Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 22 DE SETEMBRO DE 2017
13 de JUNHO de 2017 | Fonte: Campo Grande News

PF busca quadrilha que pretendia resgatar chefe de presídio

A ação em conjunto com a Agepen e policiais do Batalhão de Choque conta com 50 homens.
Armas apreendidas durante a operação deflagrada nesta manha (Foto: divulgação/Polícia Federal)

A Polícia Federal de Três Lagoas-MS deflagrou nesta manhã de terça-feira (13/06), a Operação Cerberus para investigar organização criminosa especializada em contrabando de armas. Os investigados, segundo a PF, planejavam resgatar um preso e matar agentes penitenciários.

 

A ação em conjunto com a Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) e policiais do Batalhão de Choque conta com 50 homens. Ao todo, serão cumpridos três mandados de condução coercitiva, um mandado de prisão preventiva e quatro mandados de busca e apreensão expedidos pela 1ª Vara Criminal de Três Lagoas.

 

Os mandados também estão sendo realizados em Campo Grande, onde um grupo planejava realizar o resgate de um preso. Os nomes dos integrantes e do presidiário ainda não foram divulgados. Os envolvidos podem responder pelos crimes de formação de organização criminosa, posse e comércio ilegal de armas de fogo de uso restrito e fuga de preso, cujas penas somadas podem chegar a 28 anos de prisão.

 

Investigação

As investigações começaram em março, quando um líder da organização criminosa, que não foi identificado, planejou tentativa de fuga da Penitenciária de Três Lagoas com uso de uma pistola calibre .380. 

 

Após a primeira tentativa, o presidiário foi transferido para a Penitenciária de Segurança Máxima da Capital. Ele, então, passou a contar com o apoio de sua namorada de 25 anos e outros três comparsas de 23, 22 e 21 anos, para contrabandear armas de fogo, além de planejar nova tentativa de fuga e possível assassinato de agentes penitenciários durante escolta para consulta médica.

 

Lider

A PF informou que o líder da organização cumpre pena pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo e tentativa de homicídio, enquanto ainda aguarda julgamento por novos crimes de uso de documento falso e porte ilegal de arma de fogo.

 

Ceberus, nome da operação, faz alusão à criatura responsável por impedir a fuga das almas de criminosos que tentavam escapar do inferno, de acordo a mitologia grega. Os investigados serão levados à sede da Polícia Federal em Campo Grande, onde serão ouvidos.

 

Sistema penitenciário

Ontem, o IPCG (Instituto Penal de Campo Grande) também foi alvo de operação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) para apurar os crimes de corrupção, peculato, tráfico de drogas e associação para o tráfico. Três pessoas foram presas, entre elas um agente penitenciário.



Untitled Document
Últimas Notícias
Neymar pede desculpas ao elenco do PSG por polêmica com Cavani, diz jornal
Com foco na eficiência e competitividade, MS adere ao Agro+, do Ministério da Agricultura
Scocco faz cinco gols, River atropela o Wilstermann e vai à semifinal
Untitled Document