Untitled Document
SÁBADO, 24 DE AGOSTO DE 2019
28 de JANEIRO de 2019 | Fonte: Globo Esporte

São Paulo é presa fácil do Santos e preocupa a 10 dias da Libertadores

No primeiro grande teste do ano, time mostra problemas que a simples entrada de Hernanes não será capaz de resolver.
Nenê não consegue vitória pessoal. Defesa do Santos anula o São Paulo (Foto: Marcos Ribolli)

Não havia motivo para empolgação nas duas boas vitórias do São Paulo na largada do Campeonato Paulista. E não há razão para desespero na derrota para o Santos – 2 a 0, neste domingo (27/01), no Pacaembu. Mas o torcedor tricolor provavelmente acorda nesta segunda-feira mais desconfiado do que esperançoso. E está correto. A atuação no clássico, o primeiro grande desafio da temporada, foi muito, muito ruim.

 

O São Paulo perdeu para o Santos em tudo que se pode perder. O adversário, que não é exatamente um coletivo de supercraques, teve evidente supremacia técnica. E ficou mais com a bola, e chutou mais a gol, e teve mais chances claras de marcar, e teve domínio territorial. O Tricolor marcou mal, atacou pouco e não conseguiu ser um time reativo às investidas do oponente. Sucumbiu diante de uma equipe que, com menos de um mês de treinos no ano, não teria motivos para ser tão superior.

 

Jardine escalou o time com Nenê posicionado na linha mais ofensiva, ocupando o lado esquerdo, com Pablo como vizinho pelo meio e Helinho aberto na direita. Everton, com isso, ficou mais atrás, trocando de posição com Nenê em alguns momentos. Era uma estratégia que poderia dar ao time diferentes qualidades: a intensidade de Everton, partindo de trás e ajudando na marcação, e a qualidade de Nenê, mais próximo do gol.

 

Mas ficou só na ideia mesmo. O São Paulo quase nada fez. A defesa do Santos engoliu o ataque tricolor – Pablo esteve sumido, totalmente dominado por Gustavo Henrique, e Helinho mais correu do que criou pela direita, enquanto Nenê também não conseguia resolver na esquerda.

 

A equipe de André Jardine ficou sem a bola e sem capacidade de reação quando a recuperava. E permitiu que o Santos atacasse. Tiago Volpi fez duas boas defesas antes de Luiz Felipe, de cabeça, superar Arboleda na pequena área e fazer 1 a 0, quase no fim do primeiro tempo.

 

Era evidente que se fazia necessária uma mudança. E Jardine optou pela alternativa mais natural: Diego Souza. Helinho deixou o time, e o camisa 9 entrou centralizado, entre Nenê e Pablo. Mais uma vez, não funcionou. Tudo que o São Paulo conseguiu foi ter mais a bola e rondar mais a área santista em comparação com o primeiro tempo. Mas jamais pressionou. E levou o 2 a 0 – gol de Derlis González, em contra-ataque.

 

Cabe uma ressalva fundamental: Hernanes entrará nesta equipe. Mas a mera presença do jogador, por melhor que seja (e é!), não poderá resolver tantos problemas, caso eles se repitam. Hudson, capitão do time, foi tanto sincero quanto cirúrgico ao diagnosticar, depois do clássico: o São Paulo já demonstrou qualidades neste começo de ano, mas tem muito a melhorar.

 

Até porque já tem Libertadores da América em dez dias. Em 6 de fevereiro, o São Paulo começa a enfrentar o Talleres, da Argentina. E é duelo eliminatório.



Untitled Document
Últimas Notícias
Carretas carregadas com arroz são apreendidas com 5 toneladas de maconha em MS
Ministério da Justiça autoriza uso da Força Nacional em cinco estados
Reinaldo Azambuja recebe homenagem e destaca importância do Poder Legislativo
Untitled Document