Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
06 de AGOSTO de 2018 | Fonte: Correio do Estado

Custo da cesta básica cai em Campo Grande

Retração foi de 2,52% no mês de julho
Cesta básica de Campo Grande é a décima mais acessível entre as 20 pesquisadas mensalmente - Foto: Arquivo/Correio do Estado

Custo da cesta básica teve retração de 2,52% em Campo Grande no mês de julho, de acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O valor monetário foi de R$ 370,59, representando uma redução de R$ 9,59, o que fez com que a cesta básica campo-grandense fosse a décima mais acessível entre as 20 pesquisadas mensalmente pela instituição. 

 

Quedas de preço foram observadas em sete dos treze produtos que integram a cesta básica, sendo as mais expressivas para o tomate (-16,94%), batata (-14,34%) e banana (-12,30%). Estes itens, assim como o feijão carioquinha (-2,93%) e o café (-2,93%), mantiveram a trajetória de retração observada no mês anterior. A carne bovina (-1,11%) apresentou redução de preço após 3 meses consecutivos de alta, e a manteiga (-0,10%) voltou a cair, sendo esta a terceira retração no ano.

 

Dentre os produtos que apresentaram alta, o leite de caixinha (10,16%) completa cinco meses consecutivos de aumento de preços, sendo o preço médio de 1 litro do produto o mais alto registrado no período, de R$ 4,44, destacou o Dieese.

 

Além do leite, a farinha de trigo (3,89%), o arroz (3,20%), o pãozinho francês (1,15%) e o açúcar (0,53%) registraram altas de preços no mês. O óleo de soja não teve variação de preços em julho, sendo mantido o preço médio de uma unidade do produto em R$ 3,19.

 

Jornada

No que diz respeito à jornada de trabalho, foram necessárias 85 horas e 28 minutos de trabalho em julho para os trabalhadores que recebem um salário mínimo comprarem uma cesta básica em Campo Grande. Quando comparado ao tempo dispendido no mês de junho, houve redução de 2 horas e 12 minutos, conforme o Dieese.

 

O nível de comprometimento do salário mínimo líquido para aquisição de uma cesta básica também apresentou diminuição, em 1,10 p.p., passando de 43,32%, em junho, para 42,22% em julho.

 

Capitais

Em julho, o valor do conjunto de alimentos essenciais diminuiu em 19 capitais, segundo os dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada pelo Dieese.

 

As reduções mais expressivas foram registradas em Cuiabá (-8,67%), São Luís (-6,14%), Brasília (-5,49%), Belém (-5,38%), Rio de Janeiro (-5,32%) e Curitiba (-5,12%). A alta foi verificada em Goiânia (0,16%).

 

A cesta mais cara foi a de São Paulo (R$ 437,42), seguida pela de Porto Alegre (R$ 435,02) e Rio de Janeiro (R$ 421,89). Os menores valores médios foram observados em Salvador (R$ 321,62), São Luís (R$ 336,67) e Natal (R$ 341,09).



Untitled Document
Últimas Notícias
Semana na ALMS tem sessão solene, plenárias e CCJR
Abstenção em MS elegeria nove vezes o deputado eleito menos votado no Estado
Brasil já registra mais de 34 mil mortes violentas no ano
Untitled Document