Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
03 de ABRIL de 2017 | Fonte: Agência Brasil

Mercado espera que taxa de juros caia para 8,75% até o fim do ano

Redução da taxa Selic deverá beneficiar compras a crédito (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O mercado financeiro espera que a taxa básica de juros, a Selic, fique em 8,75% ao ano, ao final de 2017. Na semana passada, a expectativa era 9% ao ano, segundo o boletim Focus, divulgado todas as segundas-feiras pelo Banco Central (BC). Atualmente, a Selic está em 12,25% ao ano.

 

No último dia 30, o BC indicou que poderá acelerar o ritmo de cortes na taxa básica de juros, a Selic. Em fevereiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC anunciou o quarto corte seguido na taxa. Por unanimidade, o comitê reduziu a Selic em 0,75 ponto percentual, de 13% ao ano para 12,25% ao ano. Esse foi o segundo corte seguido de 0,75 ponto percentual. A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 11 e 12 deste mês.

 

“A consolidação do cenário de desinflação mais difundida, que abrange os componentes da inflação mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária [definições da taxa Selic], fortalece a possibilidade de uma intensificação moderada do ritmo de flexibilização da política monetária, em relação ao ritmo imprimido nas duas últimas reuniões do Copom”, disse o BC no Relatório de Inflação.

 

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Já quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

 

Inflação

 

A estimativa do mercado financeiro para inflação caiu pela quarta vez seguida. Desta vez, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,12% para 4,10%.

 

A projeção para a inflação este ano está abaixo do centro da meta que é 4,5%. A meta tem ainda limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2018, a estimativa não foi alterada – segue em 4,5%.

 

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano, permanece em 0,47%. Para o próximo ano, a estimativa permanece em 2,5%.



Untitled Document
Últimas Notícias
Diretor de equipe amadora emite nota de repúdio contra árbitro de Naviraí
Moradora de Itaquiraí morre após acidente de trânsito no Pará
Neymar fala sobre Marquezine, mas faz mistério sobre Demi Lovato
Untitled Document