Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2017
13 de NOVEMBRO de 2017 | Fonte: O Globo

Guerrero apela ao tribunal da Fifa para anular suspensão

Julgamento do peruano está marcado para o dia 30, na Suíça.
Guerrero está suspenso até o fim deste mês (Foto: Marcos Brindicci/ Reuters)

Paolo Guerrero, suspenso por 30 dias pela Fifa após doping para a benzoilecgonina, um metabólito da coca e da cocaína, recorreu da punição na manhã desta segunda-feira. Sua equipe de advogados já havia solicitado a anulação da suspensão, que foi negada, e estudava se iria ou não recorrer ao Tribunal de Apelação da Fifa. A pedido do jogador, a defesa se movimentou, mesmo considerando curtos os prazos para que ele pudesse voltar a jogar imediatamente.

 

O atacante perdeu o primeiro jogo da seleção do Peru contra a Nova Zelândia, no sábado, pela repescagem das Eliminatórias da Copa. O jogo terminou em 1 a 1, e o segundo confronto será na quarta-feira, em Lima. Além disso, Guerrero tem a semifinal da Sul-Americana, com o Flamengo, contra o Junior de Barranquilla, da Colômbia, nos dias 23 e 30, pela frente.

 

A contraprova do exame do jogador, aberta na última quinta-feira e cujo resultado foi conhecido na sexta-feira, deu positivo para o estimulante, configurando o doping positivo.

 

O bioquímico L. C. Cameron, que faz parte da equipe de defesa do jogador e é o coordenador do Laboratório de Bioquímica de Proteínas da UNIRIO, foi quem acompanhou a abertura da amostra B, em Colônia, na Alemanha. Guerrero fez o exame antidoping após o jogo do Peru contra a Argentina pelas Eliminatórias, em 5 de outubro.

 

O advogado do atleta, Bichara Neto, informou que, no detalhamento da amostra A, não apareceram outros metabólitos da coca (resultado de seguidas transformações da coca ou cocaína no organismo; no metabolismo) e que a concentração de benzoilecgonina é muito baixa.

 

A defesa irá se basear nesses dados para tentar diminuir a pena de quatro anos de suspensão, prevista no código antidopagem da Agência Mundial Antidoping (Wada).

 

Para isso, terá de indicar, e provar, como o metabólito da coca e da cocaína apareceu no organismo do atleta. O objetivo é provar que a substância foi ingerida sem a intenção e o conhecimento do jogador. Assim, a pena pode cair para dois anos.

 

A defesa do atleta terá de ser enviada à Fifa até o dia 26. O julgamento será no dia 30, em Zurique, na Suíça.



Untitled Document
Últimas Notícias
Fiems disponibiliza treinamento sobre gestão de SST na era do e-Social para as indústrias
Maioria do STF vota pela restrição ao foro privilegiado para parlamentares
Novo texto da reforma mantém idade mínima de 65 para homens e 62 para mulheres
Untitled Document