Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 26 DE JUNHO DE 2017
17 de MAIO de 2017 | Fonte: Top Mídia News

Por reajuste, professores podem cruzar os braços já na segunda-feira em MS

Docentes querem o piso ao invés de abono salarial nos salários (Foto: Arquivo)

O presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul), Roberto Botarelli, afirmou nesta terça-feira (16) que os professores devem decidir na próxima quinta-feira (18) se entram ou não em greve. Eles cobram o cumprimento do Governo do Estado do piso salarial.

 

Botarelli disse que os professores devem participar de uma assembleia, na sede da Fetems e lá devem decidir se entram ou não em greve. Os professores reivindicam reajuste de 7,64%  referente ao piso salarial dos professores. "Os professores estão cansados e zangados. Abono não é solução", finaliza.

 

Caso votem pela greve na quinta-feira, eles podem parar já na próxima segunda-feira. Isso porque deve-se obedecer o prazo legal de informar a realização de greve pelo menos 48 horas antes do início da paralisação.

 

Sem dinheiro

 

O governador tem lembrado que até o momento, não há previsão de crescimento das receitas do Executivo. Em 2016, os gastos com a folha de pagamento foram de R$ 4 bilhões, faltando cerca de R$ 500 milhões para atingir o limite máximo exigido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. O valor total equivale a 42,99% da receita corrente líquida. O limite prudencial é de 46,55%, ou seja, R$ 4,3 bilhões, e o teto máximo é de 49%.

 

A prorrogação do abono salarial, o famoso ‘duzentão’, foi aprovada na semana passada, em 26 de abril, pelos deputados estaduais. Com o novo projeto, o benefício deve ser pago até 31 de março de 2018, tanto para os servidores efetivos ativos quanto para aposentados e pensionistas integrantes da Administração Direta, Autárquica e Fundacional. Os valores variam de R$ 100 a R$ 250, conforme a carreira do servidor, e não contam para cálculos de férias e previdência.



Untitled Document
Últimas Notícias
Cassems tem aprovação de 81% dos usuários do Estado, aponta pesquisa
Temer sanciona lei que permite preço diferente para cada forma de pagamento
Empresários do Estado terão 15 dias para pagar ICMS de mercadorias
Untitled Document