Untitled Document
TERÇA-FEIRA, 23 DE JULHO DE 2019
26 de FEVEREIRO de 2019 | Fonte: Correio do Estado

Renovação da concessão da BR-163 pode ser antecipada

Ministério da Infraestrutura pedirá socorro ao TCU para resolver impasse.
A empresa não cumpriu a meta de duplicar 193 quilômetros da rodovia (Foto: Valdenir Rezende/ Correio do Estado)

Para garantir a retomada das obras de duplicação da BR-163, em Mato Grosso do Sul, as quais estão paradas desde maio de 2017 pela Concessionária CCR MSVia, o Ministério da Infraestrutura enviará, nos  próximos dias, uma consulta ao Tribunal de Contas de União (TCU) para saber se há impedimentos legais na renovação da concessão. A opção é avaliada como a melhor alternativa em relação a pedir a caducidade do contrato por descumprimento do acordo ou realizar nova licitação.

 

O impasse sobre a concessão chegou a uma encruzilhada quando a concessionária, em maio do ano passado, ajuizou ação contra a União e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) pedindo a revisão dos termos assinados em 2014. A empresa, que não cumpriu a meta de duplicar 193 quilômetros da rodovia entre abril de 2017 e abril de 2018, alegou à época que o governo descumpriu cláusulas contratuais.

 

Isso teria ocorrido em virtude de “alterações econômicas imprevisíveis e supervenientes à assinatura do referido contrato de concessão, com pedido alternativo de rescisão”, segundo comunicado da empresa divulgado à Comissão de Valores Mobiliários em maio do ano passado.

 

É que a MSVia não conseguiu financiamento de 70% das intervenções com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), como foi a previsto na época da concessão. A empresa alegou também que houve aumento nos custos das obras.

 

Na avaliação do ministro Tarcísio Gomes de Freitas, que esteve reunido com o governador Reinaldo Azambuja e com os gestores estaduais de Goiás, Mato Grosso e de Minas Gerais no TCU, na quinta-feira, há três alternativas que poderiam ser adotadas em virtude do impasse jurídico e da quebra de contrato pela concessionária após não viabilizar recursos para as obras. 

 

Uma delas seria o processo de caducidade por descumprimento de contrato; outra opção seria aceitar a devolução da via e realizar nova licitação, processo que pode deixar a rodovia sem nenhum investimento por mais de dois anos; a terceira alternativa e considerada a mais viável é fazer uma revisão contratual, impondo novos critérios e prazos para a duplicação da pista, bem como realização de obras de suporte aos usuários. Desta forma, estaria garantida a duplicação integral da BR-163 e tarifas menores em relação a um novo processo de concessão.

 

“Todos foram unânimes de que precisamos de uma solução urgente. O ministro é defensor de que a melhor opção é a revisão contratual. Nós também acreditamos nisso”, enfatizou o governador Reinaldo Azambuja.

 

Para viabilizar essa proposta, o ministro da Infraestrutura encaminhará nos próximos dias uma consulta ao TCU, para que se manifeste sobre a legalidade do procedimento.

 

O presidente do tribunal, ministro José Mucio Monteiro Filho, enfatizou que será feita uma avaliação rigorosa da proposta. “Nunca o TCU esteve tão aberto para resolver, há absoluta boa vontade”, afirmou Monteiro Filho, destacando que o parecer do tribunal é necessário para que todo o processo, caso atenda à legislação, tenha respaldo jurídico para ser adotado.



Untitled Document
Últimas Notícias
Naviraí faz seletiva para Festival Estudantil Temático de Trânsito
Investimentos em logística transformarão Porto Murtinho na nova Paranaguá de MS
5º Encontro de Carros Antigos de Naviraí desperta atenção e curiosidade
Untitled Document