Untitled Document
DOMINGO, 22 DE OUTUBRO DE 2017
08 de ABRIL de 2017 | Fonte: Midiamax

Cientista de MS redescobre macaco 'fantasma', que não era visto havia 60 anos

Registro foi feito de forma ocasional

O macaco Parauacu de Vanzolini, cujo nome científico é Pithecia vanzolinii, acaba de ser redescoberto por uma equipe de pesquisadores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). Há mais de seis décadas desaparecido, o animal foi registrado no extremo oeste do Acre, quase na fronteira com o Peru e divisa com o Amazonas, mais especificamente na Reserva Extrativista Riozinho da Liberdade. Quem encontrou o macaco foi o doutorando em Ecologia e Conservação André Valle Nunes, e o doutorando da USP (Universidade de São Paulo) José Serrano-Villavicencio.

Resultado de imagem para macaco Parauacu de Vanzolin
Macaco Parauacu de Vanzolini (Foto: Divulgação)

“O registro aconteceu ocasionalmente. Não trabalho especialmente com primatas e estava tomando dados para o meu Doutorado – “Populações tradicionais, cães domésticos e a coexistência com mamíferos silvestres em uma reserva extrativista na Amazônia” – quando, ao voltar da mata para a vila de ribeirinhos fui chamado para ver o animal caçado por um ribeirinho, e logo reconheci ser o Parauacu de Vanzolini”, explica André. Juntos, eles publicaram, em fevereiro, a redescoberta da espécie em artigo no "Check List – The journal of Biodiversity Data".

 

O último registro havia sido feito há 61 anos pelo ornitólogo Fernando da Costa Novaes e pelo taxidermista M. M. Moreira, ambos pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi. Em 2014, a pesquisadora americana Laura Marsh havia revalidado a espécie – até então considerada subespécie do gênero Pithecia. “Tirei foto, coletei crânio e pele, e então fiz contato com um colega taxonomista do Museu de Zoologia da USP, José Serrano-Villavicencio. Ficamos encantados com a espécie que há 61 anos não recebia registro de especialistas”, completa o doutorando.

 

Para André, o artigo tem como principal objetivo chamar atenção dos conservacionistas para a espécie, para que possam ocorrer novos estudos na região. “Essa redescoberta mostra que o Parauacu de Vanzolini persiste, pode ser encontrado na natureza, e que a comunidade científica deve estar atenta”. Muito pouco é conhecido sobre a biologia da espécie, considerada como ‘dados deficientes’ (DD) segundo os critérios da União Internacional para Conservação (IUCN).

 

Este é o quinto registro do Parauacu de Vanzolini desde 1956. “Fiquei muito feliz com a redescoberta, que também funciona como um incentivo para se fazer pesquisas em regiões que são subamostradas na Amazônia”, acrescenta André. O animal é chamado de fantasma pelos ribeirinhos, por ser muito ágil e difícil de caçar.



Untitled Document
Últimas Notícias
Cafés diferenciados ganham mais espaço na produção nacional
Caminhão tomba e motorista morre soterrado por carga de madeira
Santos vence Atlético-GO na Vila e sobe para 3º no Brasileiro
Untitled Document