Untitled Document
DOMINGO, 22 DE OUTUBRO DE 2017
15 de MARÇO de 2017 | Fonte: Campo Grande News

Entra em vigor reforma que reduz Estado e economizará R$ 134 milhões

Aprovada na Assembleia, proposta precisava ser sancionada para começar a valer oficialmente

A reforma administrativa do Governo de Mato Grosso do Sul entra em vigor nesta quarta-feira (15), conforme publicação no Diário Oficial de hoje. Com reorganização, o Estado passa das 13 secretarias para 10, uni pastas semelhantes e prevê economia de pelo menos R$ 134 milhões.

 

A lei completa pode ser conferida aqui, a partir da página 1. A redução de 13 para 10 secretarias faz com que Mato Grosso do Sul tenha a menor estrutura administrativa entres as demais unidades da Federação.

 

Antes de ser sancionada, a proposta passou pela Assembleia Legislativa de MS, onde foi aprovada pelos deputados estaduais. A secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, por exemplo, abrigará também a Produção e Agricultura Familiar, a secretaria de Governo teve as competências ampliadas e criação de uma subsecretaria de Relações Institucionais.

 

Conforme a lei, à subsecretaria caberá a coordenação da política de governo, além do relacionamento com a Assembleia Legislativa, função exercida pelo secretário da Casa Civil, Sérgio de Paula. Ele, no entanto, deixará a pasta, que também foi extinta, para comandar o PSDB em MS.

 

Anteriormente, o secretário de Governo, Eduardo Riedel, afirmou que após a aprovação e validade da reforma, seria nomeado um subsecretário, para cuidar especificamente da área.

 

A Agehab (Agência Estadual de Habitação) será englobada à Seinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura). A Subsecretaria de Estado de Cultura e Cidadania também vai abranger políticas públicas das mulheres; racial; população indígena; LGBT e Juventude.

 

A legislação publicada hoje cancela alguns artigos e itens da Lei nº 4.640, de 24 de dezembro de 2014, no que se refere à Casa Civil, à secretaria de Habitação, de Produção e Agricultura Familiar.

 

Ainda de acordo com o governo, a reforma administrativa compõe um conjunto de medidas para cortar gastos e é resposta à crise financeira no País. Além desta, o Executivo Estadual apresentou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do Limite de Gastos e a Previdenciária. Esta última enfrenta propestos, inclusive hoje, quando vários setores paralisaram suas atividades.



Untitled Document
Últimas Notícias
Mulher tem corte de 10 cm na cabeça em acidente
Temer anuncia em Miranda recursos para recuperação do Taquari
Manchester City emplaca a 11ª vitória seguida
Untitled Document