Existem cardumes enormes e muitos pescadores aproveitam e pegam tudo com a rede. Por isso não podemos dar bobeira em momento algum. Fazemos o monitoramento desses cardumes por 24h em alguns locais. Todo nosso efetivo estará empenhado na ação, até mesmo os administrativos vão a campo", explicou.



Untitled Document
Últimas Notícias
Fiems disponibiliza treinamento sobre gestão de SST na era do e-Social para as indústrias
Maioria do STF vota pela restrição ao foro privilegiado para parlamentares
Novo texto da reforma mantém idade mínima de 65 para homens e 62 para mulheres
Untitled Document