Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 23 DE JULHO DE 2019
26 de JUNHO de 2019 | Fonte: Secretaria de Estado de Saúde (SES)

Mesmo com quarta-feira chuvosa, Caravana da Saúde faz milhares de procedimentos

Até as 12h30 desta quarta-feira, 6.010 consultas, 875 cirurgias de catarata, 239 cirurgias de yag, 28.699 exames e 710 procedimentos de pós-catarata já tinham sido realizados.
Foto: Ricardo Minella

Nem mesmo a chuva que caiu na manhã desta quarta-feira (26/06) em Campo Grande desanimou as pessoas que saíram de suas casas em busca de atendimento oftalmológico na Caravana da Saúde. De olho na previsão do tempo, o governo do Estado determinou a ampliação da estrutura ainda na noite de terça-feira, a fim de garantir conforto e abrigo para a população.

 

 No décimo dia da atual edição, a credibilidade e aceitação ao programa mais uma vez se confirmou com os assentos disponíveis completamente ocupados com pessoas de diversos municípios do Estado e Campo Grande. Os atendimentos prosseguem até o próximo dia 5 de julho.

 

Os números da Caravana da Saúde continuam surpreendendo. Desde o dia 17 de junho até as 12h30 desta quarta-feira, 6.010 consultas, 875 cirurgias de catarata, 239 cirurgias de yag, 28.699 exames e 710 procedimentos de pós-catarata foram realizados.

 

União a toda prova

A esperança de enxergar bem novamente foi a motivação que levou o casal David Gabriel Torres, 76 anos e Elisabete da Silva Torres, de 70 anos a procurar a Caravana da Saúde. Casados há cerca de 56 anos, quando ele tinha cerca de 20 anos e ela, 15, se declaram unidos até na hora de procurar o médico. “Nós não brigamos. Quando ela está brava, eu levo na esportiva. Às vezes ela fica ainda mais brava, mas eu não ligo. Dali a pouco tudo passa”, afirma o aposentado David Torres. Dona Elisabete apenas confirma, com um sorriso, explicando que tem dificuldades para enxergar para fazer as atividades domésticas.

 

A esperança do Sr. David é enxergar melhor para fazer algo do qual disse gostar muito, que é a leitura. “Além de ler, quero mexer no celular e nas redes sociais”, conclui, com a aprovação da esposa.

 

Linha na agulha

A doméstica Irani Cardoso Ferreira, 63 anos, reside em Campo Grande desde 1982. Consultada pela equipe da Caravana da Saúde, foi diagnosticada com pterígio no olho direito e catarata no olho esquerdo. “Tem dias que não enxergo quase nada e não dá nem para pôr a linha na agulha”, afirma. O sonho dela é poder trabalhar fazendo bordados para auxiliar no orçamento familiar. Diagnosticada com catarata em 2013, disse que não procurou tratamento por medo. “Depois que vi tanta gente fazendo cirurgia e sendo bem sucedidas, não tenho mais esse problema”, afirma, elogiando o programa do Governo do Estado. “É uma oportunidade que a gente não pode  perder”, salientou, justificando sua presença na Caravana da Saúde, mesmo debaixo de chuva.



Untitled Document
Últimas Notícias
Festival de Inverno de Bonito impulsiona setor de turismo em baixa temporada
Homem morre em acidente entre moto e caminhão
Shandong acerta detalhes com o Verdão e anuncia Moisés
Untitled Document