Untitled Document
QUINTA-FEIRA, 23 DE NOVEMBRO DE 2017
23 de JUNHO de 2017 | Fonte: Folhapress

Estados Unidos barram entrada de carne fresca brasileira

Brasil tem pelo menos 150 contêineres no mar indo para os EUA
Carne brasileira volta a ficar na mira dos Estados Unidos - Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado

O setor produtor de carne do Brasil sofreu um novo baque nesta quinta-feira (22), depois que o governo americano anunciou a suspensão de todas a compra da carne bovina "in natura" do país, devido a preocupações relativas à sanidade do produto.

 

Segundo o Departamento da Agricultura dos EUA, desde março deste ano, após a Operação Carne Fraca (envolvendo fiscais sanitários), o país barrou 11% das carne bovina "in natura" exportada pelo Brasil.

 

Uma das consequências da operação da PF é que os EUA passaram a investigar 100% da carne brasileira que quer entrar no país.

 

Essa taxa de reprovação, ainda segundo o governo dos EUA, é muito maior do que a média global: de 1%.

 

O mercado americano só se abriu para o produto brasileiro no ano passado e ainda é pouco relevante para as exportações do país. Porém, mais importante que o tamanho atual é o impacto futuro, já que os EUA não são apenas um grande consumidor de carne como a imagem brasileira sofre novo abalo.

 

Esse tranco vem logo após o segmento sofrer as consequências das operações da Polícia Federal, da delação premiada dos donos da JBS e da volta da cobrança de Funrural e de ICMS no setor.

 

"É um prejuízo intangível e afeta principalmente a consolidação e a imagem do setor", diz Antonio Camardelli, presidente da Abiec (Associação Brasileira da Indústrias Exportadoras de Carnes).

 

Camardelli diz que a carne "in natura" brasileira foi recusada nos EUA devido a abcessos provocados por reação de animais à vacina aftosa.

 

Além do produto que já foi recusado pelos norte-americanos, o Brasil tem pelo menos 150 contêineres no mar indo em direção aos Estados Unidos.

 

Uma das saídas, segundo o presidente da Abiec, é a continuidade de estudos para a retirada da vacinação do gado brasileiro. Isso, no entanto, demanda um tempo e acompanhamento do Ministério da Agricultura, que é quem fiscaliza a carne exportada e libera as vacinas.

 

Ainda não é possível quantificar se a medida pode impactar em empregos no país e qual deve ser a repercussão no mercado interno.

 

MEDIDA ANTERIOR

 

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) tinha suspendido, ontem, as exportações de cinco frigoríficos para os Estados Unidos, depois de autoridades sanitárias americanas identificarem irregularidades provocadas pela reação à vacina contra a febre aftosa. Entre eles está o da JBS em Campo Grande.

 

Há ainda as unidades da Marfrig localizadas em São Gabriel (RS), Promissão (SP) e Paranatinga (MS); e uma da Minerva, em Palmeiras de Goiás (GO).

 

O ministério recebeu documento do Serviço de Segurança e Inspeção de Alimentos, cuja sigla em inglês é FSIS, agência do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, relatando não conformidades constatadas em reinspeção de produtos dos locais em questão.



Untitled Document
Últimas Notícias
Novo texto da reforma mantém idade mínima de 65 para homens e 62 para mulheres
Atriz Claudia Rodrigues é internada às pressas em São Paulo
Roger Machado é anunciado como novo técnico do Palmeiras
Untitled Document