Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 19 DE SETEMBRO DE 2017
20 de SETEMBRO de 2016 | Fonte: G1

Vacina da zika pode ser testada em 2 meses

Projeto é resultado de parceria com instituto americano. Vacina de DNA usa tecnologia nova que não deve trazer risco a grávidas.
Imagem é representação da superfície do vírus da zika (Foto: Universidade Purdue/Cortesia)

O Instituto Butantan pode começar, em dois meses, a testar em humanos uma vacina contra o vírus da zika. Esta é a expectativa do diretor da instituição, Jorge Kalil, que fez o anúncio em um evento nesta segunda-feira (19).

 

O projeto, que é resultado de uma parceria com um instituto americano, é de uma vacina de DNA, que usa um pequeno fragmento de DNA produzido sinteticamente em laboratório que codifica uma proteína do vírus da zika e por isso desperta a resposta imunológica contra o vírus no organismo.

 

“É uma tecnologia absolutamente revolucionária, mas a gente sabe que não tem nada de infeccioso e que não causa problemas para a grávida. Porque nós temos que proteger a mulher grávida”, disse Kalil. Uma das principais precupações em relação ao vírus da zika é o risco de ele provocar microcefalia em bebês cujas mães foram infectadas.

 

Segundo Kalil, o instituto tem uma reunião com a Anvisa ainda esta semana para discutir a aprovação dos testes clínicos. “A Anvisa e a Conep (Conselho Nacional de Ética em Pesquisa) estão muito sensibilizadas para a questão, então acho que vai ser uma questão de um ou dois meses para a aprovação”, afirmou o diretor do instituto.

 

As vacinas de DNA são vistas como uma tendência para o futuro, mas, até o momento, ainda não existe nenhum produto desse tipo aprovado para uso comercial.

 

O instituto também trabalha no desenvolvimento de um soro contra zika e de anticorpos monoclonais para combater o vírus, ambos com a função de neutralizar o vírus já presente no organismo da pessoa infectada.

 

Vacina de vírus inativado

Outra iniciativa em andamento no Instituto Butantan é um projeto de vacina de zika com vírus inativado para o qual centro de pesquisa recebeu US$ 3 milhões da Autoridade de Desenvolvimento e Pesquisa Biomédica Avançada (Barda, na sigla em inglês), órgão ligado ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos do governo americano (HHS).

 

Pesquisadores do centro já trabalharam no processo de cultura, purificação e inativação do vírus em laboratório.



Untitled Document
Últimas Notícias
Encontrada ossada de jovem sumido há quase 1 ano em Naviraí
Audiência subsidia projeto de lei que determina avaliação em academias
Naviraí terá casamento comunitário em outubro
Untitled Document