Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 20 DE OUTUBRO DE 2017
12 de JUNHO de 2017 | Fonte: Fiems

Exportação de industrializados de MS tem alta de 6%

Caso não seja selecionado, estudante pode participar da lista de espera
Produtos industrializados de MS teve alta de comercialização de 6% no período de janeiro a maio (Foto: Fiems)

A receita com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul registrou alta de 6% no período de janeiro a maio deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, aumentando de US$ 1,08 bilhão para US$ 1,14 bilhão, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Já na comparação de maio de 2017 com maio de 2016 o crescimento é de 19%, saltando de US$ 181,4 milhões para US$ 216,5 milhões.

 

Quanto ao volume exportado, na comparação dos cinco primeiros meses deste ano com os cinco primeiros meses do ano passado, há uma redução 9%, diminuindo de 3,66 milhões de toneladas para 3,33 milhões de toneladas. Já em relação à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 56% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano, na mesma comparação, a participação ficou em 58%.

 

Segundo o presidente da Fiems, Sérgio Longen, é sempre muito positivo anunciar o avanço dos dados positivos do setor industrial sul-mato-grossense. “Entendo que é o início da recuperação, com aumento da contratação de mão de obra e outros indicadores extremamente favoráveis. Essa alta de 6% no ano também é um percentual bastante significativo nas exportações de produtos industrializados do nosso Estado, um crescimento considerável em relação ao ano passado e, por isso, temos que comemorar. O Brasil precisa superar essa fase e avançar economicamente”, analisou.

 

DESEMPENHO

 

Já o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, destaca que, de janeiro a maio, os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Celulose e Papel”, “Complexo Frigorífico”, “Açúcar e Etanol”, “Extrativo Mineral”, “Óleos Vegetais” e “Couros e Peles”, que, somados, representaram 96,8% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior.

 

O grupo “Celulose e Papel” somou US$ 411,9 milhões, apontando queda de 6% sobre igual período de 2016, quando as vendas atingiram US$ 438 milhões. A redução observada se deu principalmente pela diminuição nas compras em importantes mercados para a celulose de Mato Grosso do Sul, com destaque para a China, Itália e Espanha, e em razão da redução do preço médio da tonelada da celulose, que passou de US$ 421,08 em 2016 para US$ 407,36 em 2017.

 

No “Complexo Frigorífico”, a receita de exportação alcançou o equivalente a US$ 372,8 milhões, um aumento de 16% sobre igual período de 2016, quando o total ficou em US$ 322,3 milhões. O crescimento observado se deu principalmente pelo aumento de 13% no preço médio da tonelada das carnes exportadas pelo grupo, que passou de US$ 2.440,83 em 2016 para US$ 2.762,78 no mesmo período de 2017.

 

OUTROS GRUPOS

 

No grupo “Açúcar e Etanol”, a receita de exportação de janeiro a maio de 2017 alcançou o equivalente a US$ 173,6 milhões, aumento de 84% sobre igual período do ano passado quando a receita foi de US$ 94,6 milhões. Resultado influenciado principalmente pelo aumento das compras realizadas por Malásia, Estônia, Bangladesh, Iraque, Egito e Geórgia, que somados apresentaram incremento de US$ 90,1 milhões, e pela elevação do preço médio da tonelada do açúcar de cana, único produto do grupo com registro de vendas ao exterior no acumulado deste ano.

 

O grupo “Extrativo Mineral” está com receita de exportação acumulada em US$ 72,3 milhões, indicando aumento de 36% sobre o mesmo período de 2016, quando as vendas foram de US$ 53,1 milhões. O resultado se deu pela alta de 156% no preço médio da tonelada do minério de manganês, que em 2017 está em US$ 155,89 contra US$ 60,84 em 2016.

 

Em relação ao grupo “Óleos Vegetais”, o período de janeiro a maio de 2017 fechou com receita equivalente a US$ 39,5 milhões, indicando queda de 55% sobre o mesmo intervalo de 2016, quando as vendas foram de US$ 87,7 milhões, tendo a Tailândia como principal responsável pela redução observada com uma retração nas compras equivalente US$ 39,0 milhões. Já no grupo “Couros e Peles” a receita de exportação de janeiro a maio de 2017 totalizou o equivalente a US$ 37 milhões, tendo redução de 28% sobre igual período de 2016, quando as vendas foram de US$ 51,7 milhões.

 

Resultado influenciado pela diminuição das compras efetuadas pela China, Vietnã e Holanda, que somados apresentaram redução de 3,5 mil toneladas ou 72% de toda retração ocorrida no volume de venda, quando comparado com o mesmo período do ano passado. Encerrando, o grupo “Siderurgia e Metalurgia”, que fechou o período de janeiro a maio de 2017 com receita equivalente a US$ 14,7 milhões, indicando aumento de 226% na comparação com o mesmo período de 2016, quando as vendas foram de US$ 4,5 milhões, graças, principalmente, pela elevação das compras feitas pela Argentina.



Untitled Document
Últimas Notícias
Izauri assina contrato para construção de 59 casas no Interlagos II
Empreendedores de Maracaju recebem curso de gestão financeira
Jogos entre brigadistas ocorre neste sábado na Copasul
Untitled Document