Untitled Document
QUARTA-FEIRA, 26 DE JUNHO DE 2019
21 de MAIO de 2019 | Fonte: Campo Grande News

Integrante do PCC vai à júri por esquartejamento

Motivação do crime seria rivalidade entre facções
Fernando do Nascimento dos Santos foi encontrado morto e enrolado em um cobertor (Foto: Divulgação)

Um dos três acusados de matar e esquartejar Fernando do Nascimento dos Santos, em 2017, irá a júri nesta quinta-feira (23), em Campo Grande. Somente Danilo Richele da Silva Fernandes, de 19 anos, irá a julgamento por homicídio qualificado, pois Ueslei de Oliveira e Wellington Ferreira de Souza recorreram.

De acordo com o processo, os três acusados mataram Fernando no dia 16 de agosto de 2017. A vítima foi até a residência de Danilo para comprar drogas, momento em que foi questionado se pertencia a alguma facção criminosa, respondendo que fazia parte do Comando Vermelho (CV).

Então, uma discussão sobre as facções rivais começou no interior da casa e, em seguida, a vítima teria sido encarcerada no local e amarrada a uma cadeira. Ela teria sido, em diversos momentos, obrigada a pedir desculpas aos membros do Primeiro Comando da Capital (PCC). Ainda na madrugada do ocorrido, Fernando teria sido levado ao banheiro da casa e novamente amarrado a uma cadeira para que fosse morto.

Segundo a acusação, Danilo determinou que Wellington filmasse a ação e que Ueslei matasse a vítima, entregando-lhe uma arma branca. Ueslei iniciou o ato e, em seguida, Danilo tomou para si a faca e continuou até decapitar Fernando. Além disso, ambos teriam cortado outros membros.

Os acusados teriam também planejado ocultar o cadáver, uma vez que enrolaram as partes da vítima em uma coberta e, de prévio acordo, resolveram que Danilo, na companhia de um terceiro indivíduo não identificado, levassem a vítima dentro de um veículo até um local desabitado na Rua Engenheiro Paulo Frontim, no Bairro Los Angeles, na Capital.

Diante dos fatos, o juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida pronunciou os réus nos artigos 121 (homicídio qualificado, motivo torpe e meio cruel), artigo 148 (cárcere privado), artigo 211 (ocultação de cadáver) e artigo 288 (associação criminosa), combinado com o artigo 29, todos do Código Penal. Wellington não foi pronunciado em ocultação de cadáver, somente.



Untitled Document
Últimas Notícias
Abertas inscrições para o Fies do segundo semestre de 2019
Bolsonaro revoga o decreto de armas e contradiz porta-voz
Deputados aprovam inclusão de educação financeira em escolas estaduais do MS
Untitled Document