Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
06 de AGOSTO de 2018 | Fonte: Campo Grande News

Eleitor terá 6 opções ao governo de MS e 11 ao Senado no dia 7 de outubro

Partidos e políticos deverão registrar as candidaturas até o dia 15 de agosto no TRE-MS
Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) terá maior coligação para tentar a reeleição (Foto: Fernando Antunes)

As convenções partidárias em Mato Grosso do Sul, concentradas no fim de semana, fecharam com seis postulantes ao governo estadual e 11 para disputa do Senado, que neste ano tem duas vagas abertas no Estado. As opções para os 1,8 milhão de eleitores do Estado vão se confirmar até o dia 15 de agosto para registrarem as candidaturas no TRE-MS (Tribunal Regional de Mato Grosso do Sul).

 

A maior coligação para eleição será a tucana, que conseguiu reunir 13 partidos ao lado do PSDB, em apoio à reeleição do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). Estão neste grupo: PP, DEM, PSD, PPS, Pros, Solidariedade, PSB, PTB, PMB, Patriota, Avante, PSL e PMN.

 

Para atender os aliados, os tucanos fizeram duas chapas para deputados federais. A primeira tem PSDB, PP, PSD, DEM, PMB e Patriota. Já a segunda conta com o PPS, PROS, Solidariedade, PSB, PTB, Avante, PSL e PMN.

 

Na disputa estadual são três chapas. O primeiro grupo: PSDB-DEM-PROS, seguido por SDD-PSL-PSB- PP-PPS-PTB-PMB e a último: PSD-PMN-Patriota-Avante. O candidato a vice será Murilo Zauith (DEM), com dois nomes ao Senado: Nelsinho Trad (PTB) e Marcelo Miglioli (PSDB).

 

Nelsinho terá como suplente o empresário José Chagas (DEM), enquanto que Miglioli, o pastor Antônio Dionízio (PSB). O PSL e PMB vão apoiar os tucanos na eleição proporcional, mas também lançaram seus nomes ao Senado, respectivamente a advogada Soraia Thronicke (PSL) e o ex-superintendente do Ibama, Dorival Betini (PMB).

 

Já o MDB conseguiu sete aliados em apoio a senadora Simone Tebet. Entre eles PSC,PR, PTC, PHS, PRTB, PSDC e PRP. O candidato a vice será o procurador licenciado Sérgio Harfouche (PSC). Eles lançaram apenas Waldemir Moka (MDB) ao Senado, tendo como suplente o ex-prefeito de Sonora Zelir Antônio Maggioni (MDB).

 

Mudança – O juiz aposentado Odilon de Oliveira (PDT) conseguiu atrair apenas dois aliados: PRB e Podemos. Houve mudanças na última hora na sua chapa majoritária, com troca de vice e candidato ao Senado.

 

Depois das indefinições, o bispo Marcos Antônio Camargo Vitor (PRB) assumiu o cargo de vice, ficando as duas vagas ao Senado com Humberto Figueiró (Podemos) e Pedro Chaves (PRB), que terá como suplente o vereador Gilmar da Cruz (PRB).

 

Já o PT manteve sua chapa divulgada na semana passada, tendo o ex-prefeito de Mundo Novo, Humberto Amaducci (PT) ao governo e o deputado federal Zeca do PT disputando o Senado. O partido vai sair em chapa pura nesta eleição, sem nenhum aliado. “Não conseguimos fazer as parcerias com os partidos de esquerda, mas iremos apostar nos sindicatos e movimentos sociais”, disse Amaducci.

 

O PV resolveu ter candidatura própria apostando no ex-vereador Marcelo Bluma (PV), tendo no seu bloco de apoio o PC do B, que terá Mario César Fonseca ao Senado e a Rede, que fez a indicação da vice, Maria Bernardelli.

 

Mantendo a tradição o PSOL também terá candidato ao governo, com o ex-vice-prefeito de Ribas do Rio Pardo, João Alfredo Daniese. Em chapara pura terá como vice Diná Freitas e como candidato ao Senado, Anísio Guató, liderança indígena. Fechando o quadro aparece o PPL, que lançou o ex-subsecretário estadual de Juventude, Thiago Freitas, ao Senado.



Untitled Document
Últimas Notícias
Reunião define prazo para regularização de casas da Vila Industrial em Naviraí
Semana na ALMS tem sessão solene, plenárias e CCJR
Abstenção em MS elegeria nove vezes o deputado eleito menos votado no Estado
Untitled Document