Untitled Document
QUINTA-FEIRA, 19 DE ABRIL DE 2018
20 de FEVEREIRO de 2017 | Fonte: Assessoria

Reforma administrativa do Governo do Estado garante economia de R$ 130 milhões

Principais pontos das mudanças planejadas pelo Executivo estadual foram apresentados pelo governador Reinaldo Azambuja e o secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel, na manhã desta segunda.

A reforma administrativa que será encaminhada para a Assembleia Legislativa nesta terça-feira (21/02) vai garantir uma economia de R$ 130 milhões ao orçamento estadual este ano. A economia é decorrente da redução de cerda de mil cargos, entre comissionados e temporários, da revisão de contratos com fornecedores e da otimização de espaços físicos.

Governador Reinaldo fala sobre a reforma administrativa do Governo do Estado (Foto: Chico Ribeiro – Subcom)

Os principais pontos das mudanças planejadas pelo Executivo estadual foram apresentados pelo governador Reinaldo Azambuja e pelo secretário de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), Eduardo Riedel, na manhã desta segunda-feira (20/02), para a imprensa e lideranças políticas convidadas, na Governadoria.

 

 

Um dos fatores que requerem a implantação de medidas de contenção é a redução drástica na arrecadação. O ICMS, fonte de 82% da receita tributária do Estado, foi fortemente impactado com a queda na importação do gás natural boliviano pela Petrobrás.

 

A média mensal de importação do combustível, que no ano passado foi de 854,1 milhões de metros cúbicos, caiu drasticamente para 453,4 milhões em janeiro deste ano. Em cifras, a redução significa queda de cerca de 50% do valor arrecadado, passando dos R$ 952,06 milhões recolhidos em 2016 para R$ 436,6 milhões projetados para este ano, uma diferença que desequilibra as contas do Estado.

 

Entre as principais mudanças da reforma está a redução de três secretarias, passando de 13 para 10. Contando com o corte já realizado no início da gestão, quando foram extintas duas pastas, Reinaldo Azambuja diminuiu em um terço o número de secretarias. “Vamos enxugar a estrutura, mas manter a eficiência dos serviços”, garante o governador.

 

PEC do Limite de Gastos – A reforma administrativa é uma das ações que o Governo do Estado vai tomar como forma de buscar o equilíbrio fiscal. Outra medida é o envio para a Assembleia Legislativa, também nesta terça-feira, da Proposta de Emenda Constitucional do Limite de Gastos, restringindo o orçamento do Estado a sua arrecadação. A PEC vincula os gastos do Executivo ao IPCA – acrescido de 20% do crescimento real da Receita Corrente Líquida (RCL) e, ao mesmo tempo, limitados a 90% desse crescimento – e abrange os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, Tribunal de Contas, Ministério Público e Defensoria Pública. 

 

Reforma previdenciária – A reforma previdenciária, que começa a ser discutida com os servidores nesta semana, tem como objetivo principal conter o déficit gerado pela diferença entre o total da contribuição e o valor pago em benefícios. A diferença chegou este ano a R$ 916,8 milhões (R$ 76 mi/mensais) e passará de R$ 1 bilhão em 2018. A previsão é que o Projeto de Lei da Reforma Previdenciária do Estado seja enviado para a Assembleia até março.

 

 Principais medidas da Reforma Administrativa:

 

1 – REDUÇÃO DE 13 PARA 10 NO NÚMERO DE SECRETARIAS:

As secretarias de Agricultura Familiar (Sepaf) e de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico (Semade) serão fundidas, passando a se chamar Secretaria de Estado de Produção, Desenvolvimento Econômico, Meio Ambiente e Agricultura Familiar.

 

A Secretaria de Estado de Habitação (Sehab) será fundida com a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), que se mantém com este nome.

 

A Casa Civil também será fundida com a Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov).

 

2 – REESTRUTURAÇÃO:

A Secretaria de Estado de Cultura, Turismo, Empreendedorismo e Inovação (Sectei) será desmembrada e passa a se chamar Secretaria de Estado de Cultura e Cidadania (SEC), ficando sob sua estrutura a Fundação Estadual Jornalista Luiz Chagas de Rádio e TV Educativa de MS (Fertel), antes na Casa Civil, e as subsecretarias de Mulheres, Igualdade Racial, Juventude e Indígena, antes na Sedhast. A pasta também terá uma nova subsecretaria, criada para atender a diversidade, denominada Subsecretaria de Políticas Públicas LGBT.

 

As fundações de Turismo (Fundtur) e de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de MS (Fundect), que também eram da estrutura da Sectei, passam a fazer parte da Secretaria de Estado de Produção, Desenvolvimento Econômico, Meio Ambiente e Agricultura Familiar.

 

Com a fusão com a Casa Civil, a Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov) passa a ter a Subsecretaria de Relações Institucionais.

 

3 – OUTRAS MUDANÇAS:

Redução de 16 superintendências.

Centralização dos órgãos de atendimento em 44 municípios. Ex: regionalização das agências fazendárias (Agenfas), passando de 79 para 30.

 

Redução de 1 mil cargos entre comissionados e temporários, com previsão de economia de R$ 34 milhões anuais.

Nova rodada de revisão de contratos, com estimativa de redução de R$ 100 milhões anuais.

Redesenho dos processos internos (compras, contratos, almoxarifado, folha de pagamento e previdência). (**Texto: Rosane Amadori – Assessoria de Imprensa Segov)



Untitled Document
Últimas Notícias
Supermercados Chama lançam promoção do Dia das Mães
Zé Teixeira intercede por construção de rotatória em rodovia de MS
Zeca retira ação contra o Santos, que fecha com o Inter troca por Sasha
Untitled Document