Untitled Document
QUINTA-FEIRA, 25 DE ABRIL DE 2019
30 de JULHO de 2018 | Fonte: Agência Brasil

Alvos da PF, médico e empresário têm nova ordem para uso de tornozeleira

Realizada em 25 de janeiro, a ação da Polícia Federal investiga a “Máfia do Coração”
Operação Again cumpriu mandados de busca no HU em janeiro (Foto: André Bittar/Arquivo)

A Justiça Federal mandou que dois alvos da operação Again (de novo) – um médico e um empresário - voltem a utilizar tornozeleira eletrônica. Realizada em 25 de janeiro, a ação da PF (Polícia Federal) investiga a “Máfia do Coração” em hospitais. Na ocasião, o médico Mercules Pedro Paulista Cavalcante e o empresário Pablo Augusto de Souza Figueiredo passaram a ter monitoramento eletrônico pelo prazo de 120 dias.

 

Com o término do período, o MPF (Ministério Público Federal) recorreu e a 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande restabeleceu a exigência da tornozeleira eletrônica.

 

Para o médico, foi mantido o afastamento de suas funções públicas; proibição de se comunicar e de se aproximar de um raio de 300 metros de Pablo e dos demais investigados; proibição de acessar e de se aproximar de um raio de 300 metros do HU(Hospital Universitário) de Campo Grande, HR (Hospital Regional) Rosa Pedrossian e do HU (Hospital Universitário) da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados).

 

Em relação a Pablo Figueiredo, foi determinado afastamento de suas atividades profissionais, desenvolvida por meio da empresa Amplimed Distribuidora de Materiais Hospitalares Ltda ou por qualquer meio relativo à venda de materiais hospitalares ou relacionamento com órgãos públicos da área da saúde; proibição de manter comunicação e de se aproximar Mércule e dos demais investigados, e proibição de de aproximar dos hospitais.

 

O médico e o empresário apontaram a “desnecessidade” de resgatar as medidas cautelares. A Justiça ainda liberou que a Funsau (Fundação de Saúde) tenha acesso ao processo.

 

Relações - Mercule era “autoridade máxima” no setor de hemodinâmica do Hospital Universitário de Campo Grande, que em 2013 já havia sido investigado na “Máfia do Câncer”.

 

A PF apura a ligação entre o médico e o empresário Pablo Figueiredo, dono da empresa Amplimed, que tem sede no Pará. É apurado pagamento de viagens e veículos de luxo (com valor acima de R$ 200 mil) pela empresa ao médico.

 

A suspeita é que os desvios passem de R$ 3,2 milhões, envolvendo fraude em licitação, superfaturamento e desvio de material utilizado em tratamento de cardiopatias.



Untitled Document
Últimas Notícias
Conselho Estadual de Agrotóxicos elabora plano para difusão do Manejo Integrado de Pragas em MS
Adolescente morre após ser agredido com enxada
Com faca, homem ameaça e rouba bolsa de mulher
Untitled Document