Untitled Document
SEGUNDA FEIRA, 15 DE JULHO DE 2019
22 de ABRIL de 2019 | Fonte: Portal do Governo de Mato Grosso do Sul

Governo do MS inicia cascalhamento de mais uma estrada implantada no Pantanal

O investimento com recursos do Fundersul integra o programa estadual de interligação da região pantaneira por rodovias e pontes.
Boiada cruza trecho da MS-228 que recebe cascalhamento: estrada garantirá acesso ao Pantanal o ano todo (Foto: Edemir Rodrigues)

Após superar os desafios naturais impostos pelas vazantes, mesmo em um período que prenuncia seca no Pantanal, o Governo do Estado retomou a obra de implantação e cascalhamento do trecho de 40 km da MS-228, entre o trevo com a MS-184 (Curva do Leque) e a fazenda Alegria, em Corumbá. O investimento com recursos do Fundersul integra o programa estadual de interligação da região pantaneira por rodovias e pontes.

 

Para garantir o transporte de 250 mil toneladas de resíduos de minério de ferro para compactar os 40 km, de uma mina situada no distrito de Albuquerque, a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) executou 18 desvios no entorno de pontes de madeira de vazantes para a passagem dos caminhões com cargas de 20 toneladas de material. A obra foi necessária para preservar as pontes, que tem capacidade para 15 toneladas, e evitar acidentes.

 

O serviço na MS-228 ganhou ritmo forte com a entrada em operação de uma balsa de maior dimensão para a travessia do Rio Paraguai, no Porto da Manga. A balsa atual, que atende a todos os usuários da via, transporta apenas um caminhão com 10 toneladas por vez, e a nova, suporta um volume cinco vezes maior. “Vamos acelerar o cascalhamento aproveitando o período de estiagem”, informou Luiz Anache, chefe da residência da Agesul em Corumbá.

 

Interligando os pantanais

Além desse trecho da MS-228, o Governo do Estado concluiu a implantação de 18,8 km da mesma rodovia, entre a Vazante do Castelo e a fazenda Imaculada (entroncamento com a MS-427), entre Aquidauana e Corumbá. Também foram implantados com aterro 34 km da MS-423, da Serra da Alegria (Rio Verde) a fazenda Morrinho (Corumbá). Outra frente de obra já executou 25% dos 65 km das MS-228 e MS-423, entre as fazendas Picapau e Conceição, em Corumbá.

 

Os investimentos na Rota Pantaneira ultrapassam R$ 40 milhões e está projetada também a implantação da MS-214, interligando os pantanais do Paiaguás e Nhecolândia, a partir de Coxim, até a ponte de concreto sobre o rio Taquari. Numa segunda etapa, será implantada a estrada que liga a ponte à Serra da Alegria, completando uma logística que vai tirar o homem pantaneiro do isolamento, além de fomentar a pecuária e o ecoturismo.

 

As dificuldades de tráfego isolam secularmente a região, pelas características de solo (arenoso) e inundações anuais, e a ligação rodoviária para permitir o escoamento da produção de bois, abastecimento das fazendas e o incremento também ao turismo é uma luta antiga dos fazendeiros. Para o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Luciano Leite, “pela primeira vez um governador enxergou a importância de uma estrada para o pantaneiro”.

 

Fim do areião, novo ciclo

A abertura das estradas na região pantaneira, com a implantação de aterros, drenagem e cascalhamento, vai atrair novos investimentos para melhorar a genética do rebanho, estimado em três milhões de cabeças, e acelerar a chegada dos troncos de energia elétrica, na avaliação do pecuarista e leiloeiro Carlos Guaritá. “O Reinaldo (Azambuja) acreditou no potencial da nossa pecuária e no pantaneiro e será sempre lembrado por esse feito”, enfatizou ele.

 

A chegada do cascalho ao trecho da Curva do Leque a fazenda Alegria foi festejada com entusiamo pelos produtores rurais. A obra eliminará os trechos de acúmulo de areia e os alagados que impediam o acesso às propriedades da região da Nhecolândia, principalmente durante os quatro meses de cheia anual. Para o pecuarista, significa menor custo de transporte e de manutenção de veículos e a garantia de comercialização o ano todo.

 

“É uma obra que beneficia a todos, inclusive ao Estado e Municípios, pois vai aumentar o movimento de gado e gerar mais impostos”, cita o dirigente ruralista Luciano Leite. Para o capataz de um retiro da fazenda Firme, Humberto José da Silva, 51, a obra que passa em frente à porteira da propriedade será a redenção da região. “Vai agregar valor ao boi e gerar mais empregos”, diz, acompanhando da porteira da centenária fazenda a evolução do serviço.

 

O movimento de caminhões transportando o minério e as máquinas compactando o solo da MS-228 se funde com a passagem das boiadas pela estrada para os leilões de bovinos realizados na região. Coordenando as comitivas de até mil animais, o gerente de leilão André Nantes parabenizou o governador Reinaldo Azambuja pelo investimento. “Estamos vivendo um novo ciclo, o acesso é tudo para o pantaneiro.”



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraí faz carreata em prol da valorização do comércio local
Atleta de Naviraí se destaca na 3ª Corrida Internacional em Ponta Porã
Contribuinte pode parcelar dívidas do IPVA em até 10 vezes
Untitled Document