Untitled Document
SÁBADO, 18 DE AGOSTO DE 2018
01 de NOVEMBRO de 2017 | Fonte: Fiems

Senai Empresa inicia projetos para divulgar energia fotovoltaica

Atualmente 40 projetos estão em andamento e o Senai acompanha a elaboração de um pedido de financiamento para instituições financeiras e aponta detalhes técnicos para garantir a maior eficiência energética possível.

Depois de percorrer 17 municípios de Mato Grosso do Sul, o Senai Empresa encerrou, na noite de ontem (31/10), no auditório do Sebrae/MS, em Campo Grande (MS), o ciclo de apresentações do projeto “Sistemas Fotovoltaicos”, que teve como objetivo disseminar entre a população do Estado a energia solar como alternativa mais barata e sustentável à energia elétrica. Desde o início do projeto, lançado em agosto deste ano, 200 cidadãos sul-mato-grossenses realizaram simulações dos custos de instalação de placas solares em indústrias, estabelecimentos comerciais e imóveis rurais e residenciais.

 

Foram realizadas 105 cotações (quando os consultores do Senai Empresa indicam a viabilidade e o cliente solicita o orçamento do projeto) e, atualmente, 40 projetos estão em andamento, etapa na qual o Senai acompanha a elaboração de um pedido de financiamento para instituições financeiras, e aponta detalhes técnicos da instalação como a quantidade de placas necessárias, angulação, disposição e outras orientações para garantir a maior eficiência energética possível.

Projeto foi lançado em agosto deste ano (Foto: Divulgação)

Para o gerente do Senai Empresa, Rodolpho Mangialardo, a instituição conseguiu cumprir o papel de mostrar não só para o empresário, mas para toda a população do Estado, que é possível produzir energia limpa e com custo reduzido. “Percebemos que no início do projeto era tudo muito novo. Quando as informações foram chegando, tanto para os 22 integradores, parceiros do Senai que comercializam as placas e executam a instalação, quanto para a população, o interesse foi muito grande. O mais importante disso tudo é que conseguimos mostrar que o consumo de energia pode ser sustentável e que, com a economia gerada, o empresário pode se manter mais competitivo no mercado”, avaliou.

 

Integrador do projeto e representante de uma empresa que comercializa placas fotovoltaicas, Francisco Azambuja considera que, de fato, a iniciativa do Senai despertou no mercado um interesse maior pela produção de energia solar. “O Senai e a Fiems deram credibilidade ao que nós, vendedores, estamos dizendo para o cliente, porque o nome Senai passa uma segurança para o cliente que está interessado em instalar um sistema fotovoltaico, mas precisa de um empurrão”, analisou.

 

Contador e morador da Capital, Elson Mascarenhas Correa esteve no Sebrae e, com conta de luz em mãos, realizou uma simulação. Ali mesmo, recebeu por e-mail o relatório de viabilidade e, pelo smartphone, deu o ok, solicitando o orçamento do projeto. “Quando vi o valor, respondi o e-mail na hora. Pago R$ 600 de conta de luz na minha casa, e a parcela do financiamento seria, em média, R$ 500. Compensa muito”, considerou.

 

Consultor de mercado do Senai Empresa, Sebastião Dussel explica que, no caso de Elson, o próximo passo é a instituição contatar os 22 integradores parceiros solicitando valores das placas e custos de integração. “O Senai então acompanha todo esse processo. O cliente definindo qual empresa executará o projeto, orientamos na elaboração do pedido de financiamento para o banco, toda a instalação pela empresa, o trabalho da Energisa e, depois, o funcionamento do sistema por três meses”, explica.

 

Como funciona

No âmbito do Projeto Sistemas Fotovoltaicos, o Senai Empresa presta uma consultoria, que vai desde a análise de viabilidade de instalação das placas solares, elaboração dos custos do projeto e eficiência energética, financiamento e execução. Para empresários, o projeto pode ser financiado via FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-oeste), linha de crédito do Banco do Brasil, enquanto pessoas físicas podem contrair financiamentos comuns para custear a instalação das placas solares, em qualquer instituição financeira.

 

O Sebrae/MS, via programa SebraeTec, por sua vez, visa incentivar a adesão de micro e pequenos empresários ao projeto, e subsidia até 80% da consultoria do Senai, além de facilitar o pagamento dos 20% restantes, via cartão de crédito. Durante as palestras, Rodolpho Mangialardo esclarece que o uso da energia solar em qualquer tipo de unidade consumidora é promessa de economia, no entanto, não é possível precisar em quanto a conta de luz será reduzida com a instalação dos painéis, o que depende de uma série de fatores, como a média de consumo mensal, variação nos preços da energia e a imprevisibilidade do clima. Porém, a diminuição de gastos varia entre 50% e 95%.

 

“Não é possível economizar até 100% na conta de luz porque só com o fato de estar conectado à rede de energia gera um consumo mínimo, ou se houver variação da incidência de luz solar, o que também influencia. No entanto, o consumo de energia elétrica pode, sim, ser zerado e todo esse excedente, que é injetado na rede elétrica, pode ser usado no prazo de cinco anos, ou comercializado. E existe também a possibilidade de essa energia ser consumida em outras propriedades, como um segundo imóvel, uma fazenda, desde que vinculado a um mesmo CNPJ ou CPF”, finalizou, completando que o ciclo de apresentações para divulgar o projeto se encerrou, mas a execução pelo Senai Empresa continua e basta entrar em contato com um dos consultores da instituição.

 

Serviço – Mais informações pelo telefone 0800 7070 745.



Untitled Document
Últimas Notícias
Cocamar inaugura loja em Naviraí em outubro
Funasa libera 1ª parcela para implantação de água potável no Assentamento Juncal
Azambuja pede que Justiça responsabilize outros gestores por atraso no Aquário
Untitled Document