Untitled Document
SÁBADO, 18 DE AGOSTO DE 2018
03 de AGOSTO de 2017 | Fonte: TV Morena

Clima entre fazendeiros e indígenas volta a ficar tenso em Caarapó

Forças de segurança estão na região para evitar novos confrontos. Em junho de 2016, um índio morreu e seis ficaram feridos em conflito.
Caarapó, MS (Foto: Reprodução/ TV Morena)

Em Caarapó, na região sul de Mato Grosso do Sul, o clima de tensão entre produtores rurais e indígenas voltou a preocupar um ano após o confronto que matou um índio e feriu outros seis, além de três policiais durante conflito agrário. Segundo a Polícia Militar, desde domingo (30), indígenas tentam ocupar uma propriedade rural às magens da MS-280, na saída para Laguna Caarapã.

 

Comandantes das forças de segurança do município, a 264 km de Campo Grande, se reuniram para traçar estratégias e tentar evitar novos conflitos por terra.

 

A Fundação Nacional do Índio (Funai) informou que os indígenas ocuparam parte da fazenda Santa Maria, que tem 3.200 hectares de área, mas a situação começou a ficar tensa depois que os indígenas ameaçaram ocupar a sede da fazenda.

 

Ainda segundo a Funai, um estudo de demarcação na região foi feito em 2016 e apontou que parte da fazenda fica em terras indígenas. Atualmente, 17 propriedades entre grandes e pequenas estão ocupadas na região.

 

Pelo menos 80 homens do Batalhão de Choque da Polícia Militar e policiais da Força Tática de Dourados estão na região, além da Força Nacional.

 

A família dona da propriedade colocou seguranças para cuidar da sede da fazenda e o gerente já saiu do local. Lideranças indígenas disseram que o movimento é liberado por índios do extremo sul do estado, que não são da aldeia Tey Kue de Caarapó.

 

Histórico

Em junho de 2016, o agente de saúde, Clodiode Aquileu Rodrigues de Souza, de 26 anos, morreu e outros seis índios ficaram feridos durante conflito com fazendeiros na região. Três policiais que trabalhavam na região também foram feridos. Os militares tinham ido acompanhar o Corpo de 

Bombeiros em socorro às vítimas do conflito e acabaram sendo feitos reféns pelos índios. Eles tiveram armas e coletes balísticos recolhidos.

 

Dourados Amambaipeguá I

A Terra Indígena Dourado-Amambaipeguá I abriga quatro comunidades (tekoha) denominadas Javorai Kue, Pindo Roky, Km 20/ Urukuty e Laguna Joha, com população aproximada de 5.800 pessoas, de acordo com a Funai.

 

Devido ao processo de expropriação dos territórios indígenas, que teve início em 1882 com o início da atividade de produção de erva-mate e a chegada de colonos gaúchos após a Guerra do Paraguai (1864 a 1870), os guarani-kaiowá passaram a viver dispersos pela região, conforme a fundação.



Untitled Document
Últimas Notícias
Cocamar inaugura loja em Naviraí em outubro
Funasa libera 1ª parcela para implantação de água potável no Assentamento Juncal
Azambuja pede que Justiça responsabilize outros gestores por atraso no Aquário
Untitled Document