Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 22 DE OUTUBRO DE 2018
25 de JULHO de 2018 | Fonte: TV Morena

TRF3 nega habeas corpus a André Puccinelli, ao seu filho e a advogado

O ex-governador de MS, André Puccinelli, o filho e o advogado foram presos na sexta-feira pela manhã em um desdobramento da operação Lama Asfáltica.
Ex-governador André Puccinelli e filho, sendo transportando em veículo da PF durante a prisão na sexta-feira (20) (Foto: Gustavo Arakaki/TV Morena)

O desembargador Maurício Yukikazu Kato, da quinta turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) negou ontem (24/07) a concessão de uma liminar no pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do ex-governador André Puccinelli (MDB), do seu filho, André Puccinelli Júnior e do advogado Paulo Calves, que foram presos em um desdobramento da operação Lama Asfáltica.

 

Após a liminar ser negada, os advogados disseram que analisam impetrar um recurso conjunto pedindo a liberdade dos clientes em várias instâncias da Justiça.

 

Na decisão, o desembargador apontou que a prisão preventiva dos três está fundamentada em elementos que indicam, por ora, a necessidade da segregação cautelar, não “padecendo de ilegalidade ou mácula que possam modificá-la”.

 

Kato ressalta ainda que não verifica constrangimento ilegal a ser sanado pelo tribunal, nem flagrante de ilegalidade ou abuso de poder na medida de prisão dos três.

 

Os três foram presos na manhã de sexta-feira (20/07). O ex-governador e seu filho foram levados para o Centro de Triagem, no Complexo Penitenciário de Campo Grande. Já o advogado João Paulo Calves, que também foi detido na mesma ação, foi transferido para o Presídio Militar.

 

Os três são réus por lavagem e desvio de dinheiro e já tinham sido presos pela PF em 2017 na Operação Lama Asfáltica. Eles conseguiram a liberação no dia seguinte. As prisões desta sexta foram determinadas, conforme a polícia, por conta de novas provas envolvendo a Ícone, empresa de cursos jurídicos de Puccinelli Júnior.

 

O advogado de André Puccinelli, René Siufi, considera a prisão "estranha" porque foi feita às "vésperas da convenção do MDB", e na opinião dele, não há nada de novo na investigação que justifique as prisões.

 

Siufi disse ainda que analisa a documentação sobre a prisão, que segundo ele, são 132 laudas. Ele estuda quais medidas a defesa irá adotar.

 

Os mandados foram deferidos pela 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande a pedido do Ministério Público Federal, com base em uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em maio de 2018, que determinou a prisão de outros oito réus do mesmo caso.

 

De acordo com a PF, entre as novas provas contra os réus estão repasses da JBS à Ícone. Segundo delator, a JBS pagou R$ 1,2 milhão à empresa de Puccinelli Júnior. A polícia também juntou ao processo análises de materiais apreendidos no Instituto Ícone.

 

Segundo informações do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Mansour Karmouche, a Ordem acompanha as prisões dos advogados e Puccinelli Júnior abriu mão das prerrogativas da profissão dele para ficar junto ao pai.

 

Pré-candidatura está mantida

Em anúncio feito ainda tarde desta sexta-feira (20/07), partido anuncia que pré-candidatura de Puccinelli ao governo do estado está mantida. Convenção do MDB está marcada para 4 de agosto.

 

Investigações

Os três presos e mais outras pessoas são investigadas pela PF por suposta relação com esquema de corrupção e lavagem de dinheiro.

 

Em abril, o juiz Marcel Henry Batista de Arruda, da 1ª Vara de Direitos Difusos Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, aceitou a denúncia de improbidade administrativa contra o ex-governador e outros quatro, todos investigados na Operação Lama Asfáltica.

 

Em janeiro deste ano, a 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande aceitou denúncia contra o ex-governador e outros 12 acusados de cometerem crimes de estelionato e contra o patrimônio público. Os mesmos citados já tinham sido denunciados pela acusação de recursos públicos e lavagem de dinheiro.

 

André Puccinelli e o filho tinham sido presos poucos meses antes da denúncia, em novembro de 2017, durante a 5ª fase da operação Lama Asfáltica, chamada de Papiros de Lama, que apura corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo a empresa de cursos jurídicos do advogado Puccinelli Júnior. Eles foram soltos por determinação judicial.

 

Em janeiro de 2018, a PF indiciou 25 pessoas por lavagem de dinheiro, entre as quais o ex-governador André Puccinelli, o filho dele e a ex-secretária de Educação, Maria Nilene Badeca da Costa. O indiciamento foi relacionado às investigações da Papiros de Lama.

 

Na época que a Papiros de Lama foi desencadeada, o ex-governador foi apontado como chefe de um esquema de propina existente há mais de 10 anos em Mato Grosso do Sul. O montante de desvio comprovado, até aquele momento pelas investigações era de R$ 235 milhões, conforme divulgou na época o delegado da Polícia Federal, Cléo Mazzotti.



Untitled Document
Últimas Notícias
Sesi destaca melhoria na gestão de SST com eSocial
Chuva desacelera ritmo da moagem de cana na segunda quinzena de setembro
Atacar Poder Judiciário é atacar a democracia, diz presidente do STF
Untitled Document